sábado, 25 de março de 2017

Índia - Candidata a potência?

Ao longo das últimas décadas temos assistidos várias mudanças nas estruturas geopolíticas regionais e mundial, onde grandes potências e nações de grande importância no cenário geopolítico tem mudado suas abordagens e em alguns casos perdido espaço para novos atores.

Diante de um mundo cada vez mais multipolarizado, temos acompanhados a ascensão de nações outrora tidas como medianas com capacidades limitadas, apresentar um crescimento contínuo e sólido de sua economia e influência política no cenário regional e mesmo global. Dentre estas, podemos citar a China como maior expoente deste novo cenário, mas há uma nação que tem apresentado de maneira contínua e sólida um expressivo crescimento que não fica só no campo econômico, mas tem tido um grande reflexo em suas capacidades de defesa, e neste artigo vamos abordar um pouco sobre este país, que apesar de não possuir dimensões continentais, possui uma população imensa, estamos falando da Índia.

A Índia é um dos países membros do BRICS, bloco econômico que concentra importantes nações emergentes. Apresenta um bom crescimento econômico, onde de acordo com dados do Banco Mundial, esta na sétima posição como maior economia do mundo (considerando o PIB de 2015).

Nas últimas décadas, o país tem mantido uma sólida taxa de crescimento do PIB, com a média de crescimento a 7% ao ano. Detentor de uma economia robusta e diversificada, apresenta expressivos resultados em vários setores, como o agrícola, industrial, tecnológico, financeiro e um dos seus principais setores o de serviços.  As previsões e resultados do período 2016-2017, mostram a solidez de sua economia, mantendo o folego de sua economia, tornando a economia indiana a mais dinâmica do mundo. Contudo, estes números devem ser abordados com alguma precaução, na medida em que o novo método de cálculo do PIB da Índia é suscetível de inflar seu bom desempenho. Seja como for, no contexto da recessão econômica mundial, a economia indiana se saiu melhor do que a de outros países emergentes. Em 2015, o país se beneficiou da queda dos preços mundiais do petróleo.

A Índia tem se destacado nas exportações de produtos manufaturados. A indústria de tecnologia do país tem mantido uma forte política de absorção de capacidades e tecnologias, o que vem resultando no seu crescimento nos últimos anos. Muitas grandes empresa de tecnologia de diversas partes do mundo tem aberto filiais na Índia, onde há como grande atrativo a mão de obra especializada e de baixo custo. Onde tem tido grande sucesso na área de serviços, com a forte expansão da produção de softwares.


Dados da economia da Índia

Devido a esta queda de preços, o governo reduziu os subsídios sobre a gasolina, enquanto o déficit orçamentário caiu para menos de 4% do PIB. A inflação está sob controle, assim como o déficit em conta corrente. Acresce que a demanda doméstica se manteve forte. O primeiro-ministro Narendra Modi teve alguma dificuldade em levar a cabo suas reformas, uma vez que seu partido carecia de maioria parlamentar. As reformas agrária, do IVA e da concessão de subsídios foram bloqueadas. Para contornar esses obstáculos, Modi tenciona introduzir reformas a nível regional. Em 2015, vários Estados decidiram flexibilizar seus códigos de trabalho. Desde a chegada de Modi, os investimentos privados fizeram grandes progressos, e o investimento estrangeiro duplicou entre os primeiros semestres de 2014 e de 2015. A Índia também facilitou os procedimentos para a abertura de empresas, um passo muito importante e que contribui de maneira considerável para o crescimento de sua economia. Modi, que tem sido muito ativo na cena diplomática, promove regularmente seu programa para desenvolver a indústria nacional. Se trata de uma tarefa crucial, uma vez que milhões de jovens ingressam a cada ano no mercado de trabalho. 

A gigante emergente da economia mundial, China, tem apresentado uma timida redução na sua taxa de crescimento, onde o custo do trabalho está sofrendo uma valorização nos últimos anos, o que tem freado a taxa vertiginosa de crescimento da economia chinesa. Diante deste quadro, os investidores chineses tem se mostrado interessados em investir na Índia, onde várias empresas chinesas já anunciaram investimentos significativos nos parques industriais indianos. 

O mercado interno indiano apresenta um grande potencial, e isso tem sido observado pelos investidores e empresas estrangeiras. Somando a essa equação o aumentou dos investimentos realizados pelo governo indiano em infraestrutura para melhorar atender as necessidade de sua base indústria. As empresas indianas têm sido especialmente bem sucedidas em mercados complexos, tais como de produtos farmacêuticos. No plano internacional, a Índia procurou, em 2015, conter o crescimento da influência chinesa. O país quer promover sua cultura a nível mundial e se posicionar como uma potência responsável, como comprovam sua resposta humanitária após o terremoto no Nepal e seus esforços, durante a COP21, para falar em nome das economias emergentes. 

Índia - Indústria de Defesa

Outro ponto que tem sido tratado de forma séria, diz respeito aos seus programas de desenvolvimento de tecnologias sensíveis e de defesa, onde a Índia tem conquistado grandes sucessos no desenvolvimento de novas tecnologias e meios, tendo como grande parceira a Rússia, com a qual desenvolve diversos sistemas de defesa, dentre os quais podemos citar o míssil de cruzeiro supersônico "Brahmos", o FGFA (Fifth Generation Fighter Aircraft), mais conhecido como T-50 PAK-FA, desenvolvimento conjunto da aeronave furtiva de 5ª geração entre a russa Sukhoi e a estatal indiana HAL. Mas a Índia tem levado a cabo programas ambiciosos de reaparelhamento, buscando manter um mix de fornecedores, onde o ponto principal destes novos programas, não se limita a aquisição de novos meios ás suas forças armadas, mas a absorção e capacitação técnica de sua indústria, onde tem exigido transferência de tecnologias para o desenvolvimento de sua indústria nacional de defesa. Outro ponto que é digno de nota é a política de cooperação e parcerias que o governo indiano tem estabelecido com diversos países no intuito de reduzir os custos de desenvolvimento de novos meios e sistemas de defesa, onde inclusive em breve traremos uma matéria mais focada aos avanços da indústria de defesa indiana.


Nos últimos anos temos acompanhado um grande planejamento que vem sendo levado a cabo para dotar suas forças de meios modernos e suficientes para garantir a soberania da nação, lembrando que a mesma possui um respeitável arsenal nuclear.



Cenário interno indiano



A Índia ainda é um país pobre, apresentando a renda per capita baixa, com aproximadamente 25% da população vivendo abaixo da linha da pobreza e com acentuada desigualdade social.


A Índia é a quarta potência agrícola mundial. Onde o setor agrícola representa em torno de 18% de seu PIB, empregando cerca de 50% da população ativa. A percentagem da população empregada no setor agrícola tem diminuído nos últimos anos, mas sua contribuição para o PIB tem aumentado. Os principais produtos agrícolas do país são o trigo, o painço, o arroz, o milho, a cana-de-açúcar, o chá, a batata e o algodão. A Índia é também o segundo produtor mundial de gado bovino, o terceiro de ovinos e o quarto em produção de peixe.

O carvão é a principal fonte de energia do país, a Índia é o terceiro produtor mundial de carvão. O setor têxtil exerce um papel predominante na industria manufatureira. A indústria química é o segundo setor industrial do país em termos de tamanho. O setor industrial emprega um quinto da população ativa e representa um pouco menos de um terço do PIB.

O setor de serviços é a parte mais dinâmica da economia indiana. Ele representa 52% do PIB e emprega pouco mais de um quarto da população ativa (471 milhões de trabalhadores). O rápido crescimento do setor de softwares tem impulsionado a exportação de serviços e modernizado a economia do país.


A Índia também esta na vanguarda no campo de pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para geração de energia solar, tendo realizado grandes investimentos neste setor, o que deverá em alguns anos ocasionar em uma guinada em sua capacidade energética, reduzindo a emissão de poluentes e reduzindo os custos na geração de energia.



Indicadores de crescimento20132014201520162017 *
PIB (bilhões de USD)1.863,212.042,562.073,002.250,992.457,75
PIB (crescimento anual em % constante)6,67,27,67,67,6
PIB per capita (USD)1.4791.6011.604e1.7191.852
Saldo do Balanço de Pagamentos (% do PIB)7,57,2-6,9-6,76,6
Dívida Pública( % PIB)68,068,369,168,567,2
Índice de inflação (%)9,45,94,95,55,2
Balanço das transações correntes (bilhões de Dólares)-32,26-26,79-22,09-31,97-49,19
Balanço das transações correntes (% PIB)-1,7-1,31,11,4-2,0
Fonte: IMF – World Economic Outlook Database ; CIA – The world factbook 2016
* Dado estimado

Diante de uma nova era nas relações internacionais, com uma notável redução nas capacidades de defesa dos EUA, que tem demonstrado a incapacidade de sustentar uma estrutura de defesa nos moldes que observamos há décadas, é notória a ascensão de outras nações, e dentre estas a Índia tem figurado como uma forte candidata á potencia mundial, assumindo uma maior importância e relevância nas relações internacionais não apenas no cenário regional, apesar de sua postura isolada em relação á conflitos ocorridos fora de suas fronteiras. Acreditamos que a Índia irá ascender em uma nova ordem mundial, que deverá ser encabeçada pela China.

GBN seu canal de informação e notícias

0 comentários:

Postar um comentário