terça-feira, 3 de abril de 2018

'Nosso sonho é mais forte do que nunca': 36 anos depois da Guerra das Malvinas, Argentina promete recuperar ilhas

Enquanto a Argentina se lembrava das vidas perdidas durante a brutal Guerra das Malvinas, em 1982, com o Reino Unido, seu presidente prometeu manter o esforço para recuperar as ilhas. Mas o conflito data de antes de 1982.

Localizadas a quase 13.000 km da costa britânica e a 1.500 km da Argentina, as Ilhas Falkland, também conhecidas como "Las Malvinas", são objeto de uma disputa de soberania de 200 anos. Seu capítulo mais sangrento veio em 1982, quando 900 pessoas morreram em uma guerra para decidir a posse das ilhas, que eram habitadas por menos de 2.000 pessoas na época.

Exatamente 36 anos depois, a disputa está longe de terminar. "Nosso sonho é mais forte do que nunca, continuaremos a reivindicar o que acreditamos ser legítimo, e isso é soberania sobre as Ilhas", disse o presidente argentino, Mauricio Macri, no Dia do Veterano da Guerra das Malvinas, feriado nacional comemorativo as vidas que a Argentina perdeu na breve guerra.

O conflito das Malvinas em 1982 surgiu quando a Argentina tentou reforçar sua reivindicação de soberania sobre as Malvinas com força militar e enviou uma força-tarefa naval para as ilhas. O Reino Unido despachou seus próprios navios de guerra, submarinos e força aérea. A contra-operação britânica foi inicialmente considerada uma causa quase perdida, tanto que a CIA planejava apoiar a reivindicação argentina e transportar os britânicos expulsos das ilhas para a Escócia.

Depois de uma guerra selvagem de dois meses que custou 649 vidas de argentinos e 255 britânicos, no entanto, os argentinos recuaram e abandonaram o controle das Malvinas, mas não sua reivindicação histórica para as ilhas.

O Presidente Macri estava falando com parentes de cerca de 90 militares, que só recentemente se identificaram por meio de testes de DNA. Até agora, seus túmulos estavam marcados apenas com placas que diziam "Soldado argentino, conhecido apenas por Deus"

A identificação foi possível graças a um acordo entre a Argentina e o Reino Unido, uma demonstração rara de boa diplomacia em meio a um cabo-de-guerra histórico que vem acontecendo desde o início do século XIX. Naquela época, uma nascente Argentina reivindicou soberania sobre as Malvinas em virtude de sua recém independência da Espanha. A Grã-Bretanha disse que tinha precedência, tendo estabelecido as ilhas antes mesmo que houvesse uma Argentina.

As reivindicações de ambas as nações têm seus apoios: a da Argentina é reconhecida pela maioria dos países sul-americanos, enquanto a UE lista as ilhas como um território ultramarino britânico. Uma decisão de 2016 da Comissão das Nações Unidas sobre os Limites da Plataforma Continental colocou as Malvinas dentro das águas territoriais da Argentina, uma decisão celebrada por Buenos Aires, mas descartada como insignificante por Londres. A reivindicação britânica está fortemente apoiada nos resultados de um referendo de 2013, em que os moradores das ilhas votaram esmagadoramente em favor de permanecer um território ultramarino do Reino Unido.

Em 2 de abril, o dia em que a Argentina enviou suas forças às Malvinas em 1982, tem sido um dia de recordação, desde então um dia para pedir a recuperação das ilhas. Em Buenos Aires, veteranos e suas famílias realizaram uma marcha solene para comemorar a queda no Memorial da Guerra das Malvinas.


Mas perto da embaixada britânica, a Union Jacks se incendiou e manifestantes furiosos exigiram que Macri adotasse uma posição mais dura em relação às Malvinas. Seus acordos com o Reino Unido, segundo os manifestantes, visam "desalvinizar" as ilhas.

"A guerra ainda não acabou e não estamos mortos" , disse o ex-combatente Norberto Covacevich, que lutou na Guerra das Malvinas. "Não são os mortos que lutam, nós vamos lutar contra os piratas até a última gota de sangue. Viva a terra natal."

GBN News - A informação começa aqui
Com RT-News
Share this article :

1 comentários:

  1. Revisionismo em ação.... que piada... muito mau gosto.... co ta a história direito... a ditadura Argentina procurando apoio popular invadiu as ilhas e começou uma guerra ... os ingleses reagiram e depois de ferozes combates derrotaram ad forcas Argentinas... os argentinos nao recuaram... foram derrotados e expulsos.... nada contra os argentinos.... lutaram bravamente mais foram derrotados.... quanto as ilhas.... hum.... so mesmo pela geografia e logica deveria ser da Argentina.... mais....

    ResponderExcluir

 

GBN News - GeoPolítica Brasil Copyright © 2012 Template Designed by BTDesigner · Powered by Blogger