sábado, 11 de março de 2017

Bilionário programa de fragatas francesas deve ser aprovado antes de eleições presidenciais na França

O ministro da Defesa francês, Jean-Yves Le Drian, deverá lançar em breve o bilionário programa de desenvolvimento da nova classe de fragatas francesas, que deverá chegar a casa dos 4 bilhões de dólares.Porém, o ministro corre contra o tempo, tentando aprovar o programa antes da eleição presidencial francesa. 

Um comitê ministerial deveria ter analisado hoje a proposta orçamentária do programa, que deverá aprovar a aquisição da nova fragata intermediária, porém uma alteração na agenda do ministro levou ao adiamento da reunião que irá definir o futuro do programa francês. 

O comitê deverá se reunir em breve, e segundo alguns analistas a aprovação do programa é dada como certa, o que irá permitir ao Ministério da Defesa buscar o financiamento junto ao Ministério da Economia e Finanças e posteriormente assinar os contratos com a indústria de defesa. O objetivo era iniciar esse processo administrativo antes da eleição presidencial, que será seguida pelas eleições gerais parlamentares em junho. 

O comitê de investimento também deve votar o programa de modernização das fragatas da classe La Fayette, que deverá acrescentar a capacidade anti-submarina à fragata. 

A DCNS, uma das gigantes do setor naval francês e a empresa de sistemas eletrônicos Thales poderão se beneficiar com programa de fragatas intermediárias, que visa a aquisição de cinco fragatas de 4.200 toneladas, com a primeira fragata da classe entregue em 2023. 

O novo programa irá beneficiar a indústria naval francesa, mas deixa a Marinha descontente, já que as encomendas da nova classe de fragatas foram reduzidas de 11 navios para apenas oito unidades, apesar do salto tecnológico no seu desenvolvimento que resultará em um navio mais capaz de executar diversas missões.

A encomenda de uma nova classe de fragatas na casa das 4 mil toneladas é vista como crucial para o sucesso nas exportações, pois o programa irá permite que a DCNS promova sua nova versão da fragata intermediária "Belh@rra", lançada com foco nos mercados estrangeiros. 

A DCNS diz que nomeou a fragata de "Belh@rra" "em referência à única onda gigante da Europa: a Belharra. O primeiro 'a' deu lugar ao @ em referência à natureza tecnológica altamente digital presente na nova fragata". 

A DCNS anunciou em 8 de março a abertura de um escritório em Bogotá, uma de suas estratégias para conquistar novos clientes, visando a presença na Colombiamar 2017, a feira naval que terá sua abertura em 15 de março estabelecida em Cartagena, na Colômbia. A DCNS apresentará a sua classe de corvetas "Gowind" e a fragata "Belh@rra", informou a empresa.

A Marinha  colombiana esta estudando a aquisição de quatro fragatas, que deverão se juntar à classe Padilla de fragatas leves, que passou recentemente por um programa de modernização executado pela DCNS em parceria com a Thales que ficou responsável por integrar os sistemas.

A DCNS provavelmente lançará uma versão específica de sua Classe Gowind para atender as necessidades da Colômbia, sendo uma dessas necessidades a adoção de um sistema de mísseis antiaéreos com alcance de 30 quilômetros, uma capacidade que excede o envelope dos Mica VL, que normalmente fazem parte da proposta francesa. 

O governo francês precisaria demonstrar flexibilidade para aprovar a instalação de uma arma estrangeira afim de atender as necessidades expostas pelos colombianos.

A DCNS tem buscado ser flexivel com relação aos seus projetos, como ocorreu no contrato australiano para o desenvolvimento de um novo submarino que será equipado com um sistema de gerenciamento de combate norte americano produzido pela Lockheed Martin. 

Uma nova fragata de 4.000 toneladas irá sanar uma lacuna existente na linha de produtos oferecidos pela DCNS, entre as corvetas de 2.000 toneladas e as fragatas FREEM de 6.000 toneladas. O que possibilitará a DCNS conquistar uma nova e importante fatia do mercado para fragatas leves.


GBN seu canal de informação e notícias
com agências

0 comentários:

Postar um comentário