sábado, 16 de maio de 2015

A revolução dos blindados Russos

Na Rússia durante o desfile de 09 de maio, em comemoração ao dia da Vitória em Moscou, marcou a estréia formal de uma nova gama de veículos blindados russos.

O desfile revelou muitos detalhes sobre os novos veículos, que surgiram totalmente descobertos pela primeira vez, representando não só a maior mudança nas famílias de veículos blindados do país desde a década de 1970, mas também um novo design.

Enquanto os veículos em parte envolvem uma mudança radical no seu design, também trás inovação revolucionária, a escala e a ambição das mudanças neles é nada menos que uma revolução. Juntos, o Armata, Kurganets, Boomerang, Koalitsiya e outros veículos em exposição irão substituir quase todas as famílias de veículos existentes da Rússia, extraordinariamente, a Rússia está tentando substituir todos os seus principais veículos de combate blindado (AFV), ao mesmo tempo.

Além disso, os veículos novos exibem mudanças radicais de design e incorporam vários sistemas de proteção ativos inéditos (APSS). O peso relatado e o tamanho aparente de todos os veículos indica uma mudança na filosofia de design do veículo blindado longe da ênfase Soviética na manobrabilidade e perfil baixo do veículo para o foco ocidental na proteção blindada e de sobrevivência da equipe.

Enquanto muitos detalhes dos veículos já haviam sido revelados, e foram abordados em várias mídias, a apresentação completa dos veículos revelou muitos detalhes novos e fascinantes, acrescentando muito para a nossa compreensão dos projetos da família de veículos russos.

T-14 Armata tanque de guerra (MBT)

O T-14 é o primeiro projeto de tanque verdadeiramente novo da Rússia desde o T-72, projetado no início de 1970. Com base em uma plataforma universal  sobre lagartas, as características que mais chamam a atenção no T-14 é sua torre não tripulada, com todos os três tripulantes do MBT (comandante, motorista, artilheiro) sentados em um compartimento da tripulação bem protegido na frente do casco.



Sete T-14 participaram do desfile e o tipo está previsto para substituir as forças terrestres russas compostas pelos MBT's 'T-72M3 e T-90 atualmente em serviço.

Notavelmente, a torre dissipa as sugestões de que os MBT's seriam armados com um canhão de 30 milímetros coaxial, além da sua arma principal, o canhão 2A82A de 125 milímetros. Na verdade, os veículos de pré-produção desfilaram na Rússia sem nenhum canhão de 30mm nem uma metralhadora coaxial 7,62mm como esperado, embora os veículos de produção possam, eventualmente, apresentar a dupla canhão de 30 milímetros / MG 7,62 milímetros.

Embora a torre do T-14 possua uma grande inovação, não fica claro se esta apresenta o sistema autoloader do MBT ou serve a um propósito (ou seja, o T-14 manteria o sistema de carrossel vulnerável montado no casco presente em MBT's russos anteriores). Alguns relatos também indicam que a Rússia não abandonou totalmente suas ambições para armar o Armata com uma arma principal de 152 milímetros. Se este for o caso, isso poderia explicar por que a torreta não tripulado do T-14 tem um perfil extraordinariamente elevado em relação à posição da arma principal de 125 mm, com a torre eventualmente concebida para incorporar o potencial de crescimento até ao calibre 152 milímetros.

O T-14 é armado com um sistema de disparo por controle remoto (RCT) armado com uma MG 7,62 milímetros PKTM, com a unidade também funcionando independente do comandante. A vista do atirador é montada para o lado esquerdo da arma principal e protegida por uma porta blindada de duas peças para o proteger de armas pequenas. Uma unidade de referência está montado por cima da base da arma principal 2A82A, nomeadamente que carece de um extrator de fumaça (que seriam redundantes, dada que a torre não é tripulada). Metrológico, as comunicações por satélite, GLONASS, datalink, e antenas de comunicações de rádio são montados no topo da torre.

A torre do MBT é literalmente coberta por uma variedade de sistemas de lançadores e sensores compreendidos para ser ligado a um novo sistema de APS, que alguns relatórios chamam de 'Afghanit'. Na base de cada lado da torre estão cinco tubos grandes e fixos de lançamento dispostos horizontalmente que cobrem os 120 ° de arco frontal da torre. Estes têm uma forte semelhança com os lançadores de granada Drozd e Drozd-2 APS, que disparou um projétil de 107mm armado com uma ogiva com explosivo de alta potência, para neutralizar ataques com armas anti-tanque guiadas e projéteis não guiados.

O T-14 é também equipado com quatro conjuntos de lançadores de menor calibre, com cada unidade armada com 12 tubos de lançamento. Duas unidades lançadoras horizontais direcionáveis estão montadas em cada lado da parte superior da torre, enquanto dois aparentemente fixos e unidades lançadoras verticais na parte superior da torre do tanque.

Não está claro se este segundo sistema dispara projéteis duros (ou seja ogivas) ou munições soft-kill (ou seja, anti-infrared / obscurecendo laser) , ou uma combinação dos dois. Uma limitação do sistema Drozd era que ele não fornece nenhuma proteção contra ameaças que venham acima do tanque, de modo que a montagem dos lançadores fixos na vertical poderia ser uma forma de fornecer proteção contra ameaças vindas de ataque por cima.

Para fornecer aviso e orientação para o sistema APS dois tipos de sensores estão montados em torno da torre do T-14. Dois sensores grandes, que se acredita ser eletro-óptico / infravermelhos (EO / IR) receptores de advertência de laser, estão angularmente montados na parte frontal da torre fornecendo 180° de cobertura, enquanto os quatro sensores menores (coberto, mas acredita-se ser radares) estão montados em torno da torre fornecendo cobertura de 360​​°.

O Armata apresenta um design de casco notavelmente diferente se comparado ao T-72/90. Uma diferença notável esta nas rodas, que são de um design diferente do T-72/90, enquanto o Armata apresenta sete rodas, aos invés de seis dos projetos de MBT's anteriores, com a roda motriz aparentemente na parte traseira. Isto é semelhante à família de MBT's T-80, que também tem chassi com sete rodas pequenas.

Não se sabe se o Armata está equipado com uma turbina a gás ou um motor diesel, mas o trem de força do T-14 é montado na parte de trás do MBT, com dois reservatórios de combustível internos montados em ambos os lados, e o escape também montado em ambos os lados. Câmeras dia/noite estão montadas em torno da torre do T-14 para proporcionar um melhor conhecimento situacional, enquanto que um sistema FLIR está montado na parte frontal do casco para o condutor. A escotilha do piloto não tem periscópios. Ao dirigir, o motorista pode estar em uma posição reclinada, utilizando um conjunto de periscópios montados em uma segunda escotilha diretamente atrás dele.

O NII Stali é projetado como uma nova forma de armadura de aço para a família Armata. Em declarações à TASS, um representante do NII Stali disse que a "liga de blindagem de aço, chamado 44S-sv-Sh, é aprovada pelo desenvolvedor do Armata. Testes operacionais da liga foram iniciados e ele pode ser usado em veículos futuros. A utilização do aço 44S-sv-Sh no Armata destina-se a fornecer proteção a um nível semelhante ao STANAG 4569  Nível 5. O nível elevado de proteção do 44S-sv-Sh é assegurado pela estrutura material de curtos grãos , o processo de legação otimizado e o processamento térmico especial. O aço também foi concebido para manter as suas características em condições muito frias.

O projeto do Armata também utiliza blindagem com proteção reativa explosiva (EEI) no seu projeto (em vez de as telhas ERA visto nos MBT's russos anteriores), com vistas acima do MBT mostrando um padrão distinto de azulejos indicativo do EEI no topo do chassis e torreta do veículo. Embora o que parecem ser telhas ERA estão presentes no topo da torreta, a maior parte dos lados da torre parece ser apenas um fino revestimento que abrange os vários APs e sistemas de mira, em vez de armadura. A proteção aplicada (claro se passiva ou ERA, ou ambos) é equipada em dois terços dos lados para a frente do T-14, enquanto a terceira parte traseira é protegida por uma armadura para proporcionar folga para os escapamentos do T-14.

T-15 Veículo de combate pesado de infantaria (IFV)

Também com base na plataforma universal do Armata e totalmente revelado durante o desfile de 9 de Maio o T-15 é um IFV pesado.



Para a criação do T-15, o chassis do Armata foi invertido na sua totalidade para criar um compartimento para acomodar na parte traseira tropa de infantaria. Por conseguinte, o trem de força do T-15 é montado na parte da frente do veículo, com a roda de acionamento também na parte da frente e os escapes agora sobre os lados da frente do veículo.

Esta troca exigiu que os tanques de combustível do veículo, enquanto que para proteger a armadura normalmente mais fraca da parte traseira do chassi do Armata um pacote de armadura em forma de ponta de flecha distintivo estende em torno dos lados da frente do veículo. Para acomodar escapamentos do veículo a blindagem lateral está pendendo ao invés de seta. O efeito global disso é  dar ao veículo uma aparência estranha, bolbosa. A parte superior do chassis do veículo parece ser protegido por ERA integrados.

O T-15 é  equipado com um canhão de 30 milímetros 2A42, metralhadora 7,62 mm coaxial, e dois Kornet-M ATGWs em ambos os lados. A RCT apresenta a visão de um artilheiro para a direita da arma principal e a vista de um comandante independente no topo da torre, no lado esquerdo.

O IFV também está equipado com um pacote de armadura avançado sobre o veículo. O T-15 apresenta sensores APS e lançadores como pode ser visto nos T-14 , embora montados no casco do veículo, em vez da torreta.

Um grupo de três homens (comandante, atirador, condutor) estão localizados no centro do veículo, atrás do motor, com a parte traseira do casco do veículo aumentada para acomodar o compartimento de tropas e torreta. O ingresso no compartimento de tropa é feita através de uma porta assistida por energia na parte traseira do veículo.

A parte dianteira / parte de baixo tanto no T-14 como no  T-15 é equipada com o que parece ser um pequeno sistema anti-minas.

Kurganets-25

Mais leve, com cerca de 25 toneladas, o Kurganets-25 esteve presente em duas variantes na parada de 9 de maio: IFV e blindada de transporte de pessoal (APC). A família de veículos novos parece significativamente mais larga e mais alta do que a série de veículos BMP que está programado para substituir.

A variante IFV está armada com o mesmo canhão 30 milímetros / Kornet ATGW na torreta que o T-15. Uralvagonzavod também criou sua torre AU-220M armada com um canhão de 57mm, o que é entendido como sendo uma disputa para equipar a variante IFV, embora isso não foi ajustada aos Kurganets-25 IFVs que participaram no desfile.

Muito parecido com os veículos Armata, o Kurganets-25 IFV apresentam dois tipos de sensores APS, embora estes aparecem sutilmente diferente daqueles presente nos veículos Armata. Lançadores fixos são colocados ao redor do casco do veículo, proporcionando uma cobertura de 360 ​​°. Enquanto se assemelham aos lançadores que equipam os Armata, eles parecem ser de um calibre muito menor. 

Um sistema de sensores de duas partes, semelhante aos receptores de alerta de laser do Armata, também está localizado em torno do casco. Estranhamente, três sensores estão localizados no lado esquerdo do veículo, mas apenas dois no lado direito. Dado ambos os conjuntos de sensores localizados no casco, especula-se que os dois sistemas estão ligados.

Três sensores de duas partes (cobertos durante o desfile) também estão montados em torno da torre, juntamente com quatro conjuntos na parte da frente da torre e dois montados lateralmente na parte traseira da torre. Não está claro o que esses sensores são, mas eles parecem semelhantes a um sistema desconhecido visto montado na torre do protótipo do T-95 (Object 195). No IFV, cada conjunto tem um par do que são ou janelas redondas ou tampas quebráveis. Se eles são janelas, este sistema poderia ser um novo emissor de interferência APS semelhante a uma versão muito reduzida do sistema Shtora presentes no T-90. Em alternativa, cada conjunto pode conter dois dos lançadores de menor calibre dos veículos Armata.



A versão APC, entretanto, está equipado com um RCT muito menor armado com metralhadora de 12,7mm. O APC não tem os sensores montados no casco ou effectors visto na variante IFV, e em vez disso apresenta apenas o segundo tipo APS presente no Kurganets-25 IFV. Embora a configuração do sensor é o mesmo para as variantes APC e IFV, a configuração dos sensores é diferente. No veículo APC, os sensores estão localizados apenas na parte frontal da torre e, em vez de seis conjuntos de efectores emparelhados, existem quatro conjuntos de efectores emparelhado, e quatro conjuntos de efectores individuais.



Tanto o APC como a variante IFV são idênticas, com um trem de força montado na frente e com sete rodas. A escotilha do Comandante e escotilhas de motorista estão presentes na frente da torre, com acesso ao compartimento da tropa através de uma porta traseira. Ao contrário, em modelos de IFV anteriores, não existem outras escotilhas para tropas para dentro, além da porta traseira. Nem variantes apresentam qualquer ERA , embora o ERA normalmente não seja equipamento presente nos IFVs russos.

Ambos possuem um grande kit de proteção do veículo, embora este seja o principal para fins de armadura ou de flutuação. A capacidade anfíbia foi concebida para a família Kurganets.


Boomerang

O veículo 8x8 Boomerang também fez sua estréia na parada de 9 de maio, e se destina a substituir a família de veículos BTR, a variante mais recente no serviço russo é o BTR-82A.


O 8x8 está armado com o mesmo canhão que equipa tanto o T-15 como os Kurganets-25 IFV, embora os exemplares que participaram no desfile não foram equipados com nenhum sistema de APS. Uma variante APC equipada com uma metralhadora de 12,7mm também esta sendo planejada.



O trem de força do Boomerang está localizado no lado direito na frente do veículo, com o motorista no lado frontal esquerdo. Nem o comandante do veículo, nem artilheiro têm a sua própria porta, embora ao contrário dos veículos Kurganets onde há duas escotilhas no topo para o compartimento da tropa. Com o motor localizado na parte da frente do veículo, as tropas tem saída através de uma porta na parte traseira do veículo, ao contrário das portas laterais incômodas da série BTR (que tinha seu motor na traseira). Além disso é concebido para ser anfíbio.

Koalitsiya-SV

Também mostrado no desfile de 09 de maio o sistema 2S35 Koalitsiya-SV (Coligação-SV) de artilharia autopropulsada (SPA), irá substituir o 2S19 MSTA-S SPA em serviço nas Forças Terrestres da Rússia.


Este apresenta um novo canhão de 152 milímetros, utilizando um sistema de carga modular. Esta arma principal apresenta nomeadamente diferentes freio de boca e amortecedores de recuo que o spa anterior. Armado com uma metralhadora de 12,7 milímetros é montada no teto da torreta. Há dois pacotes de lançadores de granada de fumaça montados em ambos os lados da cabine e não há outros APS effectors, embora quatro receptores de alerta estão localizados na torre do SPA. A torre principal, semelhante a torre do T-14 não é tripulada, é significativamente mais longa do que as do 2S19.


Embora o Koalitsiya-SV foi programado para ser baseado no chassis universal do Armata, os veículos de pré-produção tem como base o chassis modificado do T-72/90. A disposição geral e rodas parece ser idêntica às do chassis t-72/90 , embora a parte dianteira do chassis tenha sido fortemente modificada para criar posições para o comandante e atirador em ambos os lados do condutor. Ao contrário do Armata, em que o condutor está localizado no lado direito do veículo, o condutor no Koalitsiya está localizado no centro do veículo (como pode ser visto no T-72/90 e 2S19).

De acordo com Georgy Zakamennih, diretor-chefe da NII, o desenvolvedor do 2S35, Koalitsiya-SV tem um alcance máximo de 70 km quando queima cargas avançadas. Ele acrescentou que sua carga de munição é maior do que análogos ocidentais. Há um painel de comando e controle unificado no qual todas as ações são exibidas. o sistema Loader pneumática proporciona o aumento da taxa de fogo do Koalitsiya-SV. O 2S35 pode escolher automaticamente o tipo apropriado de carga e munição. Koalitsiya-SV não é, portanto, uma arma automotora clássica, mas um complexo inovador robotizado, com um alto grau de automatização, disse.


Fonte: GBN com jane's

Angelo D. Nicolaci - tradução, adaptação e complementação

0 comentários:

Postar um comentário