segunda-feira, 11 de maio de 2015

Informações sobre morte de Bin Laden foram mentiras fabricadas pelos EUA

As forças dos EUA mataram Osama bin Laden com a plena cooperação das agências militares e de inteligência paquistaneses, de acordo com um artigo controverso publicado na London Review of Books pelo veterano jornalista investigativo Seymour M. Hersh.

Autoridades norte-americanas, incluindo o presidente Obama, têm mantido repetidamente que a operação dos SEALS para capturar bin Laden em 2011 foi realizada sem a ajuda de forças especiais do Paquistão e sem notificar o governo paquistanês de antemão.

Foi agora revelado por um veterano jornalista que o relato dos acontecimentos foi fabricado pelo governo dos EUA.

Osama bin Laden tinha sido feito prisioneiro das forças armadas do Paquistão desde 2006 e os militares não só sabia de sua localização, mas foram mantê-lo sob prisão domiciliar em troca de fundos monetários da Arábia Saudita para a sua manutenção, de acordo com uma exposição publicada no London Review os Books pelo jornalista investigativo Seymour M. Hersh.

O artigo amplamente contradiz uma série de incidentes sobre o relato oficial do ocorrido em maio de 2011 quando da invasão conduzida pelas forças dos EUA,  segundo as informações fornecidas pela administração Obama.

O jornalista acusa o presidente Obama de não só tomar o crédito pela morte do líder da Al-Qaeda, mas fabricar a história da infiltração da Marinha em Abbottabad para capturar Bin Laden no Paquistão.

A principal fonte de Hersh para a maioria das revelações foi um oficial sênior da inteligência aposentado que tinha informações sobre a inteligência inicial da presença de Bin Laden em Abbottabad.

"A mentira mais descarada foi a de que dois líderes militares mais graduados do Paquistão, o General Parvez Kayani Ashfaq, chefe do pessoal do exército e o general Ahmed Shuja e Pasha, diretor-geral do ISI, nunca foram informados da missão dos Estados Unidos. Esta continua a ser a posição da Casa Branca, apesar de uma série de relatórios que levantaram estas questões ", escreveu Hersh.

De acordo com o jornalista, bin Laden tinha sido um prisioneiro do ISI no complexo de Abbottabad desde 2006 e ambos Kayani e Pasha sabiam do ataque de antemão.

Eles garantiram que os dois helicópteros que foram usados para transportar as forças SEALs á Abbottabad poderiam atravessar o espaço aéreo paquistanês sem disparar os alarmes.

Um ex-alto oficial de inteligência paquistanês revelou o segredo do paradeiro de Bin Laden em troca de uma recompensa de 25 milhões dólares oferecido pelos EUA, e enquanto Obama ordenou o ataque e a equipe Seal realizou o ataque, muitos outros aspectos informados pelo administração eram falsas.

Hersh escreveu que ele duvidava de que forças especiais poderiam realizar qualquer tipo de ataque ao complexo do terrorista sem a ajuda do Paquistão.

"A única maneira de fazer as duas coisas, disse o funcionário aposentado, era com paquistaneses a bordo '", escreveu Hersh.

Os serviços de inteligência dos EUA gradualmente recolhiam informações sobre o complexo até que eles foram capazes de provar que Bin Laden tinha vivido lá com a ajuda do ISI do Paquistão.

Bin Laden tinha vivido sem ser detectado nas montanhas Hindu Kush que atravessam o norte do Paquistão e sul do Afeganistão entre 2001-2006, até que o ISI "ficou com ele mediante informações de alguns dos povos tribais locais que o traíram", escreveu Hersh.

Alegadamente o ISI estava usando bin Laden como alavanca contra o Talibã e as atividades da Al-Qaeda dentro do Afeganistão e Paquistão. Mas em 2010, quando os EUA descobriram sobre o paradeiro de Bin Laden, funcionários da CIA começaram a trazer um pequeno número de autoridades paquistanesas para o planejamento de uma eventual operação.

Depois que bin Laden foi baleado e morto durante o ataque, funcionários da Casa Branca disseram que o seu corpo foi levado para o USS Carl Vinson, possivelmente, no Oceano Índico, para um enterro no mar que foi feito de acordo com a lei muçulmana.

Mais uma vez, Hersh afirma que o governo mentiu.

"Dentro de semanas após o ataque, eu tinha sido informado por dois consultores de longa data do Comando de Operações Especiais, que tiveram acesso à inteligência atual, que o funeral a bordo do Carl Vinson não aconteceu", escreveu ele.

"Um consultor me disse que os restos mortais de Bin Laden foram fotografados e identificados depois de ser levado de volta para o Afeganistão. O consultor acrescentou: "Nesse ponto, a CIA tomou o controle do corpo", escreveu Hersh.

Fonte: Sputnik News

0 comentários:

Postar um comentário