sábado, 28 de março de 2015

General Dynamics se retira de parceria com Alenia

A General Dynamics retirou-se como o principal parceiro do T-100, que disputa o programa TX que visa a substituição das aeronaves de treinamento da USAF, baseado no design da aeronave da Alenia o Aermacchi M-346.

A decisão, revelada em um comunicado da empresa, põe em causa a viabilidade futura da oferta do T-100 apenas uma semana após a Força Aérea dos EUA lançar suas exigências finais do programa.

"A General Dynamics reorganizou seus negócios para 2015", diz a declaração, "e no curso dessa reorganização decidiu descontinuar sua participação no TX como um contratante principal."

Se a General Dynamics continuará com seu papel de integrador de sistemas para o T-100 não é clara. Porta-vozes da Alenia não puderam ser imediatamente contatados para comentar o assunto.

O programa TX, que irá produzir 350 formadores avançados para a Força Aérea dos Estados Unidos, é muito disputado, com outros quatro competidores desafiando o T-100. Qualquer que seja o ganhador a competição também garantirá uma vantagem sobre o mercado de formação no exterior ao longo das próximas três décadas.

Incluindo o T-100, há cinco concorrentes visando substituir a envelhecida frota de T-38 em serviço. Isso inclui projetos de grandes empresas que disputam, como a Boeing que se uniu a Saab e uma joint liderada pela Northrop Grumman  que inclui a BAE Systems e L-3; Novos design como o Scorpion da Textron AirLand; e o T-50, da Lockheed Martin em parceria com a KAI (Korean Aerospace Industries).

Não está claro o próximo movimento da Alenia, mas o historico de empresas estrangeiras atuando sozinhas em disputas de programas da Força Aérea dos Estados Unidos não é favorável, observa Richard Aboulafia, analista do Teal Group.

"Eu não acho que ninguém quer outra situação similar a da Airbus", disse ele, fazendo referência a tentativa frustrada da empresa europeia de ganhar contratopara fornecer aeronaves de reabastecimento em voo. "É concebível, mas improvável."


Sem alternativas principais claras para Alenia a quem recorrer, até foi especulado uma parceria com a Raytheon, mas observou-se que não caberia logicamente em seu foco corporativa, a Alenia pode enfrentar uma escolha: Jogar os dados e ir sozinha, ou rever suas ambições sobre o TX .


A reviravolta do destino contra o T-100 é "bastante extraordinária", dado que em um ponto que parecia uma vanguarda. Mas, como continuaram a refinar suas exigências, alguns têm questionado se o T-100 pode manter-se nessa posição.

Tornou-se claro que a Força Aérea parece estar intensificando suas exigências para o TX. O T-100 pode não ser capaz de dar-lhes tudo o que eles querem

Um sinal de aviso para o T-100 veio em fevereiro, quando a Northrop Grumman divulgou que estava abandonando os planos de longa data para utilizar o projeto Falcon da BAE  em favor de um novo design. Os executivos da empresa disseram que a decisão foi tomada após os requisitos divulgados se tornarem mais claros.

Se o T-100 se retirar, ele pode ajudar o T-50 a avançar na disputa. A oferta da Lockheed / KAI seria o único projeto comprovado que está sendo usado atualmente em todo o mundo, algo que tornaria a proposta do T-50 algo atraente.

Fonte: GBN com Agências de notícias

0 comentários:

Postar um comentário