segunda-feira, 30 de março de 2015

França multiplica ‘assassinatos de Estado’ no exterior

GOVERNO DE FRANÇOIS HOLLANDE INTENSIFICA USO DO RECURSO NA LUTA CONTRA TERROR E TRANSFORMA PAÍS EM UMA MÁQUINA DE GUERRA SECRETA

Nunca, desde a Guerra da Argélia, um presidente da França mandou perseguir e executar tantos “inimigos” da República fora de suas fronteiras quanto François Hollande. Antes mesmo dos atentados de Paris em janeiro, os assassinatos de Estado já haviam se transformado em um recurso frequente na luta contra o terrorismo internacional, e colocam o país como uma máquina de guerra secreta que só perde para os Estados Unidos de George W. Bush e Barack Obama.
A política de extermínio comandada pelo chefe de Estado socialista foi revelada no livro Les Tueurs de la République (Os Assassinos da República, em tradução livre), escrito por Vincent Nouzille, jornalista independente, ex-repórter especial da revista L’Express. Ela responde pelo nome de “Operações Homo”, de “homicídios”. Ou melhor, ela não responde por nenhum nome, já que oficialmente o Palácio do Eliseu não reconhece a existência de tais ações, definidas pelo autor como “ultrassecretas”.
As “Operações Homo” não são uma novidade nos serviços secretos da França. Criadas pelo presidente Charles De Gaulle em 1958 para eliminar os mercadores de armas que abasteciam o movimento independentista Frente de Libertação Nacional (FLN), na Argélia, a prática se estabeleceu e ganhou método e estrutura ao longo dos anos. Ela foi usada, por exemplo, por François Mitterrand para caçar e prender Carlos, o Chacal, no Sudão em 1994. Sem surpresas, passou a ser cada vez mais empregada a partir do 11 de Setembro, da guerra ao terror contra a Al-Qaeda e suas derivadas, e da Guerra do Afeganistão, contra o Taleban.
Trata-se, segundo Nouzille, de operações clandestinas, realizadas no exterior, como prevenção a ameaças à segurança nacional ou de vingança por atentados cometidos contra interesses da França. Seus protagonistas são anônimos, agentes de exceção, supertreinados, integrantes do Grupo Alfa, uma unidade especial que tem duas missões. A primeira é executar as ordens de eliminação de alvos específicos emitidas pelo presidente em pessoa. A segunda é sobreviver. Em caso de prisão ou de morte, os agentes não são reconhecidos como membros da segurança da França.
cos08znu56
Em um livro com base em documentos e fontes anônimas, Nouzille – um jornalista reputado como preciso, rigoroso e talentoso em Paris -, faz a cronologia de operações bem ou malsucedidas realizadas até aqui. O autor aborda, por exemplo, o fracasso da operação Rainbow-Warrior, em 1985, que sabotou e afundou um navio do Greenpeace que pretendia protestar perto do Atol de Mururoa, local de testes nucleares franceses no Oceano Pacífico, ou ainda a operação para eliminar Hazrat Ali, um dos líderes taleban no Afeganistão, em 2012, considerado responsável por uma emboscada a tropas francesas que deixou 10 mortos e 20 feridos.
Retraçar a cronologia das operações mais relevantes permitiu a Nouzille chegar a uma informação-chave: a de que a França jamais praticou tantos assassinatos de Estado quanto na gestão de Hollande, iniciada em 2012. Afeito aos temas militares, o atual presidente acentuou a posição intervencionista de Jacques Chirac e Nicolas Sarkozy, transformando os serviços secretos e as forças especiais ligadas ao Grupo Alfa em uma das mais ativas células clandestinas antiterrorismo do Ocidente, atrás apenas dos EUA. “Poucos países têm o interesse ou a capacidade de projetar ao exterior pequenas equipes ou grandes meios para realizar esse tipo de operação”, explicou Nouzille ao Estado. “No campo ocidental, alemães, italianos ou espanhóis, por exemplo, não têm esses meios. Os únicos países são Grã-Bretanha e EUA.”
Segundo Nouzille, Londres freou o uso dessa estratégia desde a segunda guerra do Iraque, que provocou um terremoto político no país, abreviando a carreira de Tony Blair. “Não há muitos países com vontade de intervir. Os americanos aumentaram a potência de seu programa de assassinatos com os drones, decidido por George W. Bush e Barack Obama. Nem mesmo a Grã-Bretanha tem a pretensão de realizar esse tipo de operação, complicada e arriscada”, diz o autor, que tem dúvidas sobre a eficiência dessas ações, que podem expor as nações que as praticam à vingança terrorista.
Les Tueurs de la République foi finalizado pouco antes dos atentados de Paris de 7, 8 e 9 janeiro, cometidos por células da Al-Qaeda em nome do Estado Islâmico. Até aqui, diz Nouzille, foi impossível saber se há uma aceleração do programa de assassinatos de Estado. “As primeiras informações desde janeiro indicam que a França não mudou suas práticas”, afirma.
Não mudar, no caso, significa perseguir a estratégia de execuções cirúrgicas. Em 5 de fevereiro, um ataque com drone matou Hareth Al-Nadhari, chefe religioso da Al-Qaeda na Península Arábica, no Iêmen. Al-Nadhari havia ameaçado a França com atentados terroristas.
FONTE: Estadão via Forças Terrestres

0 comentários:

Postar um comentário