quinta-feira, 9 de novembro de 2017

A Rússia prontamente "desenvolverá e adotará" mísseis de alcance médio se os EUA violarem o tratado

A Rússia em resposta ao anúncio dos EUA que deverão alocar 58 milhões para o desenvolvimento de um novo IRBM no orçamento para 2018, disse ter as capacidade militar e técnica para desenvolver e adotar novos sistemas de mísseis de alcance intermediário, caso os EUA prossigam no desenvolvimento de um novo míssil, o que violaria o Tratado INF de 1987, o qual foi ratificado entre a extinta URSS e os EUA.

"Se o míssil anunciado pelo Congresso Americano realmente for desenvolvido e figurar no arsenal americano, teremos que desenvolver e adotar nosso IRBM. A Rússia tem a capacidade militar e técnica para isso", disse Viktor Bondarev, chefe do Comitê de Defesa e Segurança da Câmara Alta do Parlamento russo, o Conselho Federal.

Na quarta-feira (8), os legisladores dos EUA alocaram 58 milhões para combater a alegada falta de conformidade da Rússia com o tratado sobre as Forças Nucleares Intermediárias. A soma era parte dos 700 bilhões propostos para o ano fiscal de 2018.

As medidas para combater as alegadas atividades russas incluem um "programa de pesquisa e desenvolvimento de um míssil de alcance intermediário lançado pelo solo" , que de alguma forma não deve violar o próprio tratado. O acordo de 1987 proíbe mísseis com alcance entre 500 e 5.500 km.

No entanto, os legisladores russos não têm dúvidas de que a violação seria inevitável e advertiu que Moscou terá que responder imediatamente. "Isso contradiz inteiramente o tratado de Forças Nucleares Intermediárias", disse Vladimir Shamanov, chefe da Comissão de Defesa da Câmara das Nações Russas. "Nosso presidente disse: a resposta será instantânea", referindo-se a comentários anteriores de Vladimir Putin.

"Nós vamos cumprir os termos do INF, desde que nossos parceiros o façam", disse Putin em outubro. "Se eles decidirem abandoná-lo, no entanto, nossa resposta será instantânea e simétrica".Os EUA já haviam ameaçado abandonar completamente o tratado.

Enquanto Washington não apresentou nenhuma prova de que a Rússia violou o INF, os principais representantes dos EUA e da OTAN apresentaram repetidamente como um dado fato. O secretário de Defesa dos EUA, James Mattis, disse nesta quinta-feira (9) que "muitas" nações da OTAN têm "suas próprias evidências sobre o que a Rússia tem feito". Mattis acrescentou: "Nós acreditamos firmemente, ao longo de vários anos que os russos violaram o INF e nosso esforço é levar a Rússia de volta ao cumprimento ".

A Rússia e os EUA têm trocado acusações de violações do tratado INF há vários anos. Moscou citou os mísseis alvo para testar a tecnologia de mísseis antibalísticos, o programa de drones dos EUA e a colocação no solo do sistema naval de lançamento vertical como parte do programa Aegis Ashore como violações do tratado.

GBN News - A informação começa aqui
com agências

0 comentários:

Postar um comentário