quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

C-23B - O "novo" valente da selva brasileira

Ontem nós publicamos o anúncio da aquisição por parte do Exército Brasileiro de um lote inicial de quatro aeronaves C-23B Sherpa, com fins de avaliar a operação das mesmas, precedendo uma aquisição posterior de mais sete aeronaves, totalizando 11 aeronaves selecionadas pela equipe brasileira que inspecionou e avaliou o estado das aeronaves concedendo o aval para sua aquisição.

Muito se comentou e perguntou sobre esta "nova" aeronave que irá operar nos céus brasileiros sob o cocar da Aviação do Exército Brasileiro, que a partir de agora retoma a operação de aeronaves de asa fixa, preenchendo uma importante lacuna em sua capacidade logística, principalmente na região amazônica e fronteiriça do nosso território.

Muitos de nossos leitores questionaram a idade das aeronaves, devido a possuírem idade média aproximada aos vinte anos, ponto este que deve ser analisado com critério, lembrando que as 11 células selecionadas pela equipe de avaliação brasileira, são oriundas das 16 células desativadas do US Army National Guard, possuindo pouquíssimas horas de voo, a exemplo das viaturas recentemente recebidas pelo EB sob doação dos EUA que foi por muitos criticada, onde tais viaturas exibiam estado excelente e pouquíssimos quilômetros rodados e mesmo horas de operação. Logo podemos concluir que tais aeronaves selecionadas apresentam ótimo estado de conservação, o que garantirá uma longa vida operacional no Brasil. Ainda não obtivemos dados de horas/voo de tais exemplares, mas acredita-se que seja muito poucas.

Outro ponto levantado por nossos leitores é o porque de adquirir uma aeronave nos EUA ao invés de adquirir uma aeronave nacional do tipo EMB-110 "Bandeirante", esse ponto é bem simples caros leitores, a aeronave em questão possui características superiores aos nossos "Bandeirantes" no que diz respeito ao seu pacote operacional, possuindo capacidade superior no transporte de tropas, podendo levar até 30 homens equipados, contra 21 no "Bandeirante", ainda sobre suas capacidades o C-23B pode levar o dobro da carga de um "Bandeirante. O C-23B possui rampa traseira, o que agiliza consideravelmente o embarque e descarga de tropas e volumes de carga, além de possibilitar o lançamento de paraquedistas, função a qual desempenha com louvor.

Um dos pontos fortes na escolha do C-23B pelo EB é sua imensa flexibilidade operacional, permitindo sua operação á qualquer tempo e em qualquer lugar, seja em pistas preparadas ou não, capaz de realizar pousos e decolagens em pistas curtas comuns no cenário operacional amazônico e fronteiriço brasileiro. Necessitando de pouca estrutura de apoio, aliado á um grande alcance operacional.

E o ponto que considero de grande valia ao se adquirir essa "nova" aeronave, sua robustez, simplicidade e sua motorização, pois trata-se de um aeronave que esta motorizada com dois Pratt & Whitney Canada PT6A­65AR com 1.425 HP, um veterano no Brasil no qual possuímos extensa experiência em sua manutenção, como facilidades para sua manutenção,algo que irá conferir custos baixos em sua operação com o Exército Brasileiro e um número reduzido de horas em manutenção.

Diferente do que muitos pensam, o C-23B Sherpa é uma excelente aquisição e que virá a somar muito as capacidades de operações logisticas e de assistência á regiões remotas pelo nosso exército, fazendo prevalecer o lema: "Exército Brasileiro, braço forte, mão amiga".

Características gerais

  • Tripulação: três (dois pilotos além de engenheiro de voo)
  • Capacidade: 18-30 passageiros
  • Comprimento: 17,7 m
  • Envergadura : 22,8 m
  • Altura: 5,0 m
  • Área da asa: 42,4 m²
  • Peso vazio : 7,276 kg
  • Max. peso de decolagem : 11,610 kg
  • Motores: 2 × Pratt & Whitney Canada PT6 A-65AR turboélice , 1.424 shp  cada
Desempenho
  • Velocidade máxima : 468 km/h
  • Velocidade de cruzeiro : 422 km/h
  • Raio de Ação: 1.907 Km
  • Teto de serviço : 28.000 pés (5.303 m)


GBN seu canal de informações e notícias

3 comentários:

Reportagem já foi desmentida pelo comando do exército

Realmente houve uma falha em nossa fonte, porém é valido conhecer as características da aeronave.

Postar um comentário