segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Egito pode reativar base militar russa

Moscou está negociando com o Cairo o arrendamento de antigas instalações militares em território egípcio, na cidade de Sidi Barrani. Se os governos dos dois países concordarem sobre as condições do arrendamento, a base militar poderá será restabelecida até 2019, de acordo uma fonte que não quis ser identificada.
Segundo ela, o Egito se mostra disposto a aceitar as condições russas, já que a ideia de ter uma base russa em seu território corresponde aos objetivos e interesses geopolíticos do Cairo.
Assim, Moscou entregaria todos os equipamentos necessários para o restabelecimento da base por via marítima.
Ter uma base militar no norte da África seria uma forma de resolver diversas questões geopolíticas para a Rússia, especialmente no Mediterrâneo ocidental, de acordo com analistas.
Reforço da presença militar
A restauração da base militar em Sidi Barrani ainda reforçaria a segurança internacional, segundo o vice-presidente do Comitê de Defesa da Duma do Estado (câmara dos deputados na Rússia), Andrêi Krassov.
“O Egito e outros países entendem o papel da Rússia no equilíbrio de forças [...] Creio que devamos intensificar a cooperação com o Egito, inclusive na reconstrução da base militar”, disse.
O deputado Anton Morozov, membro do Comitê de Assuntos Internacionais da Duma, diz que, nas atuais condições, a Rússia precisa reforçar sua presença militar no Oriente Médio. 
“O Oriente Médio é uma área muito importante para a Rússia que também pode representar ameaças terroristas”, disse Morozov.
“Qualquer país precisa de bases militares fora do seu território. A base em Sidi Barrani ajudará não só a resolver o conflito sírio, mas também fortalecerá a posição da Rússia na Líbia”, diz o presidente da Associação Internacional de Contraterrorismo, Ióssif Linder.
“Trata-se de parte da estratégia de restauração do poder da Rússia na arena internacional. Moscou precisa restaurar as bases militares soviéticas, especialmente no Norte de África. Isso não significa que a Rússia pretenda atacar com bases militares além das fronteiras, mas apenas uma medida de representação do país no exterior”, completa Linder.
No momento, a Rússia possui apenas uma base militar no Oriente Médio, localizada no aeroporto Hmeymim e que foi concedida a Moscou gratuitamente por Damasco em 26 de agosto de 2015.
Fonte: Gazeta Russa

Nota do GBN: É digno de nota a nova posição da política russa, onde abandonou a postura passiva que vinha mantendo desde a queda da União Soviética na década de 90, agora assistimos a uma nova Rússia, essa nova fase mostra vigor e disposição em ocupar um lugar de destaque no tabuleiro internacional, sendo um claro contra-ponto a Washington. 
Desde a sua atitude de se envolver diretamente apoiando o governo da Síria, Moscou tem demonstrado a adoção de um novo rumo em sua rede de relações geopolíticas, algo novo e que pode vir a gerar tensão no cenário global, onde assistimos claramente a perda de fôlego do império norte americano, o que pode vir a dar mais impulso á outros atores no tabuleiro, como China e Índia em buscar papeis de maior peso.

0 comentários:

Postar um comentário