sexta-feira, 10 de março de 2017

China deve fortalecer arsenal nuclear em resposta ao desdobramento do THAAD na Coréia do Sul



Um editorial do jornal estatal chinês Global Times diz que Washington deve "pagar o preço" pela implantação do sistema de defesa de mísseis THAAD na Coréia do Sul. A China deve ampliar seu arsenal nuclear e estreitar os laços com a Rússia em resposta, diz ele.
O artigo do jornal, que por muitos é visto como o porta-voz de Pequim, refere-se ao sistema THAAD que começou a chegar a Osan Air Base na Coreia do Sul esta semana. 


Ele diz que a China tem "mantido um perfil baixo" quando se trata de armamentos nucleares, e que seu número de ogivas nucleares é pequeno, mas isso poderia mudar agora em face da situação.


"Os Estados Unidos implantaram um sistema de defesa antimíssil bem na frente da China, e eles devem pagar por essa decisão", diz o editorial. "A China deve assegurar-se de que o desdobramento do THAAD esteja sendo feito em vão, reforçando sua própria dissuasão nuclear".

O autor diz que "a China tem amplos recursos financeiros para expandir seu arsenal nuclear". 

"No jogo entre a China e os Estados Unidos, não há apenas a mão do lado de Washington", continua o artigo. 

Ele observa que as sanções não são o caminho a seguir quando se trata dos EUA, dada a dimensão da sua economia. Ele também aponta que a Lockheed Martin, a fabricante americana de THAAD, não tem negócios na China, tornando impossível introduzir sanções contra a empresa. 

O artigo também pediu à China para formar uma aliança com a Rússia, um dos críticos da implantação do THAAD, para formar uma "sólida parceria contra o sistema de defesa antimísseis". Tal aliança "daria um novo golpe nos Estados Unidos", afirma o editorial.


O THAAD é um sistema avançado projetado para interceptar mísseis balísticos de curto e médio alcance durante sua fase de voo terminal. Equipado com radar de longo alcance, acredita-se ser capaz de interceptar mísseis balísticos de alcance intermediário da Coréia do Norte. 

A China tem há muito tempo se posicionado contra o sistema, que será baseado em um antigo campo de golfe perto de Seul, por temor de que isso minará as capacidades dos mísseis balísticos de Pequim. 

Pequim pediu que os EUA e a Coréia do Sul não prosseguissem com o acordo, com o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Geng Shuang, alertando no mês passado sobre as "conseqüências" caso o acordo avance. 

A China diz que o THAAD não ajudará a paz e a estabilidade na Península Coreana, um ponto de vista compartilhado por Moscou, que anteriormente pediu a Seul e Washington que considerem as tensões crescentes que inevitavelmente serão causadas por causa da implantação do sistema. 

Embora o editorial tenha afirmado que as sanções contra os EUA seriam uma medida ruim, Seul disse que Pequim implementou sanções não oficiais contra a Coréia do Sul, alegando que as autoridades disseram às agências de viagens para pararem de vender passagens ao país.


Apenas algumas semanas atrás, as autoridades chinesas também pararam a construção de um projeto imobiliário de vários bilhões de dólares, encomendado pela gigante sul-coreana Lotte. A empresa fechou um acordo de troca de terras com Seul em fevereiro, trocando o campo de golfe que será usado para hospedar o THAAD por uma parcela de terra de propriedade militar. 

Em dezembro, a China tomou a decisão de negar pedidos às companhias aéreas sul-coreanas para expandirem voos fretados, em um movimento que Seul diz ser uma retaliação "indireta" contra a implantação do sistema de mísseis. O ministro sul-coreano da Estratégia e Finanças Yoo Il-ho disse mais tarde que Pequim não tomou nenhuma medida de retaliação que mereça uma resposta oficial. 

A China também cancelou visitas de celebridades sul-coreanas na China em resposta ao acordo, com vários jornais pedindo boicotes de todos esses artistas na China. 

Enquanto isso, os EUA e a Coréia do Sul têm consistentemente sustentado que o THAAD é uma medida defensiva contra Pyongyang, acreditando ser uma medida capaz de interceptar os mísseis balísticos de alcance intermediário da Coréia do Norte. 

Funcionários sul-coreanos disseram que esperam que o sistema de mísseis THAAD esteja implantado e operacional este ano, com um oficial afirmando no mês passado que a implantação poderia ser concluída em agosto.

GBN seu canal de informações e notícias
com agências

0 comentários:

Postar um comentário