sexta-feira, 21 de outubro de 2016

ONU alerta para crimes de proporções históricas em Aleppo

O alto comissário da Organização das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad al-Hussein, afirmou nesta sexta-feira (21) que o cerco e bombardeio da zona leste de Aleppo constituem "crimes de proporções históricas", equivalentes a crimes de guerra, com numerosas vítimas civis.
Num discurso em vídeo para o Conselho de Direitos Humanos da ONU em Genebra, na Suíça, Ra'ad al-Hussein apelou novamente às grandes potências para colocarem de lado suas diferenças e encaminharem a situação na Síria ao promotor do Tribunal Penal Internacional (TPI).
A sessão da ONU foi convocada pelo Reino Unido e apoiada pela França, Alemanha, EUA e Turquia. Seu objetivo é aprovar, ainda nesta sexta-feira, uma resolução condenando os abusos especialmente na região leste de Aleppo, controlada pelos rebeldes, onde cerca de 250 mil civis estão sitiados por uma ofensiva do governo sírio apoiado pela Rússia.
"Rússia, você está piorando a situação e não resolvendo", advertiu Tobias Ellwood, secretário de Estado britânico, encarregado da África e o Oriente Médio. "Isso é vergonhoso e não é uma ação ou liderança que nós esperamos de uma nação P-5", declarou, se referindo aos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, China, EUA, França, Reino Unido e Rússia.
Paulo Pinheiro, presidente da comissão de inquérito da ONU sobre a Síria, que dirigiu a sessão especial, afirmou que o painel vai continuar a documentar os crimes de guerra em Aleppo e exigiu do governo do presidente Bashar al-Assad informações sobre as violações.
Pausa humanitária e fuga
A ONU afirmou nesta sexta-feira que espera realizar as primeiras evacuações médicas de Aleppo, se houver uma "pausa humanitária" nos ataques realizados pelo Exército sírio e caças russos.
Apesar da queda na violência após o cessar-fogo unilateral que entrou em vigor na quinta-feira, poucos civis fizeram apelos para deixar as áreas controladas pelos rebeldes na cidade. A Rússia acusa os insurgentes de intimidação.
Inicialmente, a trégua unilateral teria duração de 11 horas, mas o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, anunciou na quinta-feira que ela seria estendida "por 24 horas", não deixando claro exatamente quando terminará.
A parte leste de Aleppo, conquistada pelos rebeldes em 2012, está sitiada pelo Exército desde meados de julho e tem enfrentado bombardeios devastadores pelo governo e por sua aliada Rússia desde o lançamento da ofensiva para retomar a cidade, em 22 de setembro.
A Rússia anunciou a suspensão dos ataques aéreos a partir de terça-feira e o cessar-fogo unilateral a partir de quinta-feira. O Exército sírio abriu oito corredores na linha de frente para mais de 250 mil civis em áreas controladas por rebeldes, mas, até agora, quase nenhum aceitou a oferta.
"Não houve nenhum movimento nos corredores na parte leste da cidade. No momento, não temos visto qualquer movimento de moradores ou combatentes", afirmou Rami Abdel Rahman, chefe da ONG Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), sediada em Londres.
Mais de 500 mortos desde fim de setembro
Nesta quinta-feira, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, afirmou numa sessão especial da Assembleia Geral da organização, que o resultado da ofensiva contra Aleppo é "horrível". Quase 500 pessoas morreram e cerca de 2 mil ficaram feridas. Mais de um quarto das vítimas são crianças.
Desde o início de julho, nenhum veículo de ajuda humanitária da organização consegue chegar à cidade, e os alimentos vão terminar até o fim deste mês, alertou Ban. Em consequência, a fome será usada como arma de guerra.
O secretário-geral da ONU evocou catástrofes como em Srebrenica e Ruanda. "Quando a comunidade internacional finalmente vai unir esforços para acabar com essa carnificina?", questionou. Ban pediu o "acesso humanitário completo" à zona leste da cidade síria.

Fonte: Deutsche Welle

Nota do GBN: Não podemos considerar crimes de guerra ações de combate ao terrorismo, embora hajam vitimas entre a população civil, lembrando que muitos civis tem sido mantidos como escudo humano. A ação síria tem buscado o menor grau possível de danos colaterais, lembrando que os ditos rebeldes pedem trégua para receber armas e suprimentos afim de manter-se na luta, outro importante ponto foi a abertura de corredores para fuga de civis, porém curiosamente poucos evacuaram as regiões de conflito.

0 comentários:

Postar um comentário