sexta-feira, 1 de março de 2019

Visão Noturna - O sucesso da missão e a tecnologia


A tecnologia e o treinamento são fundamentais em qualquer campo, porém, na atividade militar o binômio tecnologia/treinamento são fundamentais para o sucesso de suas atribuições, seja em operações das forças armadas ou em forças de segurança pública. Existem tecnologias que tem se mostrado fundamentais, este é o caso dos sistemas de visão noturna, os famosos “OVN” (Óculos de Visão Noturna, em inglês “Night Vision Goggles”), seja operando aeronaves militares ou de forças de segurança pública, tal sistema tem mostrado seu grande valor no dia a dia, sendo um verdadeiro fiel na balança.

Este foi o caso que envolveu a recente ocorrência realizada no último dia 22 de fevereiro, uma sexta-feira, onde o sucesso da operação de resgate realizada pelo COMAVE da Policia Militar de Minas Gerais, se deveu a este importante binômio, tecnologia/treinamento, empregando aeronaves equipadas com sistemas especiais para operação noturna e “OVN”.

Tudo começou com um passeio realizado por um grupo de quatro estudantes da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) ao Pico de Itacolomi, na região central de Minas, que terminou de maneira dramática, onde os quatro jovens se perderam ao tentar retornar do passeio por uma trilha alternativa, ao se dar conta que estavam perdidos, a jovem Naihara Cruz e Silva, conseguiu através de seu celular pedir socorro aos bombeiros, a estudante conseguiu enviar sua localização pelo Whatsapp por volta das 18hrs.

Diante do cenário dramático, pois já estava escurecendo e se aproximava uma tempestade da região, a equipe do Corpo de Bombeiros imediatamente solicitou apoio a Polícia Militar, tendo em vista que não teriam condições e meios para realizar resgate noturno naquela região. Logo foi acionado o COMAVE, que assim que recebeu o informe deslocou uma aeronave para atuar nesta operação de resgate, o Pégasus 14, um Esquilo AS350B3, matrícula PP-MMG, o qual está equipado e homologado para operação empregando o sistema de visão noturna fornecido pela Quartzo Engenharia de Defesa, empresa brasileira líder em soluções e treinamentos, contando com um vasto leque de soluções no campo militar, segurança pública e civil.

Assim que assumiu o turno de Serviço na Sede do COMAVE, a guarnição aérea do Pégasus 14 recebeu o chamado oriundo do Corpo de Bombeiros da cidade de Ouro Preto afirmando que havia quatro pessoas perdidas na mata passando dificuldades, e que a aeronave do Corpo de Bombeiros não decolaria devido ao cenário de operação noturna.

A Guarnição do Pégasus 14 realizou o Briefing com toda a tripulação para decidir a melhor linha de ação. Este ocorreu em dois momentos:

O primeiro antes de decolar do Aeroporto da Pampulha em Belo Horizonte para a cidade de Ouro Preto. Onde fora traçado o planejamento e colocado os óculos de Visão Noturna (OVN) no bagageiro do helicóptero que decolou e após 20min. Já estava sobre Ouro Preto.

Mas ao chegar à mata que os jovens estavam perdidos quase anoitecendo, foi realizado um sobrevoo na área tentando localizá-los, quando a baixa luminosidade impediu que o voo continuasse com segurança.

Após esta primeira verificação da situação já sobrevoando o local em Ouro Preto, decidiu-se preparar e equipar toda a tripulação com os OVN, pois voar no breu é uma operação de alto risco e requer muito preparo, treinamento e dedicação.  E, claro, equipamentos adequados. Sem isso, o resultado esperado é um acidente.

Além do escuro, era região cujos obstáculos não eram conhecidos. O que exigiu mais cautela para permitir realizar o reconhecimento do terreno antes de ir avançando, sendo um local alto e com vento forte.

Tudo isso foi levado em consideração no segundo Briefing o que garantiu a segurança e o sucesso da operação, onde foi decidido que seria feito um pouso para configuração dos Óculos de Visão Noturna.

Retornando ao local, após intensa busca e monitoramento de obstáculos os quatro estudantes foram localizados, no entanto a aproximação para extração das vítimas foi dificultada devido o relevo íngreme do terreno, o vento forte, a existência de pedras e arvores altas e a falta de luminosidade. Após a localização e as condições descritas, foi necessário um pouso para diminuir o peso da aeronave antes de resgatá-los.

Com o emprego de técnicas apuradas, o envolvimento profissional da tripulação, pautados na segurança de voo, a guarnição aérea decidiu por fazer a aproximação até uma pedra, e embarcar dois estudantes de cada vez. Feito dessa forma, os quatro foram resgatados e desembarcados em um campo de futebol. Dois de cada vez.

Desde o acionamento do resgate, até a conclusão da operação, demandaram-se duas horas, tendo sido de suma importância para o sucesso da operação o emprego dos equipamentos de visão noturna.


O GBN News realizou uma breve entrevista com Major Leonardo que fez parte da equipe do Pégasus 14:

GBN News: Quanto tempo desde o acionamento até a chegada do Pégasus 14 ao local de buscas?

COMAVE-PMMG: O acionamento ocorreu no início do turno de Serviço ás 18h. Uma ocorrência gerada no Bombeiro, mas que não teria condições e equipamentos para atuar após o pôr do sol. Em vinte minutos já estávamos sobrevoando Ouro Preto, e ás 20h já estavam todos em segurança.

GBN News: Quais os preparativos que são realizados antes deste tipo de missão?

COMAVE-PMMG: O Briefing com toda a tripulação para decidir a melhor linha de ação. Este ocorreu em dois momentos:

1- Antes de decolar do Aeroporto da Pampulha em Belo Horizonte para a cidade de Ouro Preto.

2- Após a primeira verificação da situação já sobrevoando o local em Ouro Preto, preparando e equipando toda a tripulação com os OVN.

GBN News: Quais os desafios encontrados pela equipe nesta ocorrência?

COMAVE-PMMG: Além do escuro, era uma região cujos obstáculos não eram conhecidos. O que exigiu mais cautela para permitir ir reconhecendo o terreno antes de ir avançando, sendo local alto e ventando, fatores dificultantes para esta missão.

GBN News: Qual importância do treinamento e preparo da equipe para atuar com OVN?

COMAVE-PMMG: Voar no breu é operação de alto risco e requer muito preparo, treinamento e dedicação.  E, claro, equipamentos adequados.

Sem isso, o resultado esperado é a morte. Tudo isso levado em consideração no segundo Briefing o que garantiu a segurança e o sucesso da operação.

É exigido Treinamento continuado e constante. Somente opera após atingir as marcas previstas nos treinamentos. Essa é uma Doutrina consolidada na Unidade.

GBN News: Como é o treinamento dos pilotos e demais membros da equipe?

COMAVE-PMMG: Aulas teóricas e práticas. Exigência de alcançar as marcas estabelecidas na doutrina, em horas voadas e horas aulas, antes de poder operar em missões reais.

GBN News: Como foi a implantação do OVN no COMAVE e quais principais ganhos em capacidades?

COMAVE-PMMG:  Foi realizado muito estudo antes para forjar uma doutrina segura.

Seguindo os passos de Gigantes como o Exército Brasileiro, a Força Aérea Brasileira ... estudamos todos, estrangeiros também. Tivemos aulas com um experiente piloto norte americano, Kim Harris e o apoio do Cmdt Carlos Cano da Quartzo.

A parte prática teve início em maio de 2014, e foi evoluindo até as missões bem-sucedidas sem nenhum acidente.

GBN News: Para finalizar, como é fazer parte desta área tão importante dentro da PMMG?

COMAVE-PMMG:  Esse é o nosso trabalho. É a nossa vida! Arriscar a nossa para salvar a dos outros, somos militares! Somos Policiais Militares!

“Esquadrilha Pégasus  - A ajuda que vem do céu!, 32 anos salvando vidas e protegendo a sociedade!”


O COMAVE:

O COMAVE hoje conta com 17 aeronaves entre Helicópteros Esquilo e Aviões Kingair e Cessna 210 e 182, sendo responsável por um vasto leque de missões, como: Radio-patrulhamento Aéreo, Socorro e resgate, Combate à incêndio florestal, Fiscalização de trânsito e ambiental, Traslado de Tropa e Traslado de Órgãos Vitais.


Óculos de Visão Noturna:

O sistema de visão noturna se mostra imprescindível nos dias atuais, quer seja no campo militar, como no de segurança pública, e diante deste fato, procuramos o Comte Carlos Alberto Cano, que operou por muitos anos com asas rotativas na Marinha do Brasil e hoje faz parte da diretoria da Quartzo Engenharia de Defesa, umas das empresas líderes do mercado brasileiro em soluções e treinamento, que nos explicará um pouco de sua experiência neste campo e a importância que se faz do emprego desta tecnologia no setor de segurança pública.

GBN News: "hoje vemos vários exemplos da importância do emprego de novas tecnologias no setor de segurança pública, com vários exemplos de sistemas inicialmente pensados para o emprego militar, e hoje tem mostrado seu valor no campo de segurança pública, como o que ocorrido em Minas Gerais no último dia 22 de fevereiro, o qual só teve um final bem sucedido graças ao adestramento da equipe Pégasus e o emprego de OVN. O que o senhor pode nos falar sobre esta questão?

Comte. Carlos Alberto Cano: É sempre importante as Forças Policiais terem equipamentos de ponta e treinamento adequado. Não podemos abrir mão hoje de termos nossas polícias com equipamentos de última geração. Seja para prestar apoio à população, como no resgate em Ouro Preto, assim como no combate a criminalidade.

Neste caso específico, os equipamentos de visão noturna aumentam e muito a capacidade operacional dos operadores. 


GBN News: O sistema de visão noturna pode ser empregado em quais tipos de situação?


Comte. Carlos Alberto Cano: O equipamento de visão noturna aumenta a capacidade operacional da tripulação, mas os requisitos de segurança devem ser obedecidos da mesma forma, ou seja, os operadores voam a noite cumprindo as regras de tráfego aéreo. Sua capacidade de visualização é ampliada o que permite que os pilotos operem com praticamente zero de visibilidade quando equipados com OVN. Para você ter uma idéia, os 'OVN' ampliam a luz residual em mais de 40.000 vezes!


GBN News: A Quartzo é hoje um dos líderes no mercado nacional, como o senhor avalia o mercado para este tipo de tecnologia pelas forças de segurança?



Comte. Carlos Alberto Cano: Nós temos diversos STC (Certificado Suplementar de Tipo) para diversos modelos de aeronaves, o que nos coloca em uma posição vantajosa quando comparado com outras empresas que não os possuem. A tendência no Brasil hoje é que as Forças Policias que operam aeronaves, venham a adquirir essa capacitação, permitindo assim que ampliem sua capacidade operacional.

O STC (ou CST em Português) – Certificado Suplementar de Tipo, é a autorização para modificar o Sistema de Iluminação de uma aeronave para que ela seja operada com sua tripulação equipada com OVN.


Nós fizemos esse serviço para a PMMG, e estamos conversando com diversas outras policias que possuem interesse em operar com esses equipamentos. Eu diria que isso é uma tendência, aumentando e muito a capacidade operacional da aviação paramilitar. 

GBN News:Além da PMMG, quais outras forças contam com sistemas OVN fornecidos pela Quartzo e quais a características destes sistemas?

Comte. Carlos Alberto Cano: Hoje somente a PMMG, mas diversas outras policias já manifestaram interesse em adquirir essa capacitação.

GBN News:Estamos a beira da maior feira de segurança e defesa da América Latina, a já LAAD, a Quartzo estará entre os expositores, o que podemos esperar de novidades este ano?

Comte. Carlos Alberto Cano: A Quartzo estará presente no Pavilhão 4, stand P90. Será um prazer receber os amigos para conhecer de perto nossos equipamentos.


E breve o GBN News vai lançar uma série de matérias sobre alguns dos equipamentos que surgiram da necessidade de defesa e que hoje tem emprego dual.


GBN News - A informação começa aqui
Share this article :

2 comentários:

  1. Parabéns pela matéria, informa muito bem a notícia do resgate aos equipamentos, além das entrevistas.

    ResponderExcluir

 

GBN News - GeoPolítica Brasil Copyright © 2012 Template Designed by BTDesigner · Powered by Blogger