terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Chegada de F-35I "Adir" mudará conceitos da Força Aérea de Israel

Quase uma década de planejamento precedeu a entrega programada desta segunda-feira (12) dos primeiros F-35I "Adir" (do hebraico Magnífico / Impressionante) para a Força Aérea de Israel (IAF), mas uma vez que eles tocam na base desértica de Nevatim, outro processo começará, com vastas implicações sobre como Israel irá projetar seu poder aéreo próximo e longe de casa.

A partir de uma estratégia que a IAF usará no emprego da aeronave de quinta geração "Adir" que será apoiada pelas veteranas aeronaves de quarta geração de caças F-16I, criando uma estratégia de atuação conjunta, tendo inicio agora o treinamento dessa nova estratégia que mantém sua força combinada, o novo F-35I vai conduzir significativas mudanças nas capacidades e estratégias de emprego ao longo da força aérea mais poderosa do Oriente Médio.

"A IAF precisa se adaptar a operação da nova aeronave de quinta geração, e não vice-versa", disse um oficial geral da Força Aérea da IAF.

"Precisamos olhar para todos os nossos conceitos existentes e reavaliá-los como resultado desta capacidade. Nós faremos perguntas que nunca fizemos antes, porque estamos acostumados a treinar, operar e apoiar de acordo com conceitos de quarta geração ".

A partir do "Dia 1" da chegada do "Adir", os novos caças serão colocados junto com um esquadrão de escolta composto por caças F-16I para permitir que o serviço determine tudo o que precisa para a integração perfeita de sua força de combate de linha de frente.

"Precisamos dessa equipe no dia 1 para viver juntos, treinar juntos e aprender tudo o que precisam para falar a mesma língua", disse o oficial.

"Definimos a missão da equipe como escolta, o "Adir" irá liderar o caminho para juntar elementos de quarta e quinta geração da nossa força", disse ele.

"Claro, este esquadrão de F-16I terá outras missões. Não é uma equipe dedicada no mais puro sentido, já que não temos o luxo de um esquadrão independente. Mas sua missão é clara: com a rapidez e inteligência necessárias, precisamos criar uma força verdadeiramente integrada de aeronaves de quarta e quinta geração ".
  
Como exemplo de "se recusar a ficar presos a conceitos antigos", o oficial citou as distâncias em que os combatentes da IAF atualmente voam em formação operacional; Distâncias agora determinadas pelo contato visual.

"Não devemos estar usando este plano em alcance visual. Então é provável que nós passemos a voar diferente na formação ", disse ele.

A composição dos pacotes também irá mudar, uma vez que as capacidades furtivas do F-35I devem diminuir a necessidade em muitos cenários de combate para apoio reforçado e aeronaves de missão especial.

Tudo isso, enfatiza, é baseado na habilidade de Israel de integrar seu próprio sistema de comunicação produzido pela estatal Israel Aerospace Industries (IAI) e capacidades de guerra eletrônica Elisra da Elbit na nova aeronave "Adir".

"Neste ponto, ainda é teórico. Os F-35 que chegam aqui são aeronaves básicas. Precisamos integrar todas essas capacidades para ter auto suficiência com as comunicações e a guerra eletrônica. Isto é crucial para que possamos permitir a conexão em rede com nossa força de quarta geração.

"Caso contrário, se o F-35 estiver desligado do resto de nossa força, não tem significado em termos de operações em rede com toda a força", acrescentou.

Em termos de manutenção, o oficial observou que o novo F-35I vem com seu próprio simulador para técnicos; Algo que o serviço pode tentar replicar para caças de quarta geração.

"Antes, quando pensávamos em simuladores, pensávamos em treinamento de pilotos. Mas agora há um simulador para técnicos, e podemos querer isso para nossos aviões de quarta geração ", disse ele.

E, ao contrário de outros membros do programa F-35 Joint Strike Fighter, onde a manutenção em nível de hangar será realizada em hangares específicos do fabricante, Israel tem trabalhado com o governo dos EUA e a Lockheed Martin para garantir que nenhum avião F-35I jamais deixará o país.

"A intenção é que a plataforma permaneça aqui. Isso é óbvio, devido à nossa clara e convincente necessidade de auto suficiência ", disse o oficial geral.

"Claro, alguns elementos talvez precisemos enviar para outro lugar para corrigir. Mas na maioria dos casos, devemos ser capazes de substituí-los pelo que está na prateleira ... O importante é que não vamos enviar aviões para fora do país. "

Ele observou que, como os aviões são novos, a manutenção em nível de hangar não deve ser relevante durante anos, talvez mais de uma década, uma vez que os fabricantes anunciaram a vida útil em cerca de 50 anos. Mas uma vez que se torne relevante, Israel espera ter posto em prática um processo pelo qual o trabalho a nível de hangar será feito no país.

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Ash Carter, outros altos funcionários dos EUA e um quadro de executivos da Lockheed Martin participaram das cerimônias de aceitação do F-35I "Adir" em Nevatim.

Em uma declaração de 11 de dezembro destacando o significado ao nome escolhido para o F-35I "Adir" ("impressionante / magnífico"), o ministro da Defesa israelense Avigdor Liberman elogiou Ash Carter pela contribuição à segurança israelense.

"É um ato simbólico que o mandato de Carter como Secretário de Defesa que está terminando com a chegada do "Adir" a Israel ... porque, como a aeronave, a contribuição de Carter para a segurança de Israel foi, na verdade, impressionante".


GBN seu canal de informação e notícias
com agências

0 comentários:

Postar um comentário