quarta-feira, 13 de março de 2019

Comandante Italiano abre o verbo sobre programa F-35

O comandante da Força Aérea Italiana lançou um ataque extraordinariamente direto contra a posição do governo italiano quanto ao programa F-35, e afirmou que deve à Lockheed Martin 439 milhões de dólares por aeronaves entregues.
O general Alberto Rosso disse ao Parlamento italiano nesta terça-feira (12) que se sentia "fortemente preocupado com a incerteza" que afeta o programa F-35 na Itália e a eventual hipótese de corte nos números ou de lotes.
"Qualquer alternativa ao F-35 seria certamente uma aeronave mais antiga, ultrapassada, menos eficiente e mais cara", disse ele em uma sessão conjunta dos comitês de defesa da Câmara dos Deputados e do Senado.
O discurso de Rosso seguiu meses de ambivalência sobre o F-35 no governo de coalizão populista da Itália, que tomou posse no ano passado.
Uma das partes que compõem a coalizão, a Five Star, prometeu contrariar o plano italiano de encomendar 90 aeronaves para a Força Aérea e a Marinha, mas desde que assumiu o cargo o ministro da Defesa do novo governo - que foi indicado pelo Five Star - ficou com o programa preso.
A ministra, Elisabetta Trenta, falou em desacelerar e rever o programa, enquanto o governo não confirmou o número final de aeronaves que quer comprar.
Por outro lado, um ministro júnior da Defesa, Angelo Tofalo, que também é membro do Five Star, elogiou o programa em dezembro.
O general Rosso disse estar "preocupado" com o programa, que ele chamou de "o futuro da Força Aérea Italiana".
“Reduções nos números são extremamente preocupantes para a capacidade operacional, para a indústria nacional e os benefícios econômicos que o programa trazem”, disse ele.
Ele também confirmou a imprensa italiana nesta semana que a Itália está atrasada com os pagamentos à Lockheed Martin, com 389 milhões de Euros em ainda a serem pagas desde 2018.
A Itália está prestes a receber o seu 12º F-35, tem 25 pilotos treinados e declarou capacidade operacional inicial em novembro.
As empresas italianas também estão esperando pelo dinheiro disponibilizado pelo novo governo para programas de defesa, disse uma fonte italiana. O dinheiro que deveria ser liberado pelo ministério de desenvolvimento econômico do país até o final de janeiro para cobrir as despesas de 2019 ainda não foi alocado, disse a fonte.
Dirigindo-se às comissões parlamentares, Rosso aproveitou a oportunidade para dizer aos parlamentares que ele apoiou os planos de gastos de defesa de seis anos que foram promovidos pelo recente livro branco de defesa, mas ainda não foram introduzidos por lei.
Os atuais orçamentos de um ano estavam impedindo as forças armadas de assinar contratos logísticos mais eficientes e plurianuais com a indústria, disse ele.
Ele também pediu ajuda para a Piaggio Aerospace, com sede na Itália, que foi colocada em concordata no ano passado por seu então proprietário, o fundo de investimentos dos Emirados Árabes Unidos, Mubadala, que também cancelou um pedido de drones da empresa.
Observadores sugeriram que Mubadala estava farto de esperar por uma encomenda prometida pela Força Aérea Italiana por drones da empresa - um atraso atribuído ao parlamento italiano.
Rosso disse que o gigante de defesa italiano, controlado pelo governo, Leonardo, precisa intervir para ajudar a administrar a Piaggio Aerospace, que atualmente está sendo administrada por um administrador nomeado pelo governo italiano.
A Leonardo, ele disse, precisava ser "puxada pelas orelhas" para ajudar a empresa a sobreviver.

GBN News - A informação começa aqui
com agências
Share this article :

0 comentários:

Postar um comentário

 

GBN News - GeoPolítica Brasil Copyright © 2012 Template Designed by BTDesigner · Powered by Blogger