quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Angola fecha acordo para aquisições navais com a Espanha





O porta-aviões espanhol Príncipe das Astúrias, desativado há quase um ano, efetuou o que seria previsivelmente a sua última viagem de Cadiz para Ferrol, para ser desmantelado após o termino de sua Carreira a serviço da marinha espanhola.
Segundo notícia veiculada no site El Confidencial Digital, o navio será agora vendido a Angola, num negócio que incluirá também quatro navio também retirados do serviço da Armada espanhola como o L-42 Pizarro, navio da Classe Newport originalmente designado LST 1196 USS Harlan County – Comissionado em oito de Abril de 1972. Descomissionado em 14 de Abril de 1995. Transferido por empréstimo para a marinha da Espanha em 1995, e definitivamente vendido em 2000 para a Espanha tendo servido á sua armada até 14 de dezembro de 2012 quando foi baixado do inventário daquela força. Uma curiosidade é que este navio pertence a mesma classe do G-28 Matoso Maia da Marinha do Brasil.
O P-27 Ízaro é um navio da classe Anaga que é parte de uma série de dez patrulha da Armada Espanhola projetado para observação da costa, pesca e salvamento. Foi construído pela Empresa Nacional Bazan, agora Navantia, o navio deu baixa da armada espanhola em dezembro de 2010.
O P-61 Chilreu é um navio patrulha oceânico, tendo sido projetado originalmente como navio de pesca e tendo sido convertido para a função em 1992, tendo cumprido a missão de controle marítimo, busca e salvamento, presença naval em regiões remotas e como plataformas de pesquisas científicas até junho de 2012 quando foi baixado da armada espanhola. E o quarto navio é a F-32 Diana, uma corveta de segunda classe.
Ainda segundo a mesma fonte, os trabalhos de recuperação e adaptação necessários para colocar o vaso de guerra novamente em condição operacional, serão realizados nos estaleiros de Ferrol pela indústria naval espanhola Navantia.
Apesar de vários países terem demonstrado interesse no porta-aviões, alegadamente seria Angola, o último a inquirir o Governo espanhol e a fechar o negócio. Os primeiros contatos teriam ocorrido há cerca de alguns meses, e o interesse formalizado com a visita de uma delegação da marinha angolana aos estaleiros de Ferrol para verificação do estado do navio e as capacidades dos estaleiros que permitirão devolver o porta-aviões ao status operacional.
O Príncipe das Astúrias foi por isso salvo do“corte” no último minuto, já que os trabalhos de desmantelamento estavam previstos para começar no inicio deste mês de dezembro.
Fonte: GBN com agências de notícias


0 comentários:

Postar um comentário