segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

"Não estamos aqui para apanhar petróleo" - Diz Secretário de Defesa dos EUA em Bagdá

O secretário de Defesa dos EUA, Jim Mattis, chegou a Bagdá em uma visita não anunciada, segundo notícias, para discussões sobre a derrota do grupo terrorista Estado Islâmico. Ele disse nesta segunda-feira (20) que os militares dos EUA não estão no Iraque "para pegar o petróleo de ninguém".
"Eu acho que todos nós aqui nesta sala, todos nós na América, geralmente pagamos pelo nosso gás e petróleo o tempo todo e tenho certeza que vamos continuar a fazê-lo no futuro", Mattis disse a um pequeno grupo de Repórteres que viajam com ele, enquanto discute seus principais objetivos para a viagem.

"Não estamos no Iraque para apreender o petróleo de ninguém" , enfatizou.

Mattis parece ter se distanciado das observações feitas pelo presidente Donald Trump em um discurso no mês passado, quando o novo presidente republicano disse aos funcionários da CIA: "Devemos ter mantido o petróleo. Mas, OK, talvez tenhamos outra chance. "

Trump disse que o Estado Islâmico não teria se tornado uma ameaça global se não tivesse tomado a indústria de petróleo do Iraque quando o país foi deixado enfraquecido pela guerra.

- Deveríamos ter mantido o petróleo quando saímos. E, você sabe, é muito interessante, se tivéssemos tomado o petróleo, você não teria o EI, porque eles se abastecem com o dinheiro do petróleo. Foi aí que conseguiram o dinheiro. Eles conseguiram o dinheiro ... quando saímos, deixamos o Iraque, que năo era um governo.

"Criamos um vácuo e formamos o EI. Mas se tivéssemos tomado o petróleo, algo muito bom teria acontecido. Eles não teriam sido capazes de alimentar seu impulso inacreditável para destruir grandes porções do mundo ", observou Trump, acrescentando que o petróleo do Iraque poderia ter sido benéfico para os Estados Unidos também, como o orçamento do país foi drenado pelo envolvimento de guerras no Oriente Médio.

No domingo, as forças iraquianas lançaram uma grande operação militar para retomar a parte ocidental de Mosul dos terroristas do Estado islâmico.

Na semana passada, aviões iraquianos lançaram milhões de panfletos no oeste de Mosul, pedindo aos moradores que se preparem para receber as tropas iraquianas, enquanto o cerco aos militantes continua.

Em outubro, as forças iraquianas, apoiadas pela coalizão internacional liderada pelos EUA, lançaram uma campanha para retomar Mosul. No mês passado, a coalizão liderada pelos Estados Unidos admitiu "involuntariamente" matar pelo menos 188 civis na Síria e no Iraque desde 2014, quando os ataques aéreos contra o Estado islâmico começaram.

A partir de 14 de fevereiro de 2017, a coalizão liderada pelos EUA havia conduzido um total de 18.250 ataques (11.102 Iraque / 7.148 Síria), informou o Departamento de Defesa dos EUA.

GBN seu canal de informações e notícias
com agências

0 comentários:

Postar um comentário