quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Novo navio de reconhecimento chinês "igualado apenas pela Rússia e os EUA"

Logo depois que o secretário de Estado de Donald Trump, Rex Tillerson, criticou a atividade naval chinesa, os militares chineses revelaram um novo navio de vigilância eletrônica que revela suas capacidades de exploração marítima pela primeira vez.

O Exército Popular de Libertação desdobrou a nova embarcação, o CNS Kaiyangxing (também conhecido como Mizar), com a Frota do Mar do Norte em Qingdao, província de Shandong, informou o jornal China Daily na quarta-feira (11). De acordo com o relatório, o Kaiyangxing é tecnologicamente tão avançado que só a Rússia ou os Estados Unidos poderiam apresentar concorrentes viáveis.

Com uma velocidade máxima de 20 nós e um deslocamento de 6.000 toneladas, o Kaiyangxing é um navio de reconhecimento eletrônico tipo 815A, armado com três armas de pequeno calibre e sistemas de vigilância que podem monitorar vários alvos mesmo com condições climáticas adversas.

De acordo com uma fonte da indústria chinesa de construção naval, mais navios como o Kaiyangxing estão sendo construídos por causa do aumento das tensões geopolíticas sobre o Mar da China Meridional.

O PLA também revelou que agora tem seis navios: o Beijixing (Polaris), Tianwangxing (Urano), Tianlangxing (Sirius), Haiwangxing (Neptuno), Kaiyangxing (Mizar), e outro navio sem nome, conhecido apenas pelo seu código de casco 855. Estes navios realizam regularmente a vigilância dos navios japoneses e americanos nos mares do Sul e do Leste da China.

A China está envolvida em uma disputa territorial com cinco outros países: Malásia, Vietnã, Taiwan, Brunei e Filipinas, sobre o Mar da China Meridional, reivindicando a maior parte da via estratégica. Para alicerçar sua presença na região, Pequim tem construído várias bases em ilhas artificiais, onde imagens de satélite parecem mostrar que instalou armas antiaéreas e antimísseis. Essas ilhas artificiais foram condenadas pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o secretário de Estado, Rex Tillerson, que disse que a China não deveria ter acesso a elas.

"Teremos de enviar à China um sinal claro de que, primeiro, a construção de ilhas devve parar, segundo, o acesso a essas ilhas também não será permitido " , disse ele na quarta-feira (11). "Eles estão tomando território ou controle, ou declarando o controle de territórios que não são legitimamente da China".

Especialistas alertaram que, apesar de todo o poderio militar dos EUA e do apoio de aliados na região, tentar ativamente bloquear o acesso chinês ao Mar da China Meridional poderia arriscar um sério confronto.

O governo taiwanês foi recentemente alarmado quando o único porta-aviões comissionado da China, o Liaoning, passou pela zona de Taiwan perto de suas águas territoriais depois de realizar exercícios de treinamento no Mar da China Meridional, levando o Ministério da Defesa a mobilizar seus caças.

A China está agora construindo um segundo porta-aviões que terá aeronaves J-15 produzidos no país, possuindo um deslocamento de 50.000 toneladas.

GBN seu canal de informações e notícias
com agências

0 comentários:

Postar um comentário