quinta-feira, 11 de maio de 2017

Alemanha não enviará mais tropas para o Afeganistão

A chanceler alemã, Angela Merkel, disse que a Alemanha continuará a liderar a missão de treinamento militar da OTAN no norte do Afeganistão, mas não tem planos de aumentar sua presença no país ou expandir seu papel na luta contra o Estado Islâmico.

Merkel disse que Berlim não está pronta para assumir mais responsabilidades lá.

"Eu não acho que somos os primeiros na fila para expandir nossas capacidades lá. É mais importante garantir que ... a estabilidade seja garantida no norte ", disse Merkel, falando em uma entrevista coletiva com o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, nesta quinta-feira (11).

Stoltenberg, que falou sobre a presença da OTAN no Afeganistão, afirmou que a aliança não estava pensando em retornar às missões de combate no Afeganistão, mas se concentraria em missões de "assistência e consultoria".

O secretário-geral da OTAN destacou o papel principal que a Alemanha desempenhou no norte do Afeganistão, observando que " se houver algum aumento, o que ainda não foi decidido, então iremos perguntar a todos os aliados e parceiros".

Merkel enfatizou que "deixou muito claro" a Stoltenberg que a Alemanha não iria reforçar seu papel na luta contra o Estado islâmico mesmo se a OTAN concordasse com os pedidos dos EUA para que assumisse um papel formal na coalizão.

"Quero afirmar muito claramente que, mesmo se tal decisão for tomada, isso não significará que qualquer atividade militar que a Alemanha realiza atualmente, por exemplo, a vigilância AWACS, será expandida ou algo parecido" , disse ela.

Stoltenberg também mencionou o conflito entre Berlim e Washington sobre os gastos de defesa, observando que em 2014, os membros da OTAN não haviam concordado em gastar 2% de seu PIB em defesa, mas em primeiro lugar parar de cortar gastos militares e gradualmente avançar para meta de 2%.

"O que prometemos é parar com os cortes, aumentar gradualmente e depois avançar para 2%", disse Stoltenberg. "E, na verdade, a Alemanha e muitos dos aliados europeus começaram a fazer exatamente isso" , acrescentou.

Os membros da OTAN são incentivados a gastar pelo menos 2% de seu PIB em defesa, mas apenas alguns estados no bloco de 28 membros são capazes de cumprir a exigência. Na cúpula de Gales de 2014, alguns países argumentaram que é irrealista alcançar a meta de 2% até 2024, uma vez que a despesa se baseia, em grande parte, no poder econômico de cada estado.

Em março, após um encontro com a chanceler alemã Angela Merkel, o presidente dos EUA, Donald Trump, censurou a Alemanha por não gastar mais em sua própria defesa.

Os "Estados Unidos devem ser pagos pela poderosa e muito cara defesa que oferece à Alemanha", ele disse no twitter.

A ministra alemã da Defesa, Ursula von der Leyen, respondeu sarcasticamente que a Alemanha não deve aos EUA e à OTAN "vastas somas de dinheiro" , uma vez que a aliança não tem uma "conta de débito".

"Não há conta de dívida na OTAN" , observou ela em um comunicado , conforme citado por Spiegel.

GBN seu canal de informação e notícias
com agências

0 comentários:

Postar um comentário