sábado, 28 de agosto de 2010

BULAVA Chinês???


Similar aos mísseis balísticos Bulava russo que preocupa os estrategistas americanos, o último relatório do Pentágono sobre o poderio militar da China revela que os esforços chineses para desenvolver um novo míssil nuclear baseado em submarinos têm tido problemas. Outros desenvolvimentos na dissuassão nuclear descrita no relatório anual do Pentágono, destaca a evolução da República Popular da China, que inclue uma implantação lenta de novos mísseis móveis terrestres, comando nuclear e os desafios da cadeia de controle.


Programa Naval Nuclear

Enquanto o primeiro SSBN Type 094 da nova Classe "Jin" é lançado ao mar "parecendo pronto" e com mais quatro possivelmente construção, o desenvolvimento do míssil balístico Julang-2 de longo alcance para esta nova classe de submarinos Balísticos encontrou dificuldades.

O relatório revela que o novo míssil foi "falhou na última rodada de testes de vôo."

O mais recente revés continua sendo os mesmos problemas que têm caracterizado programa naval nuclear na China ao longo dos anos. O primeiro SSBN (Type 092) produziu apenas um submarino, o Xia, que nunca navegou em uma patrulha de dissuasão. Mesmo após uma revisão longa recentemente, o Pentágono descreve o estado de funcionamento do sistema de mísseis Xia Julang-1 como "questionáveis".

O programa do submarino nuclear de ataque também parece desafiador, com apenas dois submarinos da classe Shang (Type 093)operacionais, a mesma do ano passado e quatro antigos da classe Han (Type 091) ainda estão em serviço. Em vez disso, o foco do programa nuclear de submarinos de ataque parece ter-se deslocado para a construção de uma nova classe, o Type 095. O relatório do Pentágono aponta que até cinco Type 095 podem ser adicionados nos próximos anos.


Mísseis nucleares

A introdução de novos mísseis balísticos móveis continua, mas a um ritmo lento. O DF-31 parece estagnado com 10 mísseis, o mesmo que no ano passado. O número de mísseis intercontinentais DF-31AS aumentou de 10 no ano passado para 15 no relatório deste ano.

Provavelmente como resultado possível do atraso na implantação do novo DF-31, o número de antigos mísseis a combustível líquido DF-3A e DF-4 continuam os mesmos do ano passado.

Apesar de uma exibição forte na parada militar em Pequim no ano passado, o número de lançadores DF-21 não aumentou em comparação com o ano passado. O número de mísseis é um pouco maior, 85-90 mísseis contra 60-80, provavelmente refletindo as versões convencionais de DF-21C.

O relatório continua as previsões dos anos anteriores que um ICBM móvel novo pode estar em desenvolvimento, possivelmente uma referência ao esquivo DF-41 ou outro sistema. O novo míssil é descrito como "possivelmente capaz de transportar vários ogivas independentes no veículo de reentrada (MIRV).

Os relatórios precedentes relataram o desenvolvimento da tecnologia MIRV por muitos anos, mas sempre concluiu que a tecnologia de mísseis móveis MIRV seria muito difícil e cara. A referência a capacidade MIRV ICBM é nova, mas ela vem com uma série de advertências: "pode estar em desenvolvimento", e "possivelmente capaz de realizar" MIRV.

Um sistema MIRV que, se implantado, representa uma mudança significativa na estratégia de emprego nuclear chinês. A Rússia e os Estados Unidos tem implantado sistemas MIRV para melhorar o direcionamento contra alvos militares. A razão secundária - para o Reino Unido foi provavelmente a principal razão - era surpreender as defesas contra mísseis.

Ao invés de uma maior concentração, a motivação para prosseguir o programa do MIRV chinês provavelmente é o aparecimento de sistemas de misséis balísticos mais avançados nos EUA e Rússia. Na fase 4 da administração Obama, Phased Adaptive Approach (PAA) inclui uma capacidade de defesa anti-mísseis balísticos contra mísseis balísticos intercontinentais em torno de 2020. Isso pode empurrar ainda mais a China no desenvolvimento de seu MIRV.


Comando e Controle Nuclear

Como era o caso em 2009, o relatório de 2010 sublinha o comando e questões de controle chineses. "A introdução de sistemas móveis criará um novo comando e controle, um novo desafio para a liderança da Chinesa, que agora enfrenta um conjunto diferente de variáveis relacionadas à implantação e as autoridades de liberação."

Uma delas é a força emergente de SSBN, uma forma quase que inteiramente nova em implantação na postura nuclear chinesa. O relatório afirma que o CC tem apenas uma capacidade limitada para se comunicar com submarinos no mar, e a Marinha chinesa não tem experiência na gestão de uma frota SSBN que realize rondas estratégicas com ogivas nucleares em seus mísseis".

O SSBN chinês nunca realizou uma patrulha de dissuasão estratégica (nenhuma foi realizada em 2009), e se a doutrina chinesa atual da qualquer indicação de que é duvidoso que os SSBNs irão implantar ogivas nucleares para mísseis em tempo de paz. Mas a ausência de experiência operacional e a capacidade de comunicação limitada levanta sérias questões sobre a proficiência o que pode criar problemas em uma crise.

O relatório levanta questões similares com a nova geração de mísseis terrestres móveis. Embora a China tenha operado mísseis móveis de médio alcance ao longo de décadas, a delegação da autoridade de lançamento em uma crise para unidades de pronta resposta suscita questões sobre o controle de uso, estabilidade de crise, e mal-entendidos.

E há "poucas provas", segundo o Pentágono, que os líderes civis e militares da China já tenham pensado nos efeitos globais e sistêmicos que estariam associados com o emprego desses recursos estratégicos."

Apesar destas questões e especulações nos relatórios anteriores do Pentágono e possíveis mudanças na doutrina nuclear da China, nomeadamente as condições para a sua política de não-utilização, o relatório de 2010 conclui que "não houve nenhuma indicação de que os líderes nacionais estão dispostos a atribuir tais nuances e ressalvas para a doutrina China de não primeiro uso.

Fonte: Defense & Professional tradução: Angelo D. Nicolaci

0 comentários:

Postar um comentário