quarta-feira, 12 de outubro de 2016

US Navy enfrenta problemas com atrasos na revisão de seus Porta Aviões


Diante dos grandes desafios internacionais que se desenvolvem, é quase um fato que, quando a nova administração assumir o governo em Washington, terá de enfrentar desafios para manter a hegemonia americana ao redor do mundo. A Rússia vindo a adotar uma nova postura nos assuntos internacionais, como a intervenção na Síria e os desentendimentos com a China sob suas águas territoriais, a ameaça nuclear representada pela Coréia do Norte e o terrorismo liderado pelo EI e Al Qaeda, são fatores que podem colocar pressão sobre o novo presidente forçando o mesmo ou a mesma a mostrar do que é feito. E quando os problemas surgirem no próximo ano, os novos líderes vão fazer a pergunta proverbial: "Onde estão os porta aviões?" 


A resposta, pelo menos nas primeiras semanas do próximo governo, pode não ser o que as pessoas querem ouvir . 



O "Dwight D. Eisenhower" está patrulhando as águas do Golfo Pérsico sendo o ativo mais poderoso do Comando Central dos EUA. Depois de meses lançando ataques contra alvos na Síria e no Iraque, o navio está programado para ser substituído na patrulha da região em janeiro pelo "George H Bush", então, retornará para Norfolk e passará por um período de manutenção e atualizações de sete meses. Mantendo o novo objetivo-chave da Marinha, que está tentando evitar missões longas de oito a dez meses, que desgastam demasiadamente seu pessoal e equipamentos. 



Mas há um problema. O "Bush" está atrasado, tendo saído de um período de manutenção em Norfolk que inicialmente era para ter sido concluído em seis meses, mas em vez disso durou 13 meses! O navio, sua ala aérea e o resto de seu grupo de ataque deve ter tido a maior parte deste ano para realizar treinamento e os preparos para em dezembro substituir o "Eisenhower". Mas esse período inicial de formação de dez meses caiu para oito meses, quando a Marinha anunciou uma revisão longa, então encolheu esse período para quatro meses no momento em que o "Bush" voltou à frota no final de julho. 



Um atraso no envio do "Bush" pode significar um aumento na escala de patrulha do "Eisenhower" , ou poderia voltar para casa no periodo programado e deixar uma lacuna na capacidade de aviação embarcada na região do CENTCOM e do comando europeu - uma perspectiva pouco atraente quando as chances são altas de que os russos, EI, Al Qaeda ou o Irã poderiam provocar algum tipo de incidente no período. 



Mas a causa principal deste problema, se deve a excessivamente longa revisão do "Bush", sendo reflexo da crise no estaleiros que sofrem com cortes no orçamento e reduções de pessoal, incapazes de acompanhar a demanda da frota, certamente isso irá continuar afetando a atual frota e o programa de construção dos novos porta-aviões. Em 5 de outubro, o Nimitz finalmente deixou o estaleiro para realizar os testes no mar, isso após uma longa revisão de 20 meses, representando um atraso de quatro meses a mais do que o planejado. Não está claro, no entanto, se esse atraso afetará as operações de patrulha da Costa Oeste, onde na escala de rodízio há pelo menos um outro porta-aviões à frente de Nimitz na troca de patrulha. 



Esses problemas não são novos. Em outubro 2014 o Comando da Frota anunciou que a revisão do Eisenhower em Norfolk seria executada em apenas seis meses, no entanto, o "Harry S. Truman" teve de cobrir a lacuna deixada pela indisponibilidade do "Eisenhower" de assumir seu "turno" de patrulha. O Eisenhower só pode finalmente assumir a sua escala de patrulha em junho de 2016. 



Problemas com os estaleiros da Marinha dos EUA têm sido apontados por oficiais da Marinha há anos. Outro ponto que é um dos principais vilões da história são os cortes orçamentários que impuseram reduções de pessoal em todos os estaleiros, juntamente com um inconsistente financiamento de anos de orçamentos atrasados. Assim os navios da frota estão presos em um ciclo vicioso, onde atuam em um ritmo operacional muito alto, ou seja, frequentemente os navios perdem o período de revisões programadas, chamados de "disponibilidades" pela Marinha. Assim, os navios sofrem um maior desgaste, com isso a necessidade de manutenção supera os trabalhos inicialmente planejados para ser executados, somando a esse desgaste excessivo dos navios á redução no número de profissionais nos estaleiros, as revisões passam a ser de longo prazo, muitas vezes ocasionando em atrasos na programação de outros navios. Como uma bola de neve, vários outros pontos importantes são afetados devido a esses atrasos, o regime de treinamento são negativamente afetados, bem como a disponibilidade operacional do navio pode ser adiada por muitos meses. 



A carga de trabalho atribuída aos estaleiros tem aumentado ao longo dos últimos anos, enquanto a Marinha aumentou o número de profissionais, a carga de trabalho aumentou mais rapidamente do que a sua capacidade. O Norfolk Naval Shipyard aloca recursos de acordo com as disponibilidades atribuídas com base na prioridade, e as deficiências resultantes acabam atrasando o cronograma. 



"O "Nimitz" também foi afetado negativamente por problemas de capacidade, alguns dos problemas identificados foram devido ao atraso na identificação dos trabalhos de reparação que não estavam no cronograma original, sendo resultado do atraso na entrada do navio em seu período de revisões. 



Segundo fontes da Marinha dos EUA, os seus quatro estaleiros estão renovando seus quadros de profissionais e os ampliando gradativamente. Desde 2013 a Marinha contratou cerca de 14.000 novos profissionais, um número relativamente grande, mas tem de se levar em consideração que os novos contratados não chegam apenas para ampliar a capacidade de serviço, mas muitos substituem os trabalhadores aposentados ou demitidos. 



A força de trabalho nos estaleiros de Norfolk e Puget Sound, tem crescido desde setembro de 2013. Norfolk adicionou 1.425 funcionários para um total de 10.542, enquanto Puget Sound acrescentou ao seu quadro 2.549, chegando aos 13.425 funcionários. 



Mas o problema não pode ser resolvido rapidamente simplesmente com novas contratações. "Os novos funcionários precisam ser treinados, e é preciso tempo para ganhar experiência necessária para proporcionar um efetivo ganho na capacidade produtiva. 



Para lidar com os problemas enfrentados pelos estaleiros da Marinha, já começaram a realizar algumas revisões da frota de submarinos nucleares em estaleiros comerciais, uma mudança drástica nos últimos anos, onde todos trabalho de revisão nuclear era realizado nos estaleiros da marinha. Pelo menos quatro submarinos já estão ou serão revisados por estaleiros privados, no General Dynamics Electric Boat em Groton, Connecticut, e no Newport News Shipbuilding em Newport News, Virginia, sendo os únicos estaleiros onde os EUA construíram submarinos nucleares.



Atrasos na revisões não são apenas atribuídos à dificuldade de realizar o trabalho quando um navio esta no estaleiro, há também problemas com o planejamento e as disponibilidades. Em geral, um estaleiro poderia ter um ano para planejar uma revisão, como a do "Bush". Trabalho precisa ser identificado, a duração e o alcance de um determinado trabalho, ter o sequenciamento definido, peças e materiais encomendados com antecedência, os trabalhadores programados para estar disponíveis. Assim as reduções de pessoal têm afetado de grande forma os departamentos de planejamento, bem como a força de trabalho qualificada. 



O Norfolk Naval Shipyard conduziu o trabalho de planejamento no período 2015-2016 para revisão do "Bush". Algumas fontes afirmam que havia problemas para execução do trabalho, como parte do planejamento estava sendo transferido para um estaleiro privado. Que por sua vez apontou ter problemas.



O HII, juntamente com o General Dynamics NASSCO , tinham partes significativas nos serviços a ser executados no "Bush", mas sob contratos "discretos" emitidos para tarefas específicas. Porém, Norfolk tinha a liderança dos trabalhos até sua finalização. 



O Norfolk Shipyard começou a planejar a disponibilidade prevista para o "Bush", no verão de 2014 e manteve o controle das funções de planejamento para a disponibilidade. As empresas privadas HII e outros foram contratados para ajudar a ampliar a força de trabalho do Norfolk, executando trabalho s específicos.



Embora os estaleiros estejam lutando para concluir os trabalhos no "Bush", a revisão se estendeu ao longo de 2016, o que afeta diretamente o período de treinamento pelo qual o grupo de ataque deve passar. 



O Bush voltou para Norfolk em 3 de outubro, após cerca de duas semanas em testes. De acordo com uma fonte da Marinha, o navio ainda está enfrentando problemas técnicos não solucionados durante a revisão. O "Bush" ainda tem de passar por uma avaliação extensa de suas capacidades e de seus equipamentos e tripulantes, além de se avaliar a capacidade de seu grupo aéreo e equipes táticas, algo que precisa ser concluído antes de assumir sua escala de patrulha.


Porém não há informações se o "Bush" irá concluir todo processo pendente no período previsto para substituir o "Eisenhower" sem criar uma lacuna na cobertura da região com a ausência de um porta-aviões. Extra-oficialmente, fontes disseram que o Bush provavelmente irá assumir a patrulha no início de 2017, mas nenhuma decisão foi tomada sobre a prorrogação da patrulha do "Eisenhower".

GBN seu canal de informações e notícias
com agências de notícias

0 comentários:

Postar um comentário