terça-feira, 9 de abril de 2019

EUA voltam a pressionar Turquia, aquisição do S-400 pode impactar acordos entre Turquia e Brasil

Nesta terça-feira (9), o Congresso norte-americano voltou a ameaçar Ancara com a possibilidade de aprovar uma lei que impediria a Turquia de receber os caças F-35, a medida seria uma forma de sancionar o país se a compra junto à Rússia do sistema de defesa aérea S-400 for concretizada, aumentando a pressão sobre Ancara.

Se a Turquia concretizar a aquisição do S-400, “nenhum F-35 chegará ao solo turco. E a participação turca no programa F-35, incluindo a fabricação de componentes, reparação e manutenção global das aeronaves será encerrada, retirando as empresas turcas da cadeia de fabricação e fornecimento do programa ”, escreveram os líderes do Comitê de Serviços Armados e do Comitê de Relações Exteriores do Senado.

“Estamos comprometidos em tomar todas as medidas legislativas necessárias para garantir que isso ocorra. A Turquia é um parceiro importante no programa F-35, mas não é insubstituível ”, acrescentaram os legisladores.

A medida visa dissuadir as decisões do presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, enfatizando os custos econômicos se a Turquia perder a coprodução do F-35 e os custos geopolíticos se Erdogan rumar em direção a Moscou e se afastar da OTAN.

A carta é um sinal para Erdogan de que ele não pode confiar nos esforços diplomáticos pessoais do presidente dos EUA, Donald Trump, já que o Congresso ficará no caminho.

O ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlüt Çavuşoğlu, disse na semana passada que a Turquia irá prosseguir com a aquisição do S-400, tendo “feito um acordo” e afirmando que Trump abriu as portas para manter as vendas do F-35 para a Turquia. Os comentários foram feitos quando os EUA interromperam a entrega de componentes do F-35 para a Turquia, limitando a produção em meses como alerta sobre a aquisição do S-400.

Os EUA tem feito lobby para reverter o curso tomado por Ancara, e ofereceu o sistema de defesa aérea Patriot fabricado pelos EUA como uma alternativa ao sistema S-400 russo.

A carta reconhece que o domínio aéreo dos EUA depende do F-35, "o maior programa de quinta geração do mundo", "com mais de 1 trilhão de dólares investidos e uma dúzia de parceiros internacionais, incluindo a Turquia". o S-400 "poderia permitir que os militares russos descobrissem como o F-35 opera".

"Com o S-400 programado para chegar à Turquia em julho e os F-35 programados para chegar em novembro, é hora do presidente Erdogan escolher", escreveram os legisladores. “É nossa esperança que ele escolha abandonar o S-400, defender os céus turcos com o sistema Patriot e salvar o acordo do F-35.”

Se Erdogan aceitar a entrega da S-400, “a Turquia será sancionada conforme exigido pela lei dos Estados Unidos sob o Ato Contra os Adversários da América. As sanções atingirão a economia turca, afetando os mercados internacionais, afugentando os investimentos estrangeiros diretos e prejudicando a indústria aeroespacial e de defesa da Turquia ”, alertam os legisladores.

Entre as “graves conseqüências” se a Turquia abandonar, ou for forçada a abandonar o programa F-35, seu investimento de 1,25 bilhões de dólares “será desperdiçado” e “não receberá mais as 100 aeronaves F-35 que pretende comprar”, sendo forçado a se contentar com um caça menos capaz que não chegará por muitos anos ”, segundo os senadores.

“Empresas turcas que produzem componentes para o F-35 verão seus pedidos secarem completamente. Suas instalações de manutenção, reparo, revisão geral e atualização do motor do F-35 verão todo o seu trabalho ser transferido para outras instalações na Europa”, escreveram eles. "A esperança do presidente Erdogan de tornar a indústria de defesa turca um pilar fundamental do crescimento econômico para o futuro será frustrada."

Eles se comprometem a "fazer tudo o que pudermos para ajudar a Turquia" se Erdogan se afastar do S-400 e se o presidente russo, Vladimir Putin, retaliar em setores econômicos onde Ancara confia em Moscou. Putin, dizem eles, "está tentando dividir a Turquia do Ocidente com os S-400".

"Sr. Putin teme e respeita uma Turquia estrategicamente ancorada no Ocidente e comprometida com a OTAN ”, escreveram eles. "Esperamos que o presidente Erdogan escolha esse futuro para a Turquia ao rejeitar o estratagema S-400 de Putin, cumprindo sua exigência de defesa aérea com o sistema Patriot e avançando como um parceiro crítico no programa F-35".

A pressão só tem aumentado entre os EUA e a Turquia, que ao que tudo indica se manterá firme em sua opção pela aquisição do S-400, algo que claramente demonstra uma tentativa a posição de Washington em suspender o acordo assinado com a Turquia em retaliação direta, negando a Turquia a liberdade de optar pelos sistemas que deseja operar em suas forças armadas, de certa forma violando algumas convenções internacionais.

A aquisição do S-400 pela Turquia pode resultar em um revés nos esforços realizados pela industria de defesa turca, a qual tem buscado desbravar novos mercados, dentre eles a América Latina, onde recentemente reforçou sua intenção de estabelecer parcerias mais complexas com países como o Brasil, tendo iniciado conversas com a gigante brasileira Embraer Defesa e Segurança, focando o mercado de asas rotativas e VANTs na região, conforme conferimos na última edição da LAAD 2019, para conferir clique a seguir "Turkish Aerospace e Embraer juntas?"

GBN News - A informação começa aqui
com informações da Defense News

Share this article :

1 comentários:

  1. Recep Tayyip Erdogan é acima de tudo um patriota visa a sua pátria em primeiro lugar, desejaria um Erdogan presidente do Brasil.

    ResponderExcluir

 

GBN News - GeoPolítica Brasil Copyright © 2012 Template Designed by BTDesigner · Powered by Blogger