quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Os EUA e um ataque militar israelense contra o Irã: uma mudança de posição?



Em 05 de fevereiro de 2012 durante entrevista com a NBC, o presidente Obama foi questionado se Israel pretende atacar o Irã. O Presidente respondeu que ele não acha que Israel decidiu fazer sobre o Irã. O Presidente esclareceu que Israel, como os Estados Unidos, acham que o Irã deve parar seu programa de desenvolvimento nuclear. Israel, afirmou o presidente, esta "com razão muito preocupado" com o programa nuclear iraniano. Os Estados Unidos estão "trabalhando em sintonia" com Israel, afim de impedir a nuclearização do Irã.

Apenas alguns dias antes, o Secretário de Defesa dos EUA, Leon Panetta, foi citado como dizendo que há uma "forte probabilidade" de que Israel atacaria o Irã entre abril e junho deste ano, antes que o Irã entre no que Israel chama de "zona de imunidade" em seus esforços para alcançar a capacidade nuclear. Mais tarde, o secretário esclareceu que Israel está preocupado que "muito em breve" o Irã seja capaz de armazenar urânio enriquecido suficiente no subsolo para fazer uma bomba nuclear. Caso o Irã chegue a esse estágio, só os EUA seriam capazes de parar o desenvolvimento do programa nuclear iraniano.

A importância destas observações reside não apenas no que foi dito, mas também, e talvez principalmente, no que não foi dito. O que é notável sobre as declarações de ambos foi a falta de qualquer tentativa real para dissuadir Israel de agir contra o Irã independente. Tal posição de nomes experientes como esses dois com estas formulações são susceptíveis de serem entendidos em Israel como um afrouxamento das rédeas com Israel caso ele decida atacar o Irã, mesmo que as declarações não foram destinadas como tais.

Essas declarações refletem uma atitude diferente, em termos de fraseado e tom geral, do que a caracterização de pronunciamentos oficiais americanos nos últimos meses. O secretário Panetta fala no Fórum Saban em dezembro de 2011, por exemplo, incluindo expressões explícitas de oposição americana à ação israelense no Irã. O secretário de Defesa fez questão de listar os riscos inerentes a um ataque militar contra o Irã, como visto pelos EUA. Ele também destacou a necessidade de Israel de agir em coordenação com os EUA. O presidente do Joint Chiefs of Staff, o general Martin Dempsey, expressou sentimentos semelhantes, expressando reservas claras sobre a ação israelense contra o Irã durante sua visita a Israel em meados de Janeiro de 2012.

No entanto, é importante ressaltar que, mesmo nestas declarações não havia nenhuma ameaça implícita contra Israel caso ele - apesar dos desejos americanos - decidir atacar o Irã. A história das relações entre Israel e os EUA está repleta de incidentes em que a administração sabia muito bem como advertir Israel sobre os passos punitivos de se recusar a cumprir as exigências americanas. Mesmo no diálogo entre a administração Obama e Israel sobre o processo político e o congelamento dos colonatos, havia sugestões, implícitas e explícitas, sobre a possibilidade de medidas punitivas contra Israel se recusa-se a cumprir as exigências americanas. Nesta situação atual, no entanto, a administração não tem enfatizado a Israel que ignorando a administração de demandas sobre o problema iraniano seria acompanhado por um preço determinado.

É difícil de responder definitivamente se estas declarações recentes são a ponta de um iceberg, indicando uma possível mudança na postura do governo em relação a uma ação militar israelense contra o Irã. Ao contrário das declarações anteriores, um tom mais reservado foi sondado pelo general Dempsey em 18 de fevereiro de 2012. Ele ressaltou as conseqüências sobre a estabilidade regional que tal ação teria. Ainda assim, ele achou suficiente para dizer que "neste momento" atacar o Irã não seria "prudente". Dempsey voltou a enfatizar o elemento tempo em uma reunião com o Orçamento do Senado, quando ele deixou claro que ele não alertou Israel contra golpear instalações nucleares iranianas. "Tivemos uma conversa com eles sobre o tempo, a questão do tempo", disse ele.

Se, de fato, alguma mudança está surgindo na atitude do governo Obama para a possível ação israelense contra o Irã, quase certamente deriva de uma avaliação sobre a eficácia da abordagem político-econômico-clandestina para o problema iraniano. É bem possível que sobre esta questão, a administração esteja funcionando em dois níveis paralelos: nas mensagens transmitidas para Israel, é chamado a dar a ação político-econômica contra o Irã uma chance, com base na esperança de que ela vá realmente causar no Irã a pôr termo aos seus esforços nucleares.

Ao mesmo tempo, a administração Obama pode estar percebendo que a "cesta de medidas punitivas" não está parando, ou mesmo desacelerando, os esforços do Irã para atingir uma capacidade nuclear. Além disso, a administração Obama não pode ignorar o fato de que, neste momento, o regime iraniano está intensificando sua retórica, a fim de projetar a auto-confiança em face das ameaças contra ela.

Dentro do governo norte-americano há sérias preocupações sobre os resultados de um ataque militar americano contra o Irã. Representantes da administração tem falado muitas vezes sobre estas preocupações. Na entrevista à NBC mesmo, o próprio presidente Obama deixou claro que um ataque militar no Golfo Pérsico seria "prejudicial". Ele é susceptível de aumentar drasticamente os preços do petróleo, gerar retaliações contra as forças americanas no Afeganistão, levar a ataques contra aliados dos EUA na região, e muito mais. Tudo isso pode ocorrer num momento em que o Oriente Médio está no meio de convulsões que estão mudando a região de forma sem precedentes. A administração quase certamente possui temores de que uma ação militar resultaria no aumento as hostilidade contra os EUA em países islâmicos e os esforços finais do presidente Obama para liderar uma reconciliação entre os EUA e os estados árabes.

Temores do governo sobre uma resposta iraniana à ação militar norte-americana foi dada uma expressão de destaque em suas tentativas extraordinárias para limpar-se da suspeita sobre o assassinato do cientista nuclear iraniano Prof Mustafa Ahmadi Roshan. O porta-voz da Casa Branca, o secretário de Estado e o Secretário de Defesa todos reuniram-se para um esforço concentrado em eliminar qualquer suspeita sobre o envolvimento do governo no incidente.

Nas circunstâncias atuais, a administração americana continua a insistir que há uma chance razoável de que a política de sanções econômicas, o isolamento político e atividades secretas acabarão por levar o Irã a renunciar ao seu desenvolvimento nuclear e concordam em pelo menos algumas das exigências do Ocidente  na questão. No entanto, a administração também certamente considera a possibilidade de que as ações atuais contra o Irã não vão detê-lo, apesar das dificuldades envolvidas. Sob tais circunstâncias, o governo teria de decidir se tolera um Irã nuclear ou inicia uma ação militar contra ele. O governo está bem consciente dos riscos inerentes à nuclearização do Irã, mas também é bem consciente dos riscos de uma ação militar norte-americana.

Também sobre a mesa esta a possibilidade de um ataque militar israelense. A posição atual da administração declarou se opôr a essa opção. As declarações feitas por funcionários do governo são uma prova clara da falta de vontade da administração para dar a Israel, mesmo uma luz verde tácita para atacar o Irã. No entanto, mesmo agora, a conduta do governo neste contexto, especialmente a falta de ameaças contra Israel se ignorar apelos dos EUA para desistir de atacar o Irã, mas não pode projetar a falta de uma postura decisiva. No futuro próximo e mais próximo da administração se aproxima o momento da verdade em relação ao Irã, pode muito bem ser, embora não haja certeza aqui, que a administração irá considerar a mudança de atitude corrente negativa em relação a uma ação militar israelense contra o Irã.

Fonte: Defense Professionals
Tradução e Adaptação: Angelo D. Nicolaci - GeoPolítica Brasil
Share this article :

0 comentários:

Postar um comentário

 

GBN News - GeoPolítica Brasil Copyright © 2012 Template Designed by BTDesigner · Powered by Blogger