quinta-feira, 7 de maio de 2015

Indústria de defesa do Reino Unido acompanha de perto eleições e calcula seus impactos sobre o setor

A BAE Systems e outras empresas para assistem de perto como resultado das eleições podem refletir nos gastos militares, estes propensos a se sentir impacto

A votação em todo o país terá mais peso que em Londres, no entanto, na determinação da fortuna da indústria de defesa do Reino Unido.

Os britânicos vão às urnas para eleger um novo governo nesta quinta-feira. Para a BAE Systems, a eleição tem participações muito claras: vários bilhões de dólares em gastos de defesa e equipamentos, tais como submarinos nucleares.

A votação também tem implicações potenciais para além das fronteiras da Grã-Bretanha. Um novo governo terá suas políticas de exportação de armas e exerce considerável poder para decidir o que o Reino Unido comprará em relação a equipamentos estrangeiros como aeronaves de combate, helicópteros e aviões de vigilância.

O próximo polling alarmou analistas.

"A eleição geral no Reino Unido apresentam um risco imediato", disse Sandy Morris, analista da Jefferies com sede em Londres, sobre a posição da BAE Systems. É difícil adivinhar que tipo de governo seria melhor para a BAE Systems. Os gastos com a defesa não tem sido um assunto quente desta vez.

Mas um resultado confuso poderia impactar o preço das ações da empresa. As pesquisas mostram uma disputa apertada nas eleições que a Grã-Bretanha esta preparando para um parlamento em que nenhum dos dois principais partidos do país possuirão a maioria das cadeiras. Os líderes dos partidos, tem então a necessidade de forjar uma coalizão ou apostar em um governo minoritário. Pode levar meses antes que qualquer novo governo possa provar o seu poder de permanência.

"Não importa quem ganhe, não vai haver um maior grau de incerteza enquanto nos movemos para os próximos seis meses", acrescenta Howard Wheeldon, analista de defesa com sede em Londres. Os gastos de defesa muitas vezes podem ser um alvo para os governos que procuram financiar promessas eleitorais.

A BAE Systems disse que a equipe de gestão tem trabalhado através de numerosas eleições e mudanças no governo e foi centrada na realização de seus compromissos do programa.

Qualquer que seja o governo que assumir o poder, uma revisão estratégica é devida. Essa revisão poderia impactar no tamanho das forças armadas e as decisões sobre os equipamentos para os próximos anos.

A mudança de governo para uma coalizão conservadora hoje poderia retardar essa revisão. "Um governo liderado pelos trabalhistas provavelmente vai querer tomar um pouco mais de tempo com essas coisas", disse Trevor Taylor, da Real United Services Institute.

Uma das poucas questões de defesa impugnadas no período que antecedeu a votação foi um plano para construir quatro submarinos para substituir a frota atual de submarinos da classe Vanguard que porta as armas nucleares do país.

Os conservadores prometeram avançar com todos os quatro. Os liberais democratas, o parceiro de coalizão de minoria no atual governo, disse que uma frota de três submarinos pode ser suficiente. O Partido Nacional Escocês, o que poderia servir como fiel da balança após 07 de maio, opõe-se ao programa totalmente.

A BAE Systems, Rolls-Royce Holdings e Babcock International Group estão entre as empresas que já trabalham no projeto do submarino, embora uma decisão sobre se irão avançar com o projeto não será tomada até o próximo ano. Comprar quatro novos submarinos iria custar até 25 bilhões de dólares de acordo com um relatório parlamentar.

O novo governo também enfrenta uma decisão, em breve, sobre a forma de preencher uma lacuna na capacidade de combate aéreo anti-submarino do país. A revisão de defesa em 2010 cancelou um plano para introduzir no orçamento a aeronave Nimrod MRA4 que a BAE Systems estava construindo.

Sr. Taylor disse que o novo governo também terá que decidir como  irá promover as vendas de defesa no exterior. Vendas que se tornaram cada vez mais importante para as empresas de defesa como a BAE Systems, que está a tentando  vender mais aeronaves Typhoon para a Arábia Saudita e Bahrain, que ao que tudo indica vai comprar a aeronave.

Também na agenda para o novo governo será a forma como irá recompor a frota de helicópteros de ataque e uma decisão sobre a forma como serão comprados os caças F-35 Joint Strike Fighter da Lockheed Martin.

Fonte: GBN com agências de notícias

0 comentários:

Postar um comentário