segunda-feira, 30 de março de 2015

Arábia Saudita assume papel de líder regional e lidera coalizão no Iêmen

Dentro de um período de 24 horas, o rei Salman da Arábia Saudita, estabeleceu o reino como o líder do mundo árabe e realinhou potências regionais para estabelecer uma aliança formidável para afastar a influência iraniana na região.

O lançamento da operação "Tempestade" foi decisiva no jogo por meses desde a acensão de Salman Bin Abdul Aziz ao trono da Arábia Saudita, de acordo com analistas sauditas

A operação também abordou preocupações internas sobre a presença dos Houthi ao longo das fronteiras no sul do reino, de acordo com o analista político regional e autor Ali Shihabi.

"Esta operação é um movimento muito significativo para a Arábia. Antes de tudo, aborda a opinião pública saudita, que foi ficando cada vez mais preocupada com o poder iraniano em torno do reino e a impotência percebida com fato dos EUA estarem recuando diante das questões na região arábica, deixando assim a arena livre para o Irã expandir sua influência. Assim, o fato de que a Arábia passou a adotar medidas agressivas, agora se tornou fonte de grande satisfação do público dentro do reino ", disse ele.

"Esta etapa também reflete o surgimento dos dois líderes mais jovens, em vez do próprio rei.: O príncipe herdeiro Nayef bin Muhammad e o ministro da Defesa e chefe da corte real príncipe Muhammad bin Salman. Tal política pró-ativa não é em estilo tradicional da Arábia, acho que esses dois líderes mais jovens desempenharam um papel chave impulsionando a liderança. Sua credibilidade por sua vez, será fortemente impactado pelo sucesso ou fracasso dessa operação ", acrescentou.

Os ataques aéreos de precisão foram realizados com base em informações colhidas em operações de inteligência ao longo dos últimos meses para identificar os potenciais alvos, disse o analista militar e de segurança saudita Ibrahim Al-Merie.

"As operações que foram realizadas incluíram vigilância eletrônica das capacidades e equipamentos eletrônicos utilizados pelas forças leais ao ex-presidente iemenita Ali Abdullah Saleh e pelas forças Houthi", acrescentou.

A coleta de informações para os ataques aéreos sauditas no Iêmen tem sido apoiada por forças norte-americanas na região, disse Mustafa Alani, diretor do programa de segurança militar e do Centro de Pesquisas do Golfo.

"As capacidades ISR necessárias para a segmentação não estão presentes nos países membros da coalizão, mas foram fornecidas pelos EUA", disse ele.

Além disso, a participação dos EUA nas atividades da coalizão incluem também a proteção do Golfo de Aden e o estreito de Bab el-Mandeb, de acordo com o general Lloyd Austin, comandante do  US Central Command, al-Merie afirmou.

"A operação atual tem sete estágios: primeiro é a destruição dos sistemas de poder aéreo e de defesa aérea do Iêmen, seguido por neutralizar completamente a defesa aérea, em seguida, o estabelecimento de superioridade aérea", disse al-Merie.

A quarta etapa é o estabelecimento de controle completo sobre o teatro de operações, seguida pela prisão de figuras-chave e, finalmente, a retomada do teatro de operações por forças iemenitas.

De acordo com al-Merie, as forças terrestres que serão enviadas, será formada a partir das forças especiais iemenitas, tribos e facções leais ao presidente Mansour Hadi Abdrabbu, enquanto as forças da coalizão árabes estarão prontas para intervir e fornecer apoio aéreo para as operações terrestres.

A resposta iraniana tem sido um choque, de acordo com Alireza Nourizadeh, diretor do Centro com sede em Londres de Estudos Iranianos árabes.

"Fui informado por fontes do governo iraniano de que o Conselho de Defesa iraniano se reuniram em desordem na quinta ás 3:00hrs da manhã em Teerã, ao receber a notícia dos ataques aéreos", disse ele.

"O governo iraniano tinha calculado mal a resposta regional e também calculou mal a resposta americana. Fontes do governo iraniano tem dito que a administração Obama nos apoia e suporta os Houthis porque os Houthis conterá a al-Qaeda no Iêmen.

"Os serviços de inteligência iranianos nem sequer anteciparam esse ataque, como os canais de televisão nacionais, apenas algumas horas antes dos ataques começarem, foram publicar notícias sobre as facções Houthi que controlam a cidade de Aden, no sul e que o presidente Hadi fugiu do país," Nourizadeh disse.

A falha do serviço de inteligência iraniano no Iêmen, é devido ao fato de que o Irã inicialmente achou fácil entrar e exercer o controle do país, disse Nourizadeh.

"Esta ação no Iêmen é diferente ao que está acontecendo no Iraque. O Iêmen está mais longe do que o Iraque é do Irã e agora, após a colocação de sistemas de mísseis, sistemas de inteligência e vigilância no Iêmen, como eles serão capazes de recuperá-los", disse ele .

A coalizão regional formada por Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Bahrein, Kuwait, Qatar, Jordânia, Marrocos, Egito e Sudão, bem como o Paquistão tem sido formada por meses.

O maior indicador foi a reversão da política externa do Sudão, que era um aliado próximo do Irã.

"O Sudão tem mudado a sua política externa desde fevereiro e deu um passo muito mais próximo aos países do Golfo", disse uma fonte do governo dos Emirados Árabes Unidos. "A visita do Presidente Omar Al-Bashir durante a IDEX2015 em Abu Dhabi e sua visita à Arábia Saudita na semana passada delineou a sua participação", acrescentou a fonte.

Além disso, as visitas em março pelo presidente turco Reccip Tayep Erdogan e as suas declarações recentes voltaram a Turquia de volta a esfera política do golfo após a separação devido ao seu apoio a Irmandade Muçulmana.

Dentro do cenário atual das operações, a ideia será a de colocar pressão sobre Saleh e os Houthis para vir à mesa de negociações, de acordo com o analista de assuntos geopolítico baseado no Golfo Pérsico Theodore Karasik.

"A campanha aérea também é projetada para tirar o máximo de equipamentos militares dos Houthi. É importante pensar que as armas e capacidades Houthi são semelhantes ao Hezbollah, dado que ambos são fornecidos pelo mesmo promotor, o Irã", disse ele.

"Os Houthis têm sistemas que podem atingir praticamente qualquer lugar na Arábia Saudita e na porção inferior do Golfo," acrescentou Karasik . "Em termos de operações assimétricas eles são capazes de atingir alvos terroristas típicos, tais como edifícios do governo e marcos podendo incluir hotéis e infra-estrutura."

Quanto mais tempo a campanha continua, mais dano será feito a estabilidade em torno do sul da Península Arábica, disse , Karasik.

Durante as reuniões da cúpula árabe na semana passada no Cairo, chanceleres da Liga Árabe anunciaram um acordo para formar uma força de ataque conjunta árabe para intervenção rápida em pontos conturbados da região.

Fonte: GBN GeoPolítica Brasil com agências de notícias

0 comentários:

Postar um comentário