quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Turquia questiona presença da coalizão dos EUA na Base Aérea de Incirlik

As principais autoridades turcas questionaram o uso da Base Aérea de Incirlik pela coalizão liderada pelos EUA, citando uma "crise de confiança" com Washington e o apoio inadequado às forças terrestres da Turquia na Síria.
A coalizão liderada pelos Estados Unidos não faz muito para fornecer apoio aéreo às tropas turcas desdobradas na Síria como parte da Operação "Escudo do Eufrates ", disse o ministro turco dos Negócios Estrangeiros, Mevlut Cavusoglu, à agência de notícias estatal Anadolu.

"Nossos povos perguntam, 'porque estão usando a base de Incirlik. Nós permitimos não só o uso por aeronaves dos EUA, mas de outros países também a usar Incirlik para combater em conjunto o Estado Islâmico", disse ele.

"A que objetivo você está servindo, se você não fornecer suporte aéreo contra o Estado Islâmico na operação mais sensível para nós?", Acrescentou.

Embora o ministro chamou os EUA de "um aliado muito importante", ele enfatizou que não há "a realidade de uma crise de confiança no relacionamento no momento."

Atualmente, as tropas turcas e os combatentes rebeldes do Exército Sírio Livre (FSA) estão envolvidos em uma grande ofensiva terrestre para apoderar-se da cidade síria de al-Bab, hoje em poder do Estado Islâmico. Os combates na área intensificaram-se após o ataque terrorista á uma boate em Istambul, que foi reivindicada pelo EI.

Em sua declaração quarta-feira (4), Cavusoglu também acusou Washington de ajudar milícias curdas, considerados terroristas por Ankara. "Preferindo organizações terroristas ao seu aliado de longa data [Turquia]".

Seus comentários foram ecoados pelo ministro da Defesa turco Fikri Isik, que disse que a falta de apoio aéreo dos Estados Unidos para a operação da Turquia em al-Bab "levanta questões" sobre a presença americana em Incirlik.

"Esperamos que todas as forças da coalizão, principalmente os EUA, passem a dar o apoio aéreo e outros tipos de apoio que a Turquia precisa na operação "Escudo do Eufrates", um passo necessário que será tomado em breve", disse Isik a jornalistas em Ancara.

"Mas é instigante que, apesar de sermos aliados da OTAN há anos, e que uma coalizão tenha sido estabelecida para lutar contra o EI, e a coalizão não apoiar a operação "Escudo do Eufrates" lançada pelo Exército Sírio Livre e apoiada pelas forças armadas turcas ", acrescentou.

Enquanto isso, Ankara disse a Washington que não recebeu apoio suficiente em sua luta contra o EI, disse o porta-voz de Erdogan, Ibrahim Kalin, á imprensa nesta quinta-feira (5). O porta-voz acrescentou que ele tinha a sensação de que o presidente eleito Donald Trump iria prestar mais atenção a Turquia e suas "sensibilidades".

O vice-primeiro-ministro Veysi Kaynak disse à imprensa nesta quinta-feira (5) que a questão da Base Aérea de Incirlik estava na agenda do governo.

O coronel da Força Aérea dos EUA, John Dorrian, porta-voz da coalizão, disse em resposta às declarações turcas que quaisquer medidas para limitar ou proibir as operações aéreas em Incirlik resultariam em um resultado desastroso.

"O mundo inteiro tem sido feito mais seguro pelas operações que têm sido realizadas de lá", disse ele a repórteres em Bagdá na quarta-feira (4). "É uma base muito importante para a coalizão e para a luta em curso contra o EI."
Incirlik tem sido usado conjuntamente pelas forças aéreas turcas e americanas desde a Guerra Fria, além de ser um importante centro da OTAN na região. Acredita-se que armas nucleares táticas sejam armazenadas na base, alegação que o Pentágono sempre negou.

Em julho passado, a Turquia impôs uma ordem temporária de não permitir sobrevoos dos EUA fora de Incirlik por suspeitas de que a instalação fosse usada por rebeldes na tentativa do golpe militar contra o presidente turco, Erdogan.

As relações entre Ancara e Washington também foram prejudicadas pela relutância dos EUA em aprovar o pedido de extradição da Turquia para o clérigo muçulmano exilado Fethullah Gulen, que Erdogan acusa de fomentar a tentativa de golpe de julho.

GBN seu canal de informação e notícias
com agências

0 comentários:

Postar um comentário