segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Israel planeja fornecer aos palestinos na Cisjordânia 40% menos água do que a seus colonos

O ministro da Infraestrutura Nacional de Israel, Yuval Steinitz, foi forçado a bloquear um plano que viria da companhia nacional de água do país para construir mais infraestrutura para fornecer água para os assentamentos judaicos irregulares do que para os palestinos, que já recebem menos água.

Em seu plano futuro de infraestrutura, discutido em uma reunião oficial não publicada em setembro, a estatal Mekorot Water Company propôs aumentar a quantidade de água para os palestinos na Cisjordânia, zona controlada por Israel dos atuais 45 metros cúbicos por pessoa, para 65 metros cúbicos, uma quantidade inferior a destinada aos assentamentos israelenses nas terras ocupadas por Israel após a Guerra dos Seis Dias em 1967, que receberiam 40% mais água.

Os detalhes da reunião foram divulgados pelo site de notícias em hebraico The Marker, e citado no Haaretz, um tabloide em inglês.

Steinitz teria rejeitado a proposta de forma direta, alegando que a empresa estava violando as convenções internacionais que estipulam que é ilegal discriminar ao fornecer infraestrutura vital com base na etnia, e forçou a Mekorot a elaborar outro plano, que ainda não foi apresentado.

A empresa argumentou sem sucesso que a Autoridade Palestina, que está se esforçando para obter a independência política e econômica de Israel, também deve ter alguma responsabilidade para fornecer infraestrutura para seus cidadãos.

A Mekorot justificou também a diferença na provisão alegando que os palestinos, que têm um nível de vida mais baixo, não utilizam atualmente tanta água quanto os israelenses. A razão para isso já é um tema quente em uma região que sofre de escassez de água natural.

A Mekorot impõe cortes anuais de verão que diminuem o suprimento em mais de 50%, que muitas vezes duram até o outono, sendo desproporcionalmente alvo a comunidade palestina. A Al Jazeera e outros meios de comunicação do mundo árabe relataram que algumas aldeias têm recebido água por apenas duas horas por semana.

Israel também se reserva ao direito de recusar a permissão de construção de projetos de infraestrutura palestinos na Cisjordânia, com muitos dos mais eficazes ajudando comunidades remotas pressionadas por organismos internacionais oficiais e instituições de caridade estrangeiras.

Como os palestinos consomem uma média de 70 litros de água por dia, e os colonos judeus 300 litros. A recomendação da OMS é para o consumo diário de 100 litros por dia por pessoa.

A questão da distribuição de água provavelmente se tornará mais premente para ambas as comunidades que habitam a região, pois a mesma proposta da Mekorot prevê que a população árabe da Cisjordânia irá crescer de 2,1 para 6,3 milhões em 2050 e a população de colonos de 374 mil para 917 mil.

A ONU pediu a todas as partes que deixem de politizar a questão vital, que afeta a economia local, a saúde e o meio ambiente na Cisjordânia.

"A água deve ser uma fonte de colaboração e deve unir as pessoas. No final do dia, todos eles compartilham os mesmos recursos hídricos." Gregor von Medeazza, chefe da água, saneamento e programa de higiene no UNICEF, disse a mídia israelense anterior este mês.

GBN seu canal de informação e notícias
com agências de notícias

0 comentários:

Postar um comentário