segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

O protótipo russo dos tanques de guerra


O protótipo russo dos tanques de guerraO dia 15 de setembro de 1916 ficou assinalado na história como o primeiro dia em que se usou um tanque de guerra em uma batalha. Muita gente terá, seguramente, curiosidade em saber como eram esses primeiros tanques e por quem eles foram criados. O primeiro tanque da história, ou melhor, o seu protótipo, foi criado por Aleksandr Aleksandrovitch Porokhovschikov (1893 - 1942).
 
A blindagem criada por Porokhovschikov para a viatura estava à frente de seu tempo. Convém notar que os tanques com blindagem de camadas múltiplas apareceram apenas na segunda metade do século passado.
 
Desde criança, Porokhovschikov demonstrou interesse pelas invenções e poucas pessoas sabem que, além da sua mais conhecida criação, ele foi o autor de várias invenções ligadas à aviação, sendo que um dos modelos do seu monoplano apresentado em 1909 mereceu elogios por parte de N.E. Jukóvski. Além disso, em 1914, ele inventou, construiu e testou uma aeronave de fuselagem dupla –o avião de reconhecimento Bi-Kok; em 1917, construiu o avião F-4 de dois lugares e no período entre 1920 e 1923 criou o P-4 bis, o P-4 2 bis, o P-5 e o P-5 bis, todos eles posteriormente fabricados em série. Muitos dos ases da aviação soviética, heróis da 2a Guerra Mundial, fizeram a sua instrução precisamente nestes aviões.
 
O tanque
 
Em agosto de 1914, Porokhovschikov apresenta o projeto de sua nova invenção à Comissão Especial na sede do Quartel-General do Comando Supremo e, logo em janeiro do ano seguinte, fornece os esquemas detalhados da máquina. No dia 15 de janeiro, recebe permissão para construir um protótipo. São colocados à sua disposição os meios e equipamento necessários, 25 artesãos do exército e mais de 20 operários qualificados. No dia 1º de fevereiro ele inicia o fabrico do protótipo. O encarregado de monitorar o progresso dos trabalhos foi o coronel e engenheiro militar Poklévskii-Kozello.
 
Tal como concebido pelo inventor, o design do tanque era muito incomum. O corpo da máquina era aerodinâmico e estava planejado para ser hermético, de modo a permitir se deslocar dentro da água, com um nicho frontal para a entrada do ar. Era composto de duas camadas de aço, uma das quais estava cimentada, e a junta entre elas tinha enchimento de prensado de ervas marinhas. Deste modo, a blindagem criada por Porokhovschikov para a viatura também estava à frente de seu tempo. Convém notar que os tanques com blindagem de camadas múltiplas apareceram apenas na segunda metade do século passado.
 
Disparando a uma distância de 50 metros, este carro de combate mantinha a precisão do alvo como se estivesse disparando de um fuzil ou metralhadora.
 
O seu corpo inteiramente soldado se apoiava em um rotor de uma única lagarta que se mantinha esticada com a ajuda de quatro cilindros.

A tração era dada pelo cilindro traseiro, o qual, por sua vez, era impulsionado através do eixo cardã e da caixa de transmissão por um potente motor de 10 cavalos. O peso do carro de combate era de quatro toneladas. Para evitar desvios da lagarta foram feitos sulcos nos tambores. No entanto, o problema do deslizamento longitudinal acabou por não ficar completamente resolvido. A rotação da máquina era feita por meio de duas rodas colocadas nas laterais da viatura.
 
Em terreno sólido o carro se deslocava com o tambor traseiro e com as rodas laterais e em terreno irregular deveria assentar por completo na larga banda da lagarta. Para virar em terreno irregular, as rodas de rotação, segundo a ideia do inventor, deveriam funcionar como os lemes existentes nas asas de aviões, mas, na prática, elas só atrapalhavam o movimento, já que em terra, as leis do deslocamento dos objetos no ar, que Porokhovschikov tão bem conhecia, não funcionavam. Por isso, a tentativa de mudar de direção em terreno irregular foi um verdadeiro fracasso.
 
No dia 18 de maio, o tanque foi levado para fora dos portões da oficina para ser testado em terra firme. Durante os testes, a máquina mostrou boa velocidade para a época, com a rotação das lagartas a 25 quilômetros por hora, sendo que a transição para a circulação com as rodas acabou não sendo feita. Naquela altura a torre giratória ainda não tinha sido instalada, mas, pelo projeto do criador, o carro deveria vir equipado com uma metralhadora Maxim de 7,62 mm. A demonstração oficial foi marcada para o dia 20 de julho e ocorreu no pátio do regimento, local onde a viatura já mostrou uma velocidade maior, mas, infelizmente, este foi o único ponto positivo do dia. O carro de combate não correspondeu às expectativas de Porokhovschikov e foi enviado de volta para aperfeiçoamento e trabalhos complementares, que, não obstante, não conseguiram corrigir todas as deficiências identificadas. Os últimos testes foram realizados no dia 26 de dezembro de 1916.
 
As desvantagens e deficiências do protótipo apresentado não eram o único problema. A principal desvantagem era o mecanismo de rotação e a sua má funcionalidade, que obrigava o condutor a ter que virar o carro manualmente com a ajuda de uma barra. A construção do chassi foi considerada insatisfatória e suas particularidades de construção não permitiram tornar o carro hermético. O Gabinete de Guerra obrigou Porokhovchikov a devolver o dinheiro disponibilizado para a concretização do projeto. Quanto ao protótipo, ordenou que o enviasse para Direção Geral de Engenharia Militar.
 
Mesmo não tendo obtido o resultado pretendido, foi ele que lançou as bases da indústria de construção de tanques russos e soviéticos, do mesmo modo que Pedro, o Grande, lançou as bases para a criação da poderosa frota russa.
 
Fonte: Gazeta Russa

0 comentários:

Postar um comentário