domingo, 10 de maio de 2015

Operações com A-400M suspensas em diversos países após acidente

A Espanha disse neste domingo que encontrou as duas caixas-pretas da aeronave militar Airbus A400M que caiu em um campo ao norte do aeroporto de Sevilha, em seu voo inaugural no sábado, matando quatro dos seis tripulantes.

As caixas-pretas foram entregues aos investigadores, informou o governo em um comunicado. O primeiro-ministro, Mariano Rajoy, pediu no sábado a máxima transparência da Airbus durante a investigação sobre a causa do acidente.

A Grã-Bretanha e a Alemanha suspenderam as operações de suas frotas de A400Ms, o novo transporte de tropas e carga da Europa, após o primeiro acidente envolvendo o maior projeto de defesa da Europa, que já foi marcado por atrasos e custos extras.

A França manterá seus seis A400Ms em operação por enquanto, mas irá limitar a sua utilização, disse o ministro da Defesa no domingo.

"Só os voos de extrema importância para as operações serão permitidos", disse Jean-Yves Drian.

O Exército turco suspendeu as operações de seus dois A400M como medida de precaução, informou a agência de notícias estatal Anadolu no domingo, citando uma ordem do comandante da Força Aérea.

Os aviões, que custaram pouco mais de 100 milhões de euros cada, são montados em Sevilha.

Dois dos tripulantes espanhóis no voo inaugural continuam hospitalizados com ferimentos graves.

A Airbus está investigando as causas do acidente, assim como uma equipe enviada pelo governo espanhol.

A Alemanha recebeu seu primeiro e até agora único A400M pouco antes do final de 2014, com atraso de quatro anos. O país encomendou 53 no total, mas pretende vender 13.


A Airbus disse em abril que a Alemanha receberia outros dois a quatro aviões neste ano, após novos atrasos. A empresa planeja entregar 14 a 18 A400Ms no total neste ano.

A causa do acidente ainda não foi determinada. Espera-se um resultado após analise dos dados obtidos através dos registros das caixas pretas.

O acidente é um novo golpe para o maior projeto de defesa da Europa, que já foi maculado por atrasos e custos extras.

Fonte: Reuters

0 comentários:

Postar um comentário