sexta-feira, 30 de junho de 2017

USS Fitzgerald - US Navy estuda meios de recuperar o DDG, investigações continuam


A colisão que resultou na morte de sete marinheiros no "USS Fitzgerald", abriu um grande buraco no casco do contratorpedeiro da Classe "Arleigh Burke", o que o deixará fora de operação por um longo período.

O "bulbo" do "ACX Crystal" abriu um buraco de 12x17 pés abaixo da linha d'água, segundo relataram fontes na US Navy, um buraco causou a inundação rápida de três compartimentos do DDG-62. Os marinheiros tiveram cerca de um minuto para evacuar as instalações, e vários foram acordados pela água que invadiu o dormitório onde grande parte da tripulação descansava.

Não há nenhuma indicação de que tenham soado o alarme de colisão á bordo do "USS Fitzgerald", o que teria alertado os membros da tripulação que dormiam, o que teria evitado a morte de sete membros da tripulação que não conseguiram abandonar os compartimentos abalroados e alagados. Esses detalhes, no entanto, são objeto de uma investigação em curso pela US Navy. 



A colisão também prejudicou significativamente a superestrutura do navio e a plataforma do radar SPY-1 em seu lado de estibordo, tendo inundado o espaço principal de engenharia e uma central de rádio, tornando inúteis milhões de dólares em equipamentos. 

Enquanto os investigadores tentam desvendar as causas do trágico acidente, a Marinha está resolvendo um complicado problema de engenharia: como garantir o deslocamento do navio com o casco comprometido pela água. E eles têm que descobrir o quão grande é o dano, e se pode ser consertado e onde serão realizados os reparos. 

Os engenheiros da Marinha conseguiram avaliar a maioria dos espaços e estão trabalhando em uma área do casco avariado, disse o porta-voz da  Frota Clay Doss. 

"O "USS Fitzgerald" está se preparando para entrar na doca seca no início do próximo mês para conduzir inspeções e reparos", disse Doss. "Uma transferência de munição foi concluída em 25 de junho. Preparações adicionais incluem a drenagem, desembarque e instalação de um reparo temporário no casco. Uma vez que o navio esteja ancorado, começará uma avaliação técnica que informará as opções para realizar reparos de longo prazo nos Estados Unidos ". 

Desde o início, a Marinha tem a intenção de consertar o navio. Em uma coletiva de imprensa imediatamente após a colisão em 17 de junho, o vice-intendente da frota, Vice-Alm. Joseph Aucoin, disse aos jornalistas que seria um processo demorado. 

"Com esperança, menos de um ano", disse ele. "Você verá o "USS Fitzgerald" de volta". 

Reparando Fitzgerald 

A ênfase nos estágios iniciais será estabilizar o navio o suficiente para tirá-lo da água, o que a Marinha diz que provavelmente ocorrerá entre 6 e 8 de julho. Uma vez que esteja fora da água, a Marinha realizará uma avaliação completa do navio. 

Uma das principais preocupações, de acordo com autoridades da Marinha, é que a força da colisão possa ter torcido a superestrutura e criou um problema de alinhamento do radar SPY-1 do navio. Reparar isso poderia adicionar uma quantia enorme à conta do reparo e poderia até mesmo ser proibitivo, mas essas avaliações ainda não foram concluídas. 

Só colocar o navio fora da água já é uma grande tarefa por si só, disse o capitão aposentado Gordan Van Hook, que era o engenheiro chefe da fragata "Samuel B. Roberts" quando a mesma atingiu uma mina em 1988. 

"Todo navio tem um plano de docagem para quando você entra na doca seca", disse Van Hook em uma entrevista. "Isso envolve colocar blocos debaixo da quilha para suportar o peso do navio. Mas se grandes partes do casco foram comprometidas ou avariadas, pode criar muitas cargas e tensões que o navio não deveria suportar, se você não fizer isso corretamente, você pode dobrar a quilha ou danificar as longarinas". 

Isso significa que o plano de docagem do navio precisa ser refeito por conta do casco danificado. Os funcionários acreditam com base em avaliações preliminares que a quilha do DDG-62 não foi atingida pela colisão. Reparar uma quilha quebrada seria outro enorme custo, embora a Marinha conseguisse reparar o "Sammy B", que tinha uma quilha completamente fraturada. 

O financiamento para os reparos provavelmente viria de um financiamento suplementar, disse o empresário aposentado Robert Natter, que era o chefe do Comando das Forças da Frota dos Estados Unidos quando o "USS Cole" foi atacado por terroristas no Iêmen e precisou de reparos. 

"O fundo para a Marinha obter o dinheiro para os reparos seria o "Fundo de Operações de Contingência no Exterior", disse Natter. 

USS Cole após ser atacado por extremistas
Quando a Marinha teve que dispor de quase um quarto de bilhão de dólares para consertar o "USS Cole", a Marinha tomou o financiamento suplementar. O Senador John Warner da Virginia, usou a legislação para obter para a Marinha o dinheiro necessário para consertar o navio, disse Natter. 

Uma vez que o navio esteja em doca seca, a Marinha completará uma avaliação do real status do navio e obterá estimativas sobre o quanto isso vai custar. No caso do "USS Cole", custou à Marinha cerca de 250 milhões, ou cerca de dois F-35 e meio para completar os reparos. 

O cenário mais provável para o reparo é que a Marinha terá que enviar o DDG-62 para os EUA em uma embarcação semi-submersível, disse Bryan Clark, um submarinista aposentado e analista do Centro de Avaliações Estratégicas e Orçamentárias. 

"Não há como consertá-lo no exterior", disse Clark. "O que eles estão fazendo agora é tentar determinar se ele pode ser reparado o suficiente para retornar aos EUA por conta própria ou se eles deveriam colocá-lo em um navio, levantar o navio e levar de volta aos EUA. Lá, ele vai entrar em um longo período de reparo em um dos estaleiros privados ". 

Clark disse que a General Dynamics NASSCO em San Diego seria o lugar lógico para fazer o reparo. 

O "USS Cole" foi levado para o estaleiro Ingalls em Pascagoula, Mississippi, onde foi construído, a bordo do Heavy Lift Ship Blue Marlin. 

No "USS Cole", a Ingalls cortou a seção danificada do navio, refabricou a nova seção e soldou-a de volta ao navio. Em todo o reparo foi substituida 550 toneladas de aço e ambos os motores principais, segundo um comunicado á imprensa em 2002. 

Quanto à tripulação do navio, eles estão voltando a trabalhar gradualmente e começando a voltar a sua rotina normal, disse Doss. 

"A equipe está retomando sua rotina normal de forma gradativa, colocando alguns em serviços no porto, bem como nas preparações do dique seco", escreveu Doss."Os engenheiros do "USS Fitzgerald" estão conduzindo o processo de desenvolvimento agora. 

"Toda a US Navy tem apoiado os marinheiros e suas famílias e gostaria de enfatizar que retomar sua rotina a um ritmo gradativo é uma parte importante do processo de cura". 

GBN seu canal de informação e notícias
com agências

0 comentários:

Postar um comentário