terça-feira, 8 de janeiro de 2019

Aeronaves egípcias operam em território israelense em guerra contra o terror

Em entrevista presidente egípcio Abdel Fattah al-Sisi fala sobre as relações com Israel e a coordenação militar entre os dois países. Ele também falou da atitude de seu país em relação aos manifestantes e presos políticos no último domingo (6).

Sisi não permitiu que a entrevista fosse transmitida no Cairo, e o governo egípcio tentou nos últimos dias evitar, mas a mídia norte-americana não atendeu ao pedido. 


O entrevistador, Scott Duffy disse em uma de suas perguntas que o exército egípcio estava cooperando com o exército israelense no Sinai. Quando o entrevistador perguntou a Sisi se era a cooperação "mais profunda e mais próxima" que ele tinha com Israel, o presidente respondeu: "É verdade que a força aérea deve às vezes se mover para o lado israelense, então temos ampla coordenação com Israel". 

Além de Israel, o Egito é o destinatário da maior ajuda financeira dos Estados Unidos para qualquer país do Oriente Médio, no valor de quase meio bilhão de dólares por ano. Isso ocorre ao mesmo tempo em que o Egito é conhecido por encarcerar milhares de presos políticos, matando manifestantes desarmados e violando a liberdade de expressão de seus cidadãos. 

Quando Duffy perguntou ao presidente sobre isso, Al-Sisi negou que o Egito tenha prisioneiros políticos.

"Estamos tentando enfrentar os extremistas que estão tentando impor sua ideologia ao povo, e agora eles estão sob julgamento justo", disse ele. 


Quando o entrevistador insistiu e confrontou Al-Sisi com dados de organizações de direitos humanos, segundo as quais cerca de 60.000 presos políticos estão sendo mantidos no Egito, o presidente respondeu: "Não sei de onde essas organizações tiraram essa informação". 

Ele continuou a aderir à sua primeira alegação, dizendo que esses prisioneiros são membros de uma minoria extremista que está tentando impor sua ideologia extremista no Egito, provavelmente uma referência à Irmandade Muçulmana. 


Quando o entrevistador perguntou por que os Estados Unidos deveriam continuar apoiando o governo, Al-Sisi se apressou em dizer que era um investimento de segurança e estabilidade em toda a região. 


"Os Estados Unidos são responsáveis ​​pela segurança no mundo", disse ele. "Não posso pedir ao Egito que esqueça seus direitos, a polícia ou aos cidadãos que morreram".


A cooperação militar entre o Egito e Israel atingiu um nível sem precedentes na península do Sinai, disse o presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sisi, em entrevista. 


Perguntado se a cooperação de segurança com Israel era a mais próxima entre dois países que já foram inimigos, ele respondeu: "Isso é correto ... Temos uma ampla gama de cooperação com os israelenses".

Israel compartilha uma fronteira de 240 quilômetros de extensão com a península do Sinai, e Cairo e Jerusalém têm cooperado de perto na luta contra cerca de mil terroristas do Estado Islâmico na região desde que Sisi subiu ao poder. 



O norte do Sinai, um deserto montanhoso entre o Canal de Suez e Israel, tem sido um refúgio para terroristas islâmicos, com o principal grupo jihadista da península, Ansar Beit al-Maqdis, realizando vários ataques - alguns mortais - contra as tropas israelenses que patrulham a fronteira. 

Após a ascensão de Al-Sisi ao poder, o grupo que prometeu fidelidade a Abu Bakr al-Baghdadi e ao Estado Islâmico em 2014, iniciou uma onda de ataques contra as forças de segurança egípcias no Sinai. 

Al-Sisi começou a empreender operações militares contra os jihadistas e, embora o grupo terrorista tenha perdido muito de sua força, continua ativo e continua a realizar ataques. 

Em fevereiro de 2017, após um massacre de 305 fiéis na mesquita de al-Rawda, na cidade de Bir el-Abd, no norte do Sinai, um oficial de defesa israelense declarou que “a relação entre Israel e o Egito está em andamento. Israel sempre esteve pronto para dar uma ajuda e prestar assistência a qualquer país na guerra contra o terrorismo, neste caso e no futuro também ”.


De acordo com relatos estrangeiros, as forças armadas dos dois países reúnem-se regularmente para trocar inteligência na luta contra o EI, e o Cairo deu luz verde a Jerusalém para atacar os terroristas por via aérea. 


Em fevereiro, o The New York Times informou que, por mais de dois anos, Israel vinha realizando uma campanha aérea encoberta contra os terroristas do Estado Islâmico no Sinai, realizando cerca de 100 ataques aéreos com aviões não tripulados, helicópteros e caças, com a aprovação de Al-Sisi. 

O relatório também afirmou que "não está claro se quaisquer tropas israelenses ou forças especiais se estabeleceram dentro das fronteiras egípcias", já que isso aumentaria o risco de exposição para os dois lados que permaneceram, até agora, preocupados com a cooperação. 


Fonte: GBN News com informações do The Jerusalem post
Share this article :

0 comentários:

Postar um comentário

 

GBN News - GeoPolítica Brasil Copyright © 2012 Template Designed by BTDesigner · Powered by Blogger