quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Israel anuncia que irá usar força total em futuros conflitos

O ministro da Defesa israelense, Avigdor Lieberman, disse que o exército israelense não vai parar, usando força total para derrotar o inimigo em conflitos futuros, e eles não vão cessar até que o adversário "acene com uma bandeira branca". Ele também advertiu quanto a tentativas de terceiros de se intrometer nos assuntos israelenses.
Lieberman, líder do partido nacionalista Yisrael Beiteinu e aliado de longa data do presidente israelense Benjamin Netanyahu, disse que as Forças de Defesa de Israel (IDF) irão lutar com toda força até o fim e não irão se contentar com meias-medidas.
"Não importa onde o próximo conflito surja, Israel tem que estar em plena força", Lieberman disse. "Você recruta todo o exército, todas as reservas; Você usa força total até o fim, até que o outro lado levanta uma bandeira branca. Nós não paramos no meio."

"Se um quarto da Faixa é necessário, então nós ocupamos um quarto da Faixa. Se mais, então mais " , disse ele, de acordo com Haaretz.

O ministro da Defesa, conhecido por suas opiniões e apoio a atividade de assentamentos, criticou a comunidade internacional, incluindo os EUA, a Rússia e especialmente a UE por suas tentativas de desempenhar um papel intermediário na disputa entre Israel e Palestinos.

Lieberman argumentou que esses esforços são em vão, pois, além de não compreender a essência deste conflito em particular, "suas raízes e como ela se desenvolve", o mundo está fracassando na mediação, listando Kosovo, Chipre, Bósnia, Iraque, Afeganistão, Entre outros, como exemplos.

"O envolvimento excessivo das potências mundiais, especialmente a Europa, está apenas perturbando. Eles não contribuem com nada para a solução do problema, eles só complicam as coisas " , disse ele, como citado pelo The Times de Israel, ao mesmo tempo aconselha:..."quem quer ajudar a resolver o conflito, é o primeiro a esquecê-lo".

"Depois de ter conseguido êxito em algum lugar vocês pode vir e nos ensinar" , disse ele, acrescentando que a Europa não está em posição de dar palestra, como ela mesma "procurando direção, enquanto esta desmoronando".

Ao mesmo tempo em que rejeita a mediação ocidental em termos bastante contundentes, Lieberman admitiu que um acordo israelense-palestino não pode ser alcançado unicamente pelos esforços dos dois lados opostos.

"O caminho para um acordo com os palestinos não é em termos bilaterais, mas sim em um acordo regional" , disse ele, citado pelo The Algemeiner, referindo-se aos "estados pragmáticos sunitas" da região, sem elaborar mais.

Na terça-feira (24), Netanyahu, juntamente com Lieberman, autorizou a construção de outras 2.500 habitações na Cisjordânia ocupada. Cerca de 100 das casas projetadas estão programadas para serem construídas na cidade de Beit El. Este acordo alegadamente recebeu fundos da família do genro do presidente dos EUA, Donald Trump, Jared Kushner entre 2010 e 2014. Kushner é agora conselheiro sênior do presidente.

Lieberman, no entanto, negou qualquer ligação com Trump na decisão do governo israelense de prosseguir com a expansão dos assentamentos. 

"Não há nada de novo nisso. Nós sempre construímos, inclusive sob a administração Obama " , disse ele , acrescentando que a maioria das casas será construída dentro dos blocos de assentamentos existentes.


GBN - Seu canal de informação e notícias
com agências

0 comentários:

Postar um comentário