sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

A Alemanha pede à OTAN que discuta ofensiva da Turquia em Afrin

O ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Sigmar Gabriel, solicitou ao Secretário-Geral da OTAN que levante a questão da operação militar da Turquia contra os curdos em Afrin à medida que as tensões se elevam na região.

"Pedi ao secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, para discutir a situação na Síria e particularmente na parte norte do país dentro da OTAN", disse Gabriel em um comunicado divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores. Ele também disse que Berlim, juntamente com Paris, exorta os lados a "cessar a escalada" das hostilidades na região "para facilitar o acesso humanitário à área e proteger os civis", chamando de "maior prioridade".

Gabriel também observou que a resolução de conflitos deveria "levar em consideração os interesses de segurança da Turquia". "Ainda existem possibilidades de negociações políticas para a paz e a estabilidade na Síria" , disse ele, acrescentando que não devem ser desperdiçadas como resultado de ações militares. "Eu repetidamente deixei claro para o governo turco", acrescentou o ministro das Relações Exteriores.

No domingo (21), o ministro das Relações Exteriores alemão criticou as ações de Ancara em Afrin, dizendo que a última coisa que a Síria precisa após a derrota do Estado islâmico é outro confronto militar em seu território. Ele também advertiu que um conflito entre a Turquia e os curdos sírios "traz riscos que são inestimáveis".

Gabriel elogiou a Turquia e os curdos dizendo que ambos fizeram grandes esforços na luta contra os terroristas do Estado islâmico. Ele também exortou todos os lados a se concentrar no processo de paz e nas negociações políticas.

Gabriel também indicou que a Alemanha pretende atrasar ainda mais suas exportações de armas para a Turquia à luz da operação de Ancara no norte da Síria. "É claro para o governo federal que não devemos fornecer armas a hotspots de tensão e não fará isso" , disse ele em sua declaração, aparentemente referindo-se à campanha militar da Turquia na região de Afrin.

O ministro também citou o "papel proeminente" de que a questão das exportações de armas provavelmente será realizada nas futuras negociações da coalizão na Alemanha, explicando a decisão do atual governo "provisório" para atrasar a discussão de todas as "questões críticas" até um novo governo ser formado.

Aliança insegura


Não é a primeira vez que Berlim decidiu suspender as vendas de armas a Ancara, uma vez que as relações entre os dois aliados da OTAN sofreu tensão desde 2016. Em setembro de 2017, a Alemanha colocou em espera o que chamou de "grandes" pedidos de exportação de armas da Turquia. De acordo com uma carta de março de 2017 do Ministério das Relações Econômicas da Alemanha, citada pelo jornal Sueddeutsche Zeitung, o total de 11 pedidos de entregas de armas à Turquia foi bloqueado pela Alemanha.

Merkel disse mais tarde que Berlim ainda poderia analisar sua decisão e examinar cada acordo específico separadamente. Ela também disse que a Turquia ainda é o aliado da Alemanha e os dois países "lutam juntos" contra o terrorismo islâmico.

Os movimentos vieram entre a linha que seguiu a tentativa de golpe de Estado de julho de 2016 na Turquia, o que levou a uma repressão em massa contra figuras da oposição, bem como pessoas comuns acusadas de simpatizar com o separatismo curdo e o clérigo auto-exilado Fethullah Gulen, que a Turquia diz que planejou o golpe.

A repressão foi fortemente criticada na Europa e particularmente na Alemanha. Berlim repetidamente acusou Ancara de violar os direitos humanos e exigiu a libertação de nacionais alemães detidos por suposto envolvimento na tentativa de golpe de Estado. A Turquia prendeu dois jornalistas alemães, um dos quais tem dupla cidadania, acusando-os de espionagem.

A reforma constitucional da Turquia que entregou o presidente Recep Tayyip Erdogan de novos poderes de grande alcance tornou-se outro ponto de disputa nas relações bilaterais entre os dois países. Antes do referendo sobre a reforma, a Alemanha, ao lado de alguns outros estados europeus, proibiu vários comícios e eventos pro-Erdogan envolvendo endereços de altos funcionários turcos à grande comunidade turca que vive na UE. O movimento levou Ancara a acusar os líderes alemães de "nazistas" que apoiam "práticas fascistas".

As relações entre Berlim e Ancara atingiram um nível tão baixo que a Alemanha chegou a retirar suas tropas e aeronaves da Base Aérea de  Incirlik na Turquia. Anteriormente, a Alemanha reconheceu o massacre no início do século XX de armênios no Império Otomano como "genocídio".

GBN News - A informação começa aqui
com agências
Share this article :

0 comentários:

Postar um comentário

 

GBN News - GeoPolítica Brasil Copyright © 2012 Template Designed by BTDesigner · Powered by Blogger