quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Bebê morto em Mianmar provoca comoção internacional

A foto de um bebê morto nas margens de um rio em Mianmar provocou comoção internacional. A criança chamada Mohammed Shohayet, de 16 meses, aparece caída na lama, nas margens do rio Naf, na fronteira entre Mianmar e Bangladesh.
O menino da etnia Rohingya morreu após um naufrágio de uma embarcação na qual viajavam ainda seus pais, um irmão de três anos e um tio. Além do bebê, sua mãe, seu irmão e um tio morreram. Apenas seu pai, Zafor Alam, sobreviveu.

A família tentava fugir para Bangladesh por conta perseguição étnica em Mianmar. Essa etnia muçulmana é uma das minorias mais perseguidas do mundo, e o governo birmanês considera os rohingyas como imigrantes ilegais.
Desde outubro, 50 mil muçulmanos rohingyas fugiram de Mianmar escapando de uma operação do exército birmanês lançada em resposta ao ataque de postos fronteiriços desta região por grupos de homens armados.
Ao chegar a Bangladesh, estes refugiados descreveram terríveis atrocidades cometidas contra eles pelo exército, de estupros coletivos a torturas e assassinatos.
Até agora, o governo de Mianmar havia negado estas alegações considerando que a situação estava "sob controle" e pedindo à comunidade internacional que parasse de alimentar "o fogo do ressentimento".
O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad Al Hussein, classificou em dezembro a reação do governo birmanês de "contraproducente e insensível".

Aylan

A morte de Mohammed Shohayet trouxe à tona comparações com a tragédia do menino sírio Aylan Kurdi, de três anos, que foi encontrado morto após um naufrágio em uma praia turca em 2015 e levantou debate sobre crise migratória na Europa.
A foto de Aylan virou símbolo da crise migratória que matou milhares de pessoas do Oriente Médio e da África que tentam chegar à Europa para escapar de guerras, de perseguições e da pobreza.
Na época, a foto virou um dos assuntos mais comentados no Twitter e diversos veículos da imprensa internacional o destacaram como emblemática da gravidade da situação, até mesmo com potencial para ser um divisor de águas na política europeia para os imigrantes.

Fonte: G1 notícias

Nota do GBN: Até quando vamos perder a vida de crianças inocentes pela estupidez de adultos que são incapazes de conviver e respeitar o seu próximo? Até quando guerras e conflitos irão trazer imagens como essas? Até quando vamos chorar e lamentar perdas de vidas que ainda estão começando?

Eu sinceramente me pergunto como homem, pai de família e estudioso de assuntos geopolíticos, até onde a humanidade vai chegar? 

Até onde a intolerância religiosa, a intolerância racial e toda forma de intolerância irá continuar ceifando vidas? 

Não digo só lá fora, como esse caso trágico em Mianmar, falo também aqui em nosso Brasil, onde milhares de inocentes morrem não em uma guerra ou conflito étnico, mas morrem pela safadeza de políticos corruptos e incompetentes que não oferecem ao nosso povo as condições mínimas que se requer para um cidadão ter um mínimo de dignidade, onde a criminalidade assombra, enquanto partidinhos de esquerda e os ditos "direita" se digladiam enquanto nosso povo perece nas filas de hospitais que não possuem o minimo de infraestrutura, onde não se tem segurança nas ruas, onde o narcotráfico toca o terror, onde o policial é morto covardemente...

Onde vamos parar??? Me pergunto sempre, lá fora o mundo esta em uma guerra contra o terrorismo que foi criado pelas próprias potências que hoje sofrem com seus ataques, onde vemos pessoas inocentes sendo massacradas por radicais que se dizem muçulmanos, mas que ignoram o que ensina sua própria religião, a mesma pela qual dizem matar nesta guerra nada santa.

Neste ano de 2017 espero que venhamos a ter boas notícias, venhamos a apreciar belas imagens e não ter que nos deparar com imagens chocantes e tão duras como esta que acabo de ver estampando diversas manchetes, imagem e notícia que não gostaria de estar publicando aqui no GBN, mas que é preciso, pois é preciso que haja reflexão, que haja um pouco de estimulo á mudança, e infelizmente a dor causada por imagens como essa podem ajudar nesse processo de conscientização. 

Pense e reflita sobre o mundo que você realmente quer, e faça sua parte, pois a mudança que esperamos no mundo deve partir inicialmente de dentro de cada um de nós, espero estar fazendo a minha parte, e você?

Angelo Nicolaci - Editor do GBN e Jornalista

0 comentários:

Postar um comentário