segunda-feira, 17 de abril de 2017

Rússia adverte EUA contra ações 'estilo Síria' na Coréia do Norte

A declaração de Mike Pence sobre os Estados Unidos terem esgotado sua "paciência estratégica" em relação a Pyongyang não contribui para resolver a crise, disse Serguéi Lavrov, expressando esperanças de que não haverá repetição do ataque dos EUA contra a Síria na Coréia do Norte.

"Espero que não haja ações unilaterais como a que vimos recentemente na Síria e que os EUA seguirão as políticas que Trump repetidamente declarou durante sua campanha eleitoral", disse o ministro das Relações Exteriores russo, Serguéi Lavrov, sobre a declaração feita pelo vice-presidente dos EUA Mike Pence nesta segunda-feira (17) durante sua visita à Coréia do Sul.

O mundo testemunhou a "força e determinação do presidente Trump nas ações tomadas na Síria e no Afeganistão", de acordo com Pence, que ameaçou a Coréia do Norte a "não testar" essa resolução ou "a força das forças armadas dos Estados Unidos Estados".

O ministro russo das Relações Exteriores alertou para não tomar nenhuma ação militar e enfatizou que os " arriscados empreendimentos nucleares e de mísseis de Pyongyang" que violam as resoluções do ONU não poderiam ser usados ​​como desculpa para violar o direito internacional e a Carta da ONU "da mesma forma" que foi feito na Síria.

O período da política americana antes da escalada atual poderia ser mal descrito como uma "era de paciência estratégica", acrescentou Lavrov.

"Não posso chamar o período da administração Obama de 'era de paciência estratégica', porque os EUA têm severamente limitando as capacidades da Coréia do Norte para desenvolver setores econômicos relacionados com áreas nucleares ou energéticas ", disse Lavrov, referindo-se a iniciativas passadas dos EUA, apoiados pelo Conselho de Segurança da ONU.

As declarações duras não contribuem para a paz e a estabilidade na região, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, ao comentar a promessa do presidente sul-coreano, Hwang Kyo-ahn, de " implementar medidas punitivas intensivas " contra Pyongyang em caso de " provocações ".

"Nossa posição é bem conhecida e consistente. Apelamos a todos os lados para que evitem quaisquer ações que possam ser percebidas como uma provocação. E defendemos a continuação dos esforços internacionais coordenados nos formatos existentes para resolver o problema da Coréia do Norte ", disse Peskov.

As tensões na península coreana estão atingindo o ponto de ebulição novamente, depois que Pyongyang realizou um teste de mísseis em meio a treinos conjuntos entre a Coréia do Sul e os EUA em março. Em 10 de abril, o USS Carl Vinson fazia parte de um grupo de ataque que se dirigia à península como demonstração de força e demonstrava disposição para "vários cenários".

A Coréia do Norte pediu aos EUA que interrompam sua "histeria militar" e " tomem consciência ", ou enfrentem uma resposta impiedosa se "as provocações continuarem". No sábado, Pyongyang teria conduzido mais um teste de míssil, embora não tenha sido bem-sucedido.

GBN seu canal de informação e notícias
com agências

0 comentários:

Postar um comentário