sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Super Tucano ganha mais encomendas nos EUA e desponta com favorito na USAF

Nova encomenda dos EUA para novas aeronaves "Super Tucano" para a força aérea afegã, apontam o sucesso do emprego da aeronave brasileira naquele cenário de conflito, elevando as perspectivas de sucesso da aeronave brasileira na disputa pelo bilionário contrato nos EUA, sendo ainda observada como potencial aquisição em diversos países.

A última encomenda, anunciada pela Sierra Nevada e a brasileira Embraer no último dia 25 de outubro, eleva o número de aeronaves A-29 encomendadas pela Força Aérea dos EUA destinadas a nações aliadas para 32 aeronaves. Até o momento foram entregues 20 aeronaves para o Afeganistão e duas das seis aeronaves destinadas ao Líbano através do programa LAS dos EUA.

De acordo com informações disponibilizadas, o contrato de estimado em 174,5 milhões prevê o fornecimento de seis aeronaves adicionais as 20 já entregues, bem como todo suporte logístico as mesmas, envolvendo peças sobressalentes, manutenção e treinamento.

Ao longo do ano passado, o A-29 conquistou prestigio em sua bem sucedida operação, o que deu a aeronave brasileira uma posição de destaque no Oriente Médio. Os resultados positivos obtidos com a operação do A-29 com os afegãos têm indicado que seu sucesso notório naquele teatro de operações pode levar a expandir a carteira de operadores do tipo nos próximos anos. A aeronave esta em operação no Afeganistão desde o início de 2016.

Durante uma recente avaliação na Holloman Air Force Base, no Novo México, a USAF avaliou o A-29 antes de uma provável demonstração de combate na região para o próximo ano. Os Emirados Árabes Unidos, que tem um requisito declarados para aquisição de uma aeronave de ataque leve, enviaram oficiais militares para Holloman para o evento, a fim de colher informações sobre a aeronave brasileira.

Enquanto as nações do Oriente Médio historicamente investiram em capacidades de combate relativamente altas, as novas ameaças assimétricas com as quais as nações lidam hoje, com um cenário que exige muito mais do apoio aproximado as tropas e que possui pouca ou nenhuma oposição aérea, sendo conflitos basicamente no cenário contra-insurgência, a operação deste tipo de aeronave que apresenta características próprias para atender as novas necessidades do moderno de teatro de operações, podem realmente se beneficiar de uma plataforma de baixo custo operacional como o A-29 “Super Tucano” da Embraer, o que permite manter o apoio sobre as tropas de maneira mais efetiva, permitindo voar baixo e lento sobre os alvos garantindo maior precisão e eficácia nos ataques.

Hoje as modernas aeronaves de alto desempenho que foram desenhadas e desenvolvidas tendo em vista o cenário convencional de conflito, não possuem o perfil adequado para o novo desafio representado pela guerra assimétrica, onde a ameaça aos meios aéreos é mínima ou ausente, diante dos quais os tradicionais meios são por demais onerosos e em muitos cenários de emprego inadequado. O alto desempenho torna-se um ponto negativo, quando há necessidade de se manter a aeronave o máximo de tempo possível sobre as tropas provendo apoio aproximado. A sua velocidade reduz a precisão na neutralização de forças inimigas e no combate próximo entre as forças aliadas e inimigas, tal fato pode resultar em fogo amigo devido ao pouco tempo para se identificar o alvo no campo de combate, apresentando ainda um custo de operação elevado em comparação as aeronaves da categoria do “Super Tucano

O A-29 que surgiu para atender aos requisitos da FAB já detém a marca de voou mais de 320.000 horas de voo, sendo destas cerca de 40.000 horas de combate. A aeronave que foi desenvolvida para operar em regiões remotas que possuem pouca ou nenhuma infraestrutura, possui um vasto leque de sensores e armas que podem ser integradas a plataforma, somando a isso o atrativo custo de 1.000 dólares por hora de voo, infinitamente mais baixo que o custo de um A-10.

No início do mês de outubro, a Embraer anunciou um acordo para fornecer seis aeronaves “Super Tucanos”, que serão produzidos no Brasil para um cliente não divulgado.


A Força Aérea dos EUA está considerando comprar centenas de aeronaves de ataque leve para atender as suas necessidades operacionais com uma significativa redução de custos no Oriente Médio, além de emprega-las na formação de novos pilotos. Ainda não foi decidido se haverá a avaliação em combate real, mas autoridades norte americanas disseram que o A-29 e o AT-6 da Textron provavelmente seriam as aeronaves que seriam avaliadas.

O "Super Tucano" é no momento o favorito na disputa pelo OA-X, o qual representa um bilionário contrato, o qual resultará em centenas de aeronaves adquiridas pela USAF.

GBN News - A informação começa aqui
com agências

0 comentários:

Postar um comentário