quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Petrobras pode pagar US$ 1,6 bilhão para encerrar investigações nos EUA

A Petrobras poderá ter de pagar uma multa recorde superior a 1,6 bilhão de dólares para encerrar investigações criminais e civis nos Estados Unidos devido a sua participação num esquema de corrupção, noticia a agência Reuters, que cita como fonte uma pessoa que foi informada por advogados da petrolífera.
O processo para se chegar a um acordo pode levar de dois a três anos, calcula a mesma fonte. Se confirmada, essa pode ser a maior punição já aplicada por autoridades americanas durante uma investigação de corrupção corporativa.
Até hoje, a maior multa paga por corrupção corporativa ao Departamento de Justiça e à Securities and Exchange Commission (comissão que regula o mercado de capitais) envolveu a empresa alemã Siemens, em 2008. Ela foi multada em 800 milhões de dólares por participar de um esquema de pagamento de suborno e teve de pagar o mesmo valor para autoridades alemãs.
A pessoa ouvida pela Reuters avalia que a Petrobras terá que pagar multas tão pesadas quanto ou até mesmo maiores que os 1,6 bilhão de dólares desembolsados pela Siemens nos Estados Unidos e na Alemanha.
Duas outras fontes ligadas à Petrobras também disseram que o acordo resultaria numa multa alta, mas se recusaram a fazer estimativas.
As três fontes não quiseram ser identificadas e advertiram que qualquer estimativa sobre os valores das multas é preliminar neste momento. A estatal brasileira ainda não começou a negociar um acordo com as autoridades americanas. Acredita-se que as investigações ainda estejam na fase inicial.
Os advogados da estatal sustentam que ela foi vítima de corrupção e conluio por empresas de engenharias e outros fornecedores, um grupo de ex-funcionários da empresa, que supostamente receberam ou organizaram os subornos, e políticos brasileiros que se beneficiaram de propinas pagas por fornecedores.
A punição pode ser mais um duro golpe para a estatal brasileira, que viu seu valor de mercado cair para menos de 40 bilhões de dólares, antes os quase 300 bilhões de sete anos atrás.

Fonte: Deutsche Welle

0 comentários:

Postar um comentário