segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Israel continuará "atuando na Síria", Netanyahu diz aos EUA e à Rússia

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse ter deixado claro aos EUA e à Rússia que Tel Aviv continuará a "atuar na Síria". Ele vem se pronunciar depois que Donald Trump e Vladimir Putin reafirmaram esforços conjuntos para apoiar um cessar-fogo na região síria que faz fronteira com Israel e Jordânia.

"Estamos controlando nossas fronteiras, estamos protegendo nosso país e continuaremos a fazê-lo", disse Netanyahu em declarações aos membros do partido de direita do Likud nesta segunda-feira (13), citado pela Reuters. "Eu também informei nossos amigos, em primeiro lugar Washington e também nossos amigos de Moscou, que Israel atuará na Síria, inclusive no sul da Síria, de acordo com nossa compreensão e de acordo com nossas necessidades de segurança".

Seus comentários vierem depois que Trump e Putin lançaram uma declaração conjunta no sábado (11), afirmando que Washington e Moscou reafirmaram seus esforços conjuntos para estabilizar a Síria, já que sua guerra civil continua a diminuir. Isso inclui a expansão de uma trégua na região sudoeste da Síria que faz fronteira com Israel e Jordânia.

As observações de Netanyahu seguem a do ministro de cooperação regional do país, Tzachi Hanegbi, que expressou um sentimento similar no dia anterior. Israel "definiu linhas vermelhas e permanecerá firme nisso" , disse ele domingo (12).

Tel Aviv vem empurrando Washington e Moscou para negar as bases militares do Irã e Hezbollah, todas bases permanentes na Síria, e mantê-las longe da fronteira com Golã. Quando as forças alinhadas á Damasco ganham terreno enquanto ajudam o governo sírio a combater os rebeldes liderados pelos sunitas.

Enquanto isso, um funcionário do governo dos EUA disse nesta segunda-feira (13) que a Rússia concordou em "trabalhar com o regime sírio para remover as forças apoiadas pelo Irã a uma distância definida" da fronteira com Israel nas Colinas de Golã . A distância variou de apenas 5-7 quilômetros a cerca de 30 quilômetros, dependendo dos rebeldes na área síria controlada de Golã, o funcionário disse sob condição de anonimato. Um funcionário israelense, informado sobre a situação, disse que o movimento tem como objetivo manter as facções rivais umas das outras, mas também manter as forças vinculadas pelo Irã do lado israelense de Golã em disputa.

O exército de Israel diz que realizou cerca de 100 ataques na Síria. Essas incursões atacaram depósitos de armas do Hezbollah ou Irã suspeitas, ou em retaliação pelo bombardeio do território israelense pela Síria.

GBN News - A informação começa aqui
com agências

0 comentários:

Postar um comentário