domingo, 7 de abril de 2019

MANSUP - Conhecendo melhor este importante projeto brasileiro


Na última quarta-feira (3) durante nossa cobertura da LAAD 2019 visitamos a SIATT, objetivando trazer ao nosso público maior conhecimento a respeito do desenvolvimento do nosso míssil anti-navio nacional, o  MANSUP, e trazer um panorama sobre os desafios e conquistas deste importante programa de desenvolvimento nacional, uma das grandes apostas da Marinha do Brasil e da indústria nacional de defesa, reunindo no mesmo programa a SIATT, Avibrás, Omnisys.

Fomos recebidos por Rogério Salvador, um dos sócios fundadores da SIATT, que nos concedeu uma esclarecedora entrevista ao GBN News e Canal Arte da Guerra, a qual vocês conferem nesta cobertura do maior evento do setor de defesa na América Latina.

GBN News: Boa tarde Salvador, obrigado por nos receber aqui em seu stand, e como mídia especializada, gostaríamos de conhecer e compartilhar com nosso público um pouco sobre os desafios iniciais que a SIATT enfrentou no desenvolvimento do MANSUP?

Rogério Salvador – SIATT: Bem, a SIATT começou como pessoa jurídica em 2015, já recebendo em 2017 a incumbência da Marinha do Brasil de dar continuidade ao trabalho que estava sendo desenvolvido no que diz respeito a seção de controle e guiamento do MANSUP.

O primeiro desafio foi reunir a equipe que possuía a experiência e sua capacidade de trabalhar em grupo, era fundamental para o sucesso do projeto. Nós tínhamos apenas um ano para fazer um trabalho que era uma demanda enorme.  Sabíamos que não eram só as estruturas verticais, a empresa tinha que fornecer uma metodologia de trabalho supervisionada pelas estruturas verticais, porém, o que iria funcionar seria exatamente a estrutura horizontal, quer dizer, a experiência das pessoas associada a capacidade de trabalhar em conjunto. Então esse foi o primeiro desafio.

O segundo desafio foi nos instalar de uma maneira rápida e criar o ambiente de trabalho, as facilidades, os equipamentos, as bancadas, enfim, os meios produtivos, os meios de testes necessários para em um ano desenvolver e produzir nossa parte no MANSUP. Isso foi possível por que nós conseguimos organizar um arranjo produtivo no parque tecnológico de São José dos Campos, o que facilitou muito. Onde já encontramos uma área disponível, já conseguindo acelerar o projeto.

O terceiro desafio esse sim foi tecnológico, onde já existiam os gargalos do projeto que precisariam ser atacados e que nós tivemos a felicidade de reunir as competências e resolver esses gargalos dentro dos prazos acordados com a Marinha do Brasil.

Então basicamente é isso, o primeiro foi encontrar pessoas capacitadas, segundo os meios e processos e em terceiro o trabalho técnico propriamente dito, para resolver os gargalos que existiam no projeto.

GBN News: Tendo estes três desafios, como foi o trabalho propriamente dito na parte técnica do programa? Uma vez que o programa é desenvolvido com outras indústrias de defesa, como a  Avibrás, a Omnisys  e a Fundação EZUTE.

Rogério Salvador – SIATT: Sim, a Avibrás, Omnisys e a Fundação Ezute também participam do desenvolvimento, com a Fundação Ezute que apoia a Marinha do Brasil no gerenciamento do projeto. O trabalho em equipe também ocorreu entre as empresas que atuam no programa, sendo algo necessário. Sob a gestão da Marinha nós conseguimos ir nos ajustando aos cronogramas e meios disponíveis, inclusive os meios de testes, de tal modo que a coisa ficasse bem sincronizada.  Então foi um exercício importante que requereu habilidade para conciliar naturalmente as disponibilidades e as necessidades de cada uma das empresas envolvidas. Mas valeu a pena e o resultado vemos aí.

GBN News: Sabemos que todo projeto em determinado momento atinge a fase de amadurecimento e entra na fase de testes, onde se avalia na prática todo desenvolvimento realizado, abrindo uma nova fase no desenvolvimento. Com relação a isso, foi realizado até agora o primeiro e segundo teste de lançamento do míssil, devendo ser realizado um terceiro teste que antecederá o início da produção do MANSUP. Qual foi o maior desafio no aperfeiçoamento do projeto e como é a transição em cada fase do projeto? Qual a diferença em cada uma dessas fases?

Rogério Salvador – SIATT: em primeiro lugar eu devo ressaltar o planejamento ao longo dessas missões, porque são missões que envolvem muitos meios, vários navios, vários helicópteros. É uma missão que de fato mobiliza meios importantes. Então é preciso ser muito bem planejado. As operações foram planejadas e conduzidas pela Marinha, permitindo uma questão essencial que é obter os dados do lançamento.

O míssil de certa forma é como um palito de fósforo, você risca e não volta mais, então ele precisa funcionar, sendo fundamental que os dados sejam coletados em tempo real, porque depois que o fósforo apagou já era...

Nossa equipe tem uma experiência de mais de 250 lançamento de mísseis acumulados ao longo de cerca de 25 anos, então acontece que a Marinha do Brasil está usufruindo de uma maturidade de projeto e de ensaios e testes que vem sendo formado nos últimos 25 anos. Conseguimos resgatar com a SIATT o trabalho antes executado pela MECTRON, de modo que o primeiro critério de sucesso no lançamento é que se conseguiu adquirir todos os dados necessários, a partir desses dados se possui os elementos para realizar os ajustes e evoluções. Então eu digo a você o seguinte, é um trabalho que foi executado de maneira muito satisfatória e nosso cliente, a Marinha do Brasil, é testemunha disso, e o que eu posso me aprofundar com vocês é isso, foi feito profissionalmente com o planejamento adequado, com os meios liberados pela Marinha e com resultados excepcionais.

GBN News: Como basicamente funciona o MANSUP?

Rogério Salvador – SIATT: Bom, basicamente os sensores do navio detectam e identificam a ameaça, o sistema então alimenta o míssil com as informações de posição angular e a distância angular do alvo. A partir daí o míssil com as informações do alvo é disparado, nessa primeira fase de voo ele é guiado através de um sistema inercial, o qual usa o radar altímetro para determinar seu padrão de voo, na fase final do voo, quando o míssil entra na zona estimada do alvo, é ativado o sistema de busca radar que leva o míssil até o alvo, com isso minimizando a capacidade do inimigo de detectar a aproximação do míssil, o que reduz a ameaça de contramedidas pelo alvo.

GBN News: Como é realizado o desenvolvimento e testes antes do lançamento e produção do míssil?

Rogério Salvador – SIATT: Bem, nós realizamos uma série de testes em laboratório, testamos várias variáveis do projeto e desenvolvemos uma série de testes que nos fornecem dados, são milhares de simulações antes do lançamento.

Colocamos o Hardware em testes de bancada com o software para avaliar o comportamento deles, para isso temos diversos processos que nos possibilitam obter dados importantes antes do lançamento, pois há necessidade de se maximizar ao máximo os resultados durante essa fase para que obtenhamos sucesso no lançamento, principalmente tendo em vista os custos envolvidos com um lançamento real.

Para isso desenvolvemos expertise em, onde buscamos testar o maior número possível de hardwares em laboratório, e o comportamento destes simulando um lançamento, onde estes funcionam da mesma forma que em um lançamento real, com isso obtemos importantes dados de como interagem os hardwares e o software, algo que economiza muitos recursos, com o Hardware in the Loop (HIL), tendo sido desenvolvido pela SIATT para realizar os testes que são de grande importância no desenvolvimento do MANSUP.

GBN News: Quais as perspectivas que a SIATT vislumbra com o MANSUP no mercado externo, tendo em vista que há um amplo mercado, não só para o fornecimento à Marinha do Brasil, uma vez que existem diversas marinhas que operam com plataformas do Exocet Block I e Block II, o que permite também o emprego do MANSUP com estes sistemas?

Rogério Salvador – SIATT: Bom, essencialmente a Marinha do Brasil tem um plano de evolução para o MANSUP, o qual inclui a utilização em plataformas aéreas e submarinas, e o detalhamento desse plano a Marinha pode lhe dar mais informações.  Mas de uma maneira geral com respeito ao mercado, nós temos sim, tanto a Marinha do Brasil, quanto as empresas envolvidas no programa de desenvolvimento, tem recebido várias consultas de países usuários do Exocet, que hoje se deparam com uma lacuna com a saída do Exocet Block I e Block II do mercado, e existem sim as instalações nos navios e um “apetite” por suprir essas forças com o MANSUP, principalmente por ser compatível em desempenho com o Exocet Block II. Isso é um fato, as consultas têm acontecido, e a nossa expectativa é que após essa fase inicial onde a Marinha ainda está fazendo a qualificação do produto em suas embarcações, haverá então o primeiro lote que a Marinha reservará para si, e então deverá permitir a possibilidade de produção com vistas a exportação.

GBN News: Com relação ao inicial da produção, já existe uma previsão para que ocorra o início da produção em série?

Rogério Salvador – SIATT: O primeiro lote será destinado a Marinha do Brasil, e ela ainda está definindo o número de mísseis que serão produzidos neste primeiro momento, e o período que isso irá ocorrer. Após satisfazer a necessidade inicial da Marinha, e esse tempo ainda será definido pela Marinha do Brasil para que possamos exportar.  

GBN News: Com relação aos projetos, fora o MANSUP, quais outros projetos que a SIATT desenvolve?

Rogério Salvador – SIATT: Temos o programa do míssil anti-carro, o MSS 1.2, desenvolvido com o Exército Brasileiro, com o míssil também sendo adotado pelos fuzileiros navais, esse é míssil de curto alcance, atingindo até 3Km, sendo guiado à laser, onde um único operador com marcador laser é capaz de utilizar o sistema, é um projeto muito interessante que trouxe muita maturidade à equipe, hoje o MANSUP se beneficia diretamente de outros projetos de mísseis que já foram feitos, e a empresa possui um planejamento estratégico que não só trata da parte de armamento, mas também de toda parte de integração desses armamentos as várias plataformas, então temos sistemas de missão para navios, aeronaves e carros de combate. Além disso, nós temos um plano de desenvolvimento dessas atividades e este plano está sendo detalhado e esmiuçado internamente pelo nosso conselho diretor, e esse plano trienal, sendo que 2019 é o primeiro passo dele, e surpresas virão com novos produtos e iniciativas em breve.

GBN News: E com relação as capacidades da finada MECTRON, há algum projeto que seja de interesse da SIATT?

Rogério Salvador – SIATT: Na verdade sim, nós temos o mais importante que são as competências da equipe, e tipicamente a propriedade intelectual dos projetos que estavam em andamento com a MECTRON são propriedade do governo brasileiro. Assim, se juntarmos as equipes e a propriedade intelectual que pertence ao governo, a qualquer momento havendo interesse de reativar qualquer projeto, a SIATT está sem dúvida preparada para essa demanda.



 
Agradecemos à entrevista concedida por Rogério Salvador ao nosso editor Angelo Nicolaci e o apoio de toda equipe da SIATT, com agradecimento especial a Engenheira Julia, que nos demonstrou como são realizados os testes HIL, inclusive produzimos um vídeo bastante esclarecedor com nosso parceiro “Canal Arte da Guerra” sobre os testes Hardware in the Loop (HIL) e você confere clicando aqui.





GBN News - A informação começa aqui
Share this article :

1 comentários:

  1. E o MAR-1 ?
    Faltou abordar esse produto de grande relevância.
    Sr Editor, houve ou não houve a efetivação da venda para o Paquistão deste produto?

    ResponderExcluir

 

GBN News - GeoPolítica Brasil Copyright © 2012 Template Designed by BTDesigner · Powered by Blogger