sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

SAAB Gripen NG será novo caça da Força Aérea Brasileira


Após mais de uma década de discussão e diversos atrasos, finalmente foi anunciado a escolha do vencedor do Programa FX-2 da Força Aérea Brasileira, dentre os finalistas a escolha recaiu sobre a opção do caça sueco SAAB Gripen NG após uma longa espera pela posição do governo brasileiro.

O caça sueco era tido como o azarão entre os três finalistas, depois que por diversas vezes o governo brasileiro se mostrou inclinado a optar pelos concorrentes Dassault Rafale e Boeing F-18 Super Hornet, uma vez que por diversas vezes presidentes brasileiros demonstraram interesse nestas duas aeronaves.

O Gripen NG apesar de ser uma aeronave monoreator e de pequenas dimensões se comparado aos rivais do programa FX-2, possui notáveis qualidades e apresenta um leque atraente de possibilidades ao Brasil. Uma das suas características é a modularidade dos sistemas, o que possibilita a integração de diversos sistemas nacionais e futuras modernizações sem que isso gere grandes custos. Além disso a SAAB demonstrou compromisso com relação a parceria proposta, investindo no país mesmo diante da incerteza da escolha de sua aeronave. Um ponto muito apontado pelos criticos do caça suéco é sua autonomia de combate, muito reduzida se comparada aos demais caças avaliados pelo programa, mas que pode ser compensada pela sua avionica moderna que permite que um grupo de caças cubra uma vasta area territórial mantendo um enlace de dados, possibilitando uma ação coordenada e eficaz para garantir a supremacia aérea, onde um caça pode engajar um determinado alvo e outro que esteja em posição mais favorável efetue o abate.

Muito foi debatido ao longo dos anos, muito se foi dito a respeito deste importante programa brasileiro, finalmente podemos ver o fim dessa novela que se tornou este processo. Agora vamos aguardar os proximos passos, onde a SAAB já definiu onde serão baseadas suas instalações, a cidade de São Bernardo do Campo no ABC Paulista, a fábrica produzirá a asa e outros componentes da aeronave.

Agora com a eminente baixa dos mirages da FAB, seria uma excelente opção dotar a FAB com exemplares do GRIPEN em suas Variantes A/B ou C/D disponíveis no mercado, afim de cobrir o buraco entre a saída dos Mirages e a entrada em operação dos primeiros "NG", servindo como plataforma de adaptação das unidades que irão operar o novo caça brasileiro.

 GBN-GeoPolítica Brasil


0 comentários:

Postar um comentário