domingo, 10 de novembro de 2013

Programa KC-46 superou crise de dívida do governo

 
A paralisação do governo americano em outubro foi encerrada antes de ter grandes impactos sobre os programas de aquisição do Pentágono, mas para um dos principais programas de modernização da Força Aérea dos EUA , o desastre estava perto.

O Pentágono ficou  á 24 horas de romper seu contrato para substituição dos aviões reabastecedores KC-46, segundo um oficial da Força Aérea relatou no dia 6 de novembro.

A questão foi levantada pela primeira vez por William LaPlante durante uma audiência em 23 de outubro durante uma audiência.

O Pentágono correu o risco de perder um dos seus principais contratos de reaparelhamento, se o presidente Obama tivesse assinado a resolução a respeito do teto de dívida pública 24 horas depois, o contrato teria sido quebrado e comprometido a capacidade de atuação da USAF por atrasar ainda mais a aquisição de uma nova aeronave para reabastecer seus caças e bombardeiros.

O programa KC -46 esteve a ponto de ser cancelado  devido ao desafio de cumprir as obrigações contratuais com um orçamento curto e o temor de um corte profundo com as medidas de elevação do teto da dívida.

O F-35 JSF, o novo bombardeiro de longo alcance e o KC -46 são os três programas de modernização mais importantes da Força Aérea que o alto escalão tem protegido durante dos cortes orçamentários. O programa KC prevê a aquisição de 179 novos aviões para substituir os  velhos KC-135, com 18 aeronaves entregues até 2017 e a conclusão da produção em 2027 .
Durante os cortes orçamentário do ano passado, funcionários do Pentágono levantaram a possibilidade que os cortes poderiam resultar no atraso ou potencialmente uma renegociação do contrato KC-46 com a Boeing . Esse contrato, possui limites de responsabilidade do governo na ordem de 4,9 bilhões de dólares e exige que a Boeing cubra eventuais derrapagens no orçamento inicial do programa em seu desenvolvimento, tendo um custo fixo ao governo com relação a aquisição destas aeronaves, com isso o fantasma de uma renegociação poderia acabar custando mais aos contribuintes.
Isso não aconteceu , e os funcionários do programa disseram que o programa encontra-se no orçamento e dentro do prazo.

LaPlante também declarou que os cortes no orçamento poderiam reduzir o número de F -35 comprados em 2014.
 
Fonte: GBN com agências de notícias

0 comentários:

Postar um comentário