domingo, 28 de março de 2010

Questão atômica


O Acordo Estados Unidos-Rússia para redução progressiva de armas nucleares não pode receber do governo brasileiro celebrações sinceras em nome do planeta, do futuro e, em particular, do Brasil. O que seja dito com aparência de louvação ao acordo esconde a percepção grave, e inevitável, de que devem esperar-se inconveniências e mesmo problemas maiores para o projeto nuclear que o Brasil desenvolve, seja qual for a dimensão desse objeto de disfarces e segredos.

O sentido imediato do acordo é o de comprovar que o tão sonhado processo de desnuclearização ressurge para ser real e para valer. Reduzido a ruínas por George Bush, com seu projeto de restabelecer o muro de mísseis entre a Europa e, de outra parte, a Rússia e países asiáticos, o processo não apenas revive, mas o faz já como compromisso de trabalho e com um programa de meta obrigatória. Daí resultam, por certo, projeções fortes sobre os países ainda desprovidos de arsenais atômicos e, por qualquer forma e qualquer medida, envolvidos com projetos nucleares.

O governo Lula já emitiu, de diferentes pontos, a opinião de que o Brasil não devia ter-se incluído no velho Tratado de Não-Proliferação de Armas Atômicas. O argumento principal dos Ministérios das Relações Exteriores e da defesa, ao menos para efeito público, é de que o compromisso restritivo atinge a soberania nacional. O que leva a deduções simples. Ou o Brasil reconhece haver assinado o tratado como um país subalterno, submisso a ordens externas, ou o fez por decisão soberana e, portanto, sua presença no tratado é afirmação de soberania, não de negação. Além disso, o tratado seria tão restritivo de soberania quanto o é, por exemplo, o tratado que impede o Brasil de implantar bases, ainda que científicas, onde quiser na erma vastidão antártica.

O Brasil é tocado pelo acordo EUA-Rússia já de imediato. Maio seráatravessado pela reunião internacional do Tratado de Não-Proliferação,em princípio destinada a atualizá-lo. Diante dos problemasinternacionais representados por Irã e Coreia do Norte, talatualização, mesmo quando pensada lá atrás, só poderia significar maiorrigor em relação a projetos nucleares. E o acordo de americanos erussos vem sugerir o agravamento da tendência inicial. Como um problemapara o Brasil.

Não se sabe o que o governo Lula se propôs a defender na reunião, masjá definira sua posição contrária à revisão, pressentindo oendurecimento. Até poucos anos, o Brasil foi beneficiado pelatolerância da Agência Internacional de Energia Atômica, da ONU, em suarecusa a permitir a inspeção de praxe no enriquecimento de urâniooperado em Resende, Estado do Rio. Alegava a criação de um processopróprio, que ainda não desejava expor, e a AIEA relutava um pouco emfavor das aparências, para logo ceder. As condições mudam depressa.

As providências armamentistas do Brasil suscitaram desconfianças antes inexistentes. A AIEA e a orientação geral da ONU não querem mais dúvida como a havida com o Iraque, nem mais surpresas como as causadas por Coreia do Norte e Irã. A posição do governo Lula em relação ao Irã de Ahmadinejad provoca suspeitas generalizadas. As quais se combinam, e se fortalecem mutuamente, com as suspeitas decorrentes da "aliança estratégica" decidida por Lula, só ele, com a nuclearizada e comercial França de Nicolas Sarkozy.

A isso vem se somar, na má hora das novas discussões sobre o Tratado de Não-Proliferação de Armas Atômicas, o irradiante acordo que é a segunda grande vitória de Barack Obama em cinco dias. Esta, relativa a sua promessa de combater a nuclearização militar do mundo. A complacência se aproxima do fim -o que significa a aproximação de problemas para o Brasil e seus novos segredos.

Fonte: Folha
Share this article :

2 comentários:

  1. Carríssimos
    Sou partidário de que o país tenha alguns artefatos nucleares sim, mas como forma dissuasória e dizer ao mundo que sabemos fazer e termos as mesmas. Existe muita hipocrisia neste mundo muitos querendo pousar de anjos, mas no fundo são maquiavélicos. Essa idéia de que o país é pacifista é verdadeira, mas se queres a paz te prepara pra guerra
    Abraços

    ResponderExcluir
  2. A Folha de São Paulo, Estadão, O Globo, Correio Brasiliense entre outros, não passam de representantes dos interesses de potências estrangeiras em nosso país trabalham abertamente contra a nossa soberania.Basta ver de que lado ficou O Globo no contencioso entre Brasil e EUA na questão do algodão. Quanto a questão nuclear, sou deveriamos ter os misseis balistícos a muito tempo.

    ResponderExcluir

 

GBN News - GeoPolítica Brasil Copyright © 2012 Template Designed by BTDesigner · Powered by Blogger