sábado, 15 de setembro de 2018

Impasses entre EUA e Rússia continuam sobre tratado "Open Skies".


Continua o impasse entre Estados Unidos e Rússia em torno do tratado de céus abertos “Open Skies”, o qual prevê que os 34 signatários tenham permissão de realizar voos de verificação militar utilizando aeronaves desarmadas especialmente preparadas para esta função, visando principalmente garantir o cumprimento dos diversos acordos multilaterais sobre arsenais e capacidades militares. Tal desentendimento entre Rússia e EUA, culminou por não ser realizados os voos em 2018. O último episódio sobre o tratado, se deu no início desta semana, quando autoridades russas denunciaram a recusa dos norte-americanos em liberar o sobrevoo da aeronave russa sobre o território dos EUA.

"Em violação das disposições do Tratado “Open Skies”, o chefe da delegação dos EUA se recusou a assinar o documento final, sem dar explicações ou razões, citando instruções diretas de Washington", disse Sergei Ryzhkov, chefe do Centro de Redução de Risco Nuclear da Rússia.

"Nós insistimos que os norte-americanos retornem à estrutura do tratado de céu aberto e exija que a situação atual seja explicada com referência às provisões do tratado", disse Ryzhkov.

A negativa norte americana ao voo russo previsto para o inicio deste mês de setembro, veio logo após rumores sobre o suposto abandono do tratado por parte dos EUA, especulações que logo foram desmentidas pelo Departamento de Estado dos EUA. O tratado fornece importantes informações para o controle dos arsenais militares de ambos os lados, servindo para atestar a adesão dos países aos acordos e tratados de controle de armas dos quais são signatários.

No entanto, o porta-voz norte americano reconheceu que não houveram voos do “Open Skies” em 2018 graças aos impasses envolvendo os dois países.
"Para lembrar aos especialistas, não negamos nenhum voo russo que tenha sido conduzido de acordo com o Tratado", disse.

No último dia 7 de setembro, Andrea Thompson, subsecretária de Estado para controle de armas e segurança internacional dos EUA, teria dito que as negociações chegaram à um "impasse" entre os dois países.

Segundo ela declarou na ocasião, que devido alguns impasses entre as partes, principalmente no que diz respeito a necessidade de algumas adequações de ambas as partes, mas que está havendo o diálogo entre os envolvidos, afim de que se consiga um entendimento.

Toda problemática teria sido agravada em fevereiro de 2016, quando a Rússia anunciou sua intenção de integrar um novo sensor eletro-óptico digital ao Tupolev Tu-214ON que substituiria o vetusto Tu-154M-ON, o qual também utiliza do equipamento para cumprir os voos previstos pelo “Open Skies”. Tal fato levou o Pentágono e legisladores a questionarem a postura russa, alertando que a integração de novos sensores dariam à Rússia uma vantagem sobre a capacidade de coleta de dados pela aeronave operada pelos EUA em seus voos.

Outro ponto de atrito, tem sido as fortes críticas do Congresso dos EUA, o qual há muito tempo questiona o tratado, apesar da importância estratégica que o mesmo representa, tem sido alvo de fortes críticas, sob o argumento que o tratado conferiria à Rússia vantagem estratégica.

A coisa teria ganho ainda maiores proporções no início deste ano, com ambos criando restrições que impactaram sobre a operação dos voos no âmbito do tratado. Nestas restrições, os norte-americanos teriam fechado duas bases utilizadas para apoiar as equipes russas na realização do voo, como resposta, autoridades russas teriam impedido aos EUA de usar bases militares russas como centros de apoio para seus voos.

Outro ponto que devemos observar, é que tal impasse pode representar uma manobra dos EUA, a qual teria por fim ganhar tempo para que possa decidir com relação a sua necessidade de atualizar suas aeronaves OC-135B, as quais apresentam sinais de fadiga, inclusive já tendo realizado em determinada ocasião um pouso de emergência em território russo durante um voo previsto pelo “Open Skies”.

Segundo o Pentágono, as aeronaves são necessárias para garantir a vigilância das capacidades militares da Rússia, sendo o tratado um "mecanismo importante", mas que os EUA só poderiam completar 64% de seus voos em 2017 devido limitações técnicas apresentadas pelo OC-135B.



GBN News - A informação começa aqui
com agências
Share this article :

0 comentários:

Postar um comentário

 

GBN News - GeoPolítica Brasil Copyright © 2012 Template Designed by BTDesigner · Powered by Blogger