sábado, 9 de junho de 2018

Estado Islâmico é fruto da invasão dos EUA no Iraque, afirma Rússia

O surgimento do grupo terrorista Estado Islâmico (EI) é resultado da invasão militar do Iraque pelos EUA, enquanto que a maioria das armas que os EUA forneceram às forças de oposição armada na Síria caiu nas mãos de militantes do EI e do Jabhat Al-Nusra, declarou neste sábado (9) o porta-voz do Ministério da Defesa da Rússia, major general Igor Konashenkov.

"Estamos surpresos com as manipulações verbais do chefe do Pentágono James Mattis em relação aos acontecimentos na Síria", disse ele, comentando a declaração do secretário de defesa dos EUA, em que ele disse que Bashar al-Assad, apoiado pelo Irã e pela Rússia, liderou o povo sírio á uma catástrofe, enquanto as Forças Democráticas sírias, em sua maioria curdos, eram a única organização que havia conseguido derrotar os terroristas na Síria.

"Gostaríamos de lembrar a Mattis que o surgimento e desenvolvimento do EI no Iraque, foi resultado direto e indiscutível da invasão militar do país pelos EUA sob um falso pretexto da posse de armas químicas por Saddam Hussein", assinalou Konashenkov.

Ele ressaltou que "a expansão do EI na Síria tornou-se possível devido à inércia criminosa dos EUA e da chamada 'coalizão internacional', que resultou no rápido controle dos militantes do EI sobre as principais áreas petrolíferas do leste da Síria e no fluxo constante de recursos. da venda ilegal de produtos petrolíferos ”, disse Konashenkov.

"Todo esse tempo, Washington tem se concentrado em fornecer apoio financeiro e centenas de milhões de dólares em armas para a imaginária 'oposição síria'. No entanto, a maioria das armas e munições fornecidas pelos EUA caiu nas mãos de Jabhat al-Nusra, afiliado à Al-Qaeda e ao EI, cujo objetivo de derrubar o governo sírio legítimo coincidiu com os objetivos de Washington", disse Konashenkov.


Remanescentes do EI na Síria estão em áreas controladas pelos EUA


O Estado Islâmico ainda mantém presença na Síria, mas apenas em áreas controladas pelos EUA, enquanto as liberadas pelas forças do governo sírio estão se recuperando lentamente após a derrota dos terroristas, segundo o Ministério da Defesa da Rússia.

"Todos os bolsões restantes de resistência dos terroristas do Estado Islâmico na Síria estão apenas em áreas controladas pelos Estados Unidos" , disse neste sábado (9) o general Igor Konashenkov, porta-voz do Ministério da Defesa.

Mais cedo, o secretário da Defesa dos Estados Unidos, Jim Mattis, afirmou em comunicado que a retirada da República Árabe "deve evitar deixar um vácuo na Síria que pode ser explorado pelo regime de Assad ou seus apoiadores", em aparente referência ao Irã e à Rússia.

A Rússia tem lutado contra terroristas no país a convite do governo sírio, enquanto a presença dos EUA por lá foi considerada agressiva por Damasco.

Konashenkov deu um "tapa" na autoridade militar dos EUA, lembrando que a invasão liderada por Washington no Iraque sob um falso pretexto que de fato levou à ascensão do Estado Islâmico e eventualmente à sua expansão na Síria devastada pela guerra.

Enquanto investiu milhões em armas e apoio aos grupos rebeldes na síria, nem um centavo do orçamento dos EUA foi investido para facilitar a recuperação das antigas zonas de conflito agora controladas pelo governo sírio.

“Nas províncias sírias controladas pelas legítimas autoridades da República Árabe da Síria, a vida pacífica está agora ativamente restaurada, os assentamentos estão sendo desminados; empresas, mercados, escolas e jardins de infância estão funcionando. A ajuda humanitária e os alimentos chegam lá, dos quais não há sequer uma embalagem paga pelo orçamento dos Estados Unidos ”.

Anteriormente, a perda em massa de vidas civis em Raqqa, dominada pelo Estado Islâmico, infligida pela coalizão liderada pelos EUA, foi abalada pela Anistia Internacional. Seu relatório, publicado no início desta semana, disse que os moradores ficaram presos nas ruas entre os militantes do Estado Islâmico e as Forças Democráticas da Síria (SDF) lideradas por curdos, apoiados por ataques aéreos da coalizão.

GBN News - A informação começa aqui
com agências de notícias





Share this article :

0 comentários:

Postar um comentário

 

GBN News - GeoPolítica Brasil Copyright © 2012 Template Designed by BTDesigner · Powered by Blogger