quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

A Rússia move-se para a criação de uma internet independente

Especialistas dizem que a Rússia está planejando o próximo passo para tornar o país independente do Ocidente, pelo menos no ciberespaço. Moscou quer instalar seus próprios servidores raiz. Mas por que, e faz algum sentido?

A liberdade na internet diminuiu ao longo dos anos na Rússia: as pessoas vão à prisão por postagens nas mídias sociais, há uma proibição dos serviços VPN e o armazenamento de dados expandido é difícil de encontrar. E os recentes movimentos do governo russo indicam que ainda há outros desenvolvimentos.

De acordo com um relatório do portal da RBK, o presidente russo, Vladimir Putin, em 2017, ordenou que seu governo negociasse servidores independentes para o chamado sistema de domínio (DNS) com os estados BRICS, que, além da Rússia, inclui Brasil, Índia, China e África do Sul, até agosto de 2018. Esses servidores contêm bancos de dados globais de endereços IP públicos e seus nomes de host.

Se a Rússia tivesse seus próprios servidores raiz, poderia criar uma espécie de internet própria, dizem os especialistas.

A razão dada é o "domínio dos EUA e de alguns estados da UE em relação à regulação da internet", que a Rússia vê como um "sério perigo" para sua segurança. Ter seus próprios servidores raiz tornaria a Rússia independente de monitores como a ICANN e protegeria o país em caso de "interrupção ou interferência deliberada".

Putin vê a Internet como ferramenta da CIA

Do ponto de vista de Moscou, parece que a ameaça de um confronto com o Ocidente no Ciberespaço aumentou desde que a Rússia anexou Crimea. A Rússia olhou mais atentamente para a internet e encontrou falhas. O país e a economia são muito grandes para viver com essa ameaça, disse o assessor de Putin, Igor Shchegolev, em entrevista à RBK. Ele apontou que a Coréia do Norte e a Síria experimentaram interrupções na Internet por alguns dias. 

Acredita-se que os EUA ficaram por trás da interrupção de dezembro de 2015 na Coréia do Norte; Washington permaneceu em silêncio, no entanto. Moscou não planeja se selar completamente, disse Shchegolev, apenas manter a internet funcionando no país se houver uma "influência externa". 

O presidente Putin já comentou que a internet foi desenvolvida como um projeto da CIA e continua a se mover nessa direção. A tecnologia da Internet foi de fato desenvolvida por ordem do Departamento de Defesa dos EUA e pelos funcionários desse departamento.

Preparando-se para a guerra cibernética

O governo russo não pode suportar o sistema, porque está configurado de forma que os governos tenham apenas um papel consultivo na ICANN, disse o ex-membro da diretoria da ICANN, Wolfgang Kleinwächter. "Ao contrário do Conselho de Segurança da ONU, ninguém tem um assento permanente com direitos de veto".Moscou, ele acrescentou, está se preparando para uma espécie de guerra cibernética.

O blogger de Moscou Alexander Pluschtschev tem outra explicação: "Para alguém, construir uma" internet para BRICS "é um trabalho estatal muito lucrativo", disse ele, acrescentando que tem pouco uso prático.

Um olho na raiz

Os planos da Rússia vão direto à raiz da internet. Toda a comunicação mundial entre computadores usa todos os 13 servidores de root DNS. Os computadores armazenam os chamados arquivos de zona de domínios de nível superior (TLD) como .com (mundial), .de para Alemanha ou .ru para a Rússia. Dez servidores raiz estão localizados nos EUA, um na Holanda, Suécia e Japão. Além disso, existem centenas de redes de servidores Anycast em todo o mundo, dez delas apenas na Rússia.

Todos os servidores raiz são independentes

Até setembro de 2016, o governo dos EUA supervisionou o servidor raiz A, que armazena a cópia principal do DNS.Agora, uma subsidiária da ICANN é responsável por esse servidor. O contrato da ICANN com o Departamento de Comércio dos EUA terminou em 2016 e, hoje, a corporação é uma empresa privada sem fins lucrativos, com sede em Califórnia liderada por um conselho de 20 membros que inclui especialistas de todo o mundo.

Politicamente contraproducente

Um servidor raiz russo não faz muito sentido, disse o especialista em segurança cibernética Wolfgang Kleinwächter. Eles sempre afirmam que o governo dos EUA pode desligar um país da internet, disse ele. "Isso é um absurdo absoluto".

"Mesmo que o presidente dos EUA tenha controle do servidor raiz A - e ele não - excluir os arquivos de zona que terminem em .ru não faria nenhum sentido porque esse arquivo de zona ainda existe em todos os outros servidores raiz e anycast" Kleinwächter argumentou, acrescentando que o envio de e-mails pode ser de alguns milissegundos mais lento.

"Como os americanos aplicariam a exclusão de arquivos da zona do país por motivos políticos dos servidores Anycast em Moscou?" ele disse. "Essa ordem da Casa Branca não seria politicamente contraproducente, não funcionaria e seria uma piada para a comunidade global da Internet".

"Não há off-switch", disse o diretor de tecnologia da ICANN, David Conrad. Em teoria, ele explicou, o governo dos EUA poderia forçar a ICANN, uma empresa com sede nos Estados Unidos, a influenciar o domínio de nível superior em relação à Rússia, por exemplo, para levar o .ru do servidor raiz, acrescentando que as conexões se tornariam mais difíceis, mas, em geral, isso teria um efeito limitado.

O DNS, disse Conrad, é baseado na confiança. "Se o governo dos EUA fizesse algo tão louco" como se intrometer com o servidor raiz, ele explicou que essa confiança desapareceria, e os servidores raiz alternativos surgirão. O dano para a internet como mercado mundial e meios de comunicação superaria o benefício, concluiu.

Tecnicamente, a Rússia está em posição de configurar seus próprios servidores raiz - mas seria difícil para as pessoas usá-los, disse Kleinwächter. "A China por um não é susceptível de seguir o seu exemplo".


Fonte: Deutsche Welle

Share this article :

0 comentários:

Postar um comentário

 

GBN News - GeoPolítica Brasil Copyright © 2012 Template Designed by BTDesigner · Powered by Blogger