terça-feira, 22 de maio de 2012

Upgrading nos F-16: Uma luz no fim do túnel para USAF?



Como resultado de repetidos cortes no orçamento de defesa, o programa de caça F-35 agora é tem previsão para entregar apenas cerca de um quarto de aeronaves originalmente planejado para 2017, estimado hoje em cerca de 400 aviões, ao invés do incial pedido de 1.600. Isto apresenta um problema para a força aérea dos EUA, que está destinada a receber a maior parte dos caças F-35.  A produção do caça F-22 foi limitada em apenas metade do esperado após cortes promovidos pelo ex-secretário de Defesa Robert Gates, e os caças da atual frota não foram modernizados na expectativa de que os novos caças F-35 logo chegariam.
Como não é viável reiniciar a linha de produção do F-22, optou-se por modernizar seu inventáriode caças F-15 e F-16, introduzindo melhorias estruturais para fuselagens em fim de horas de voo e a instalação de novos equipamentos eletrônicos. Provavelmente o mais importante aviônico necessário é um radar que possa executar mais funções sem ter que ser girado fisicamente. Assim, a Força Aérea planeja comprar uma "matriz de varredura eletrônica ativa" (AESA), que é um jargão da engenharia para um radar que é dirigido pelo deslocamento da viga, em vez de mover fisicamente a face do sensor.
Radares AESA são maravilhas eletrônicas, com direito a processadores, softwares e monitores que podem fazer todos os tipos de função que os radares existentes nos atuais caças não podem. Instalar um radar AESA em um F-16 com 15 anos irá mantê-lo operacional por um longo período, que é o que, aparentemente, vai ser necessário até a chegada do F-35 á fase operacional e a cadência produtiva suprir o número de unidades necessárias para atender as necessidades da USAF. No entanto, não há nada que possa ser feito com um F-16 para torná-lo realmente furtivo como o F-35 ou F-22 são, portanto, a Força Aérea precisa ser realista sobre o que ela está tentando alcançar com o  upgrade de seus F-16. Basicamente, ela está comprando uma ponte para manter suas capacidades até a próxima geração de caças. Essa ponte pode precisar se estender por duas décadas no futuro, mas o ponto importante é comprá-la rapidamente, em vez de perder muito tempo e dinheiro tentando fazer um equivalente operacional ao F-35.
Algumas fontes indicam que os planejadores da Força Aérea precisam criar um razoável conjunto de especificações de desempenho para o novo radar do F-16, em seguida escolher o custo mais baixo e a solução tecnicamente mais aceitável. Isto não é um ambiente de orçamento em que a otimização de todos os parâmetros de desempenho faça sentido. A Força Aérea deve identificar as suas necessidades básicas para um upgrade no F-16 , em seguida, encontrar a solução mais acessível. Se impôr exigências demais sobre o upgrade, ele se tornará muito caro e não chegará aos caças em tempo hábil. Vamos manter em mente que o ponto de atualização dos radares dos caças F-16 é construir uma ponte para a próxima geração de caças, e não uma barreira que fica no caminho do orçamento dos novos F-35.

Fonte: DefPro

Tradução e Adaptação: Angelo D. Nicolaci - GeoPolítica Brasil
Share this article :

0 comentários:

Postar um comentário

 

GBN News - GeoPolítica Brasil Copyright © 2012 Template Designed by BTDesigner · Powered by Blogger