quinta-feira, 12 de março de 2015

Ministério das Relações Exteriores está preocupado com a decisão da Rússia de suspender a participação no Tratado sobre Forças Convencionais

O Ministério das Relações Exteriores ucraniano está preocupado com a decisão da Rússia de suspender a participação nas reuniões do Grupo Consultivo Comum sobre o Tratado sobre Forças Convencionais na Europa, segundo disse o porta voz do Ministério do Exterior ucraniano, Yevgeny Perebeinos, em entrevista coletiva na última quarta-feira (11).

"É de particular alarme a suspensão da participação da Rússia no Grupo Consultivo Comum sobre o Tratado CFE," disse Perebeinos, acrescentando que a situação atual na Ucrânia foi a razão por trás das preocupações expressas.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia declarou nesta terça-feira (10) que a Rússia havia tomado a decisão de suspender a sua participação a partir de 11 de março de 2015. A suspensão da sua participação da Rússia no Tratado sobre Forças Convencionais na Europa já foi implementado em toda sua extensão. "Esse passo da Rússia não é de forma equivalente à sua recusa em prosseguir o diálogo sobre o controle de armas convencionais na Europa, quando os nossos parceiros estão maduros para isso. Nós estamos ainda preparados para trabalhar em conjunto em busca de um novo regime de Forças Convencionais na Europa para atender aos interesses da Rússia e de outros países europeus ", disse o delegado-chefe da Rússia, Anton Mazur, nas conversações de segurança e controle de armas em Viena.

Na quarta-feira (11), o chefe do departamento de não-proliferação e controle de armas do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Mikhail Ulyanov, apareceu em uma coletiva de imprensa para declarar que a decisão da Rússia de suspender completamente a sua participação no tratado não estava conectado com a situação atual nas relações com os países ocidentais.

"Em termos práticos, isto significa que a decisão de 2007 e suspender a participação da Rússia no Grupo Consultivo Comum do tratado se torna abrangente. Então fizemos uma exceção apenas para esse grupo. Ao suspender a participação da Rússia no tratado, em geral, esperava usar o grupo como um local de diálogo, possivelmente, até mesmo para as conversações. Essas expectativas falharam, porque os seus homólogos norte-americanos proibiram seus aliados europeus de conduzir um diálogo com a Rússia e se comprometeu a resolver todos os problemas com a Rússia por conta própria". disse Ulyanov.

"Como resultado, todo o trabalho dentro do Grupo Consultivo Comum limitou-se a leitura da ordem do dia. Isso foi um assunto bastante caro e muito sem sentido", acrescentou.
"A paralisação abrangente da Rússia no Tratado não era de modo algum uma resposta direta às últimas ações dos países ocidentais. Essa decisão tomou forma um longo tempo atrás. As últimas políticas do Ocidente com a Rússia apenas criaram um contexto favorável e tomou-se a decisão mais fácil ", disse o diplomata. "Em termos práticos, não há alterações nas forças convencionais na Europa."

Fonte: GBN com agências de notícias

0 comentários:

Postar um comentário