domingo, 20 de outubro de 2019

Apoio aéreo aproximado, mitos e realidades

Como continuação do artigo "Apoio aéreo aproximado no século XXI e o Pucará", onde Santiago Rivas realizou uma breve análise sobre apoio aéreo aproximado no século XXI e o argentino "Pucará", tendo como enfoque especialmente o emprego em cenários de guerra assimétrica ou não convencional. Este novo trabalho de nosso amigo Santiago Rivas, visa levantar alguns pontos de vista entre o seu ponto de vista em geral, e muitos do que se toca no assunto baseiando-se no que alguns meios de comunicação publicam e no que é percebido, analisando em profundidade a diversidade de conflitos atuais e a experiência compartilhada por aqueles em nossa região latino-americana que hoje participam de conflitos locais.
"Quando se trata de elevar a realidade das aeronaves de apoio aéreo aproximado, três declarações são geralmente realizadas de maneira absoluta, que eu acho que tem pouco realismo e cujo valor é muito relativo, e são elas:
1) Hoje, aeronaves de apoio aéreo aproximado são muito vulneráveis ​​a mísseis antiaéreos portáteis.
2) Os drones cumprem a tarefa de aeronaves de apoio aéreo aproximado.
3) Apenas armas guiadas ou inteligentes são usadas em missões de ataque e não canhões, foguetes e bombas convencionais.
Acredito que essas propostas se baseiam basicamente no que muitas publicações repetem até ficarem cansadas, mas não em uma análise em primeira mão das informações que podem ser coletadas, pelo menos, nos conflitos atuais na América Latina, especialmente nas experiências na Colômbia e Peru, onde a guerra não convencional continua com variações de intensidade e tipos de guerra."
Aeronaves x mísseis em ambientes de selva e montanha
Quanto ao primeiro ponto, devemos começar com o fato de que nenhuma arma jamais foi invulnerável. Se um conceito de armamento ou uma arma específica for abandonada apenas por ter alguma vulnerabilidade, não haveria armas no mundo que pudessem ser usadas. A vulnerabilidade de uma arma deve ser comparada à sua eficácia no cumprimento do objetivo para o qual se destina o seu emprego e se isso justifica o nível de baixas que elas podem sofrer. Por exemplo, quase metade dos bombardeiros Boeing B-17 Flying Fortress usados ​​na Segunda Guerra Mundial foram perdidos em combate, mas o efeito que a aviação de bombardeio estratégico teve sobre o mecanismo de guerra alemão justificou tais perdas, dado que até o final da guerra na Europa, nenhuma outra alternativa foi encontrada (o uso da bomba atômica gerou uma mudança nesse tipo de operação). Em todas as guerras em que a aviação participou centralmente (dos anos 30 em diante), as aeronaves que operam mais perto do inimigo, como helicópteros e aeronaves de apoio aéreo aproximado, geralmente são as que mais sofrem, por estar mais expostos ao fogo inimigo. Como exemplo, na Guerra do Vietnã, foram perdidos cerca de 3.500 helicópteros da família Huey (quase um por dia durante o conflito, aos quais centenas de helicópteros de outros modelos devem ser adicionados), mas isso não invalidou o uso do helicóptero em missões de ataque aéreo e hoje o Huey e seus derivados permanecem entre os helicópteros mais usados ​​no mundo.
Por outro lado, indo para o cenário latino-americano, temos dois eixos de possíveis conflitos: convencional e não convencional. O primeiro caso é o menos provável no momento e é onde uma aeronave de apoio aéreo aproximado se torna muito vulnerável a armas antiaéreas, o uso de armas guiadas lançadas a uma grande distância deve ser preferido. Além disso, em geral, é possível que os alvos atacados possam ser facilmente identificados a longa distância e vale a pena o uso de armas guiadas para neutralizá-los.
Mas no caso de guerra não convencional, que é a mais provável hoje, o cenário é completamente diferente. O inimigo geralmente não possui uma capacidade antiaérea muito sofisticada e mísseis portáteis podem ser a coisa mais poderosa com a qual eles podem contar. No entanto, vários pontos devem ser analisados ​​a esse respeito. Como para qualquer força convencional que se opõe a grupos terroristas ou guerrilheiros, a capacidade do inimigo de contar com mísseis é considerada uma ameaça significativa, o esforço de inteligência para saber se o inimigo os possui e onde está, é muito grande. A isto se acrescenta que um míssil portátil é uma grande arma para ser carregada por uma pequena unidade de guerrilha, já que não é algo que possa simplesmente ser carregado no ombro, mas em caixas onde vão o lançador e os mísseis. Isso implica ter um certo número de pessoas que formam a unidade antiaérea ou possuem veículos (algo impossível em muitas áreas de selva e montanhosas da América Latina, o que exige movimentação a pé), o que implica que, em cenário de guerra assimétrica, onde o inimigo se move em unidades muito pequenas, a presença de um grupo maior para poder operar mísseis dá aos serviços de inteligência a indicação de que eles deveriam prestar mais atenção à unidade e permitiriam detectar antecipadamente a presença dessas armas.
Outro aspecto a considerar é que a cabeça do míssil precisa ser refrigerada para manter sua capacidade de detectar o calor de um motor e diferenciá-lo de outras fontes de calor. Em geral, o nitrogênio é usado com uma pureza que deve ultrapassar 99%, para que a cabeça seja mantida nas melhores condições. Obter esse nitrogênio não é fácil em áreas isoladas e seu manuseio não é simples, enquanto sua eficácia dura com o tempo e depois é perdida. Além disso, o propulsor de mísseis é afetado em cenários de alta umidade, especialmente se exceder 80%. Isso também acontece com seus circuitos elétricos. Embora seja possível manter o míssil em condições enquanto ele é preservado, isso requer alguma infraestrutura e capacidade. Assim, uma organização guerrilheira que obtém mísseis portáteis, deve tentar usá-los a curto prazo para ser eficaz. Em cenários onde a mobilidade é bastante reduzida, devido à falta de rotas de comunicação, como na selva, isso é complicado, pois o míssil pode levar vários dias para chegar à área de operações e sua transferência é facilmente exposta e localizada por forças do governo.
Outro ponto é a necessidade de uma área aberta para disparar o míssil, pois não pode ser lançado por baixo da vegetação, o que também implica que o lançador esteja exposto a ser localizado.
Na Colômbia, até agora se sabe de uma única tentativa de abater um helicóptero AH-60L Harpy da Força Aérea Colombiana, usando um míssil SA-7 de origem russa, mas não atingiu o alvo e o lançamento falhou. Estima-se que o lançador do míssil não estivesse em boas condições, devido justamente às dificuldades em mantê-lo. Embora o vídeo do lançamento em si mostre a existência de pelo menos outro lançador, não houve mais tentativas de derrubar helicópteros colombianos com mísseis pelos guerrilheiros.
Em geral, o que acontece na Síria ou no Afeganistão, onde existem muitos vídeos publicados de abates com mísseis portáteis, não existem dados estatísticos sobre a eficácia dos mísseis. É importante ter em mente que os vídeos publicados como propaganda, mostram apenas ações bem-sucedidas, mas hoje não é possível ter dados sobre quantos mísseis eles obtiveram, quantos poderiam lançar e quantos alcançaram o objetivo, e isso que importa. Além disso, não há estatísticas sobre quantos abates houveram e o número de missões realizadas pela aviação, para saber se essas perdas realmente têm um impacto importante no desenvolvimento das operações.
Como outro exemplo, na guerra das Malvinas, os dois lados usaram mísseis portáteis e vários lançamentos foram feitos, embora sua eficácia fosse limitada e não alterasse o desenvolvimento das operações. As forças argentinas só conseguiram derrubar um Harrier GR.Mk.3 no dia 21 de maio, usando um míssil Blowpipe, enquanto os britânicos abateram um Pucará com um míssil Stinger e um Aermacchi MB-339, resultado de todos os outros lançamentos ou tentativas de ambos os lados.
No conflito do Cénepa entre o Peru e Equador em 1995, a única aeronave equatoriana atingida por um míssil desse tipo, um Cessna A-37B, conseguiu retornar à sua base e retornar ao serviço após ser reparada, enquanto a Força Aérea do Peru perdeu um helicóptero MiL Mi-25 e o Exército peruano perdeu um MiL Mi-8T atingidos por mísseis Igla, enquanto outro Mi-8T foi abatido, de acordo com algumas versões, por míssil, e outras versões dão como por armas de tubo.
Em outro conflito em que esses mísseis foram usados ​​na região, foi em El Salvador, onde os guerrilheiros da FMLN abateram um Cessna A-37B, um Basler BT-67, um UH-1M, embora eles representem apenas 30% da aeronave abatida ( o resto por canhões).
Assim, o uso de mísseis portáteis não tem sido até agora uma mudança radical no uso de meios aéreos em missões de apoio aéreo aproximado, apesar do fato de que há cerca de cinquenta anos eles estão presentes nos conflitos, mas simplesmente aumentam a variedade de armas antiaéreas já disponíveis, com uma desvantagem em relação às armas de cano, onde a aeronave pode detectar a presença do míssil e lançar contra-medidas para evitar o impacto, o que não pode ser feito contra uma metralhadora ou antiaérea. Isso não os afasta, mas o ponto é que eles não são armas infalíveis ou facilmente empregáveis ​​em alguns cenários de guerra assimétrica; portanto, não devem receber maior relevância do que realmente são.
UAV (Drones)
Embora hoje ninguém duvide que o uso de drones ou VANTs (UAV) seja cada vez mais difundido e sua eficácia esteja aumentando para uma variedade crescente de missões, também é verdade que ainda falta um longo caminho para substituir aeronaves tripuladas em muitas delas. Por enquanto, os VANTs disponíveis têm uma capacidade de arma muito limitada, o que os torna úteis para atacar alvos específicos, sendo principalmente usados ​​para empregar estas armas durante missões de reconhecimento, ao detectar alvos de oportunidade. Mas os VANTs capazes de realizar missões de apoio aéreo as tropas que estão lutando em terra ainda estão longe, onde é necessário grande poder de fogo e saturação de área. É certo que em algum momento eles estarão disponíveis, mas ainda há, pelo menos, uma geração de aeronaves de ataque tripuladas para enfrentar os conflitos atuais e de curto prazo. Um ponto essencial do sucesso de uma missão de apoio aéreo é a identificação de forças aliadas e inimigas, que podem estar a curta distância e a avaliação do piloto sobre onde lançar suas armas, para causar o maior dano ao inimigo sem causar baixas ou danos colaterais. Para isso, ainda é essencial que o piloto esteja a bordo da aeronave.
Armamento
Hoje, ninguém duvida do desenvolvimento de armas guiadas, muito eficazes para não expor a aeronave ao fogo inimigo durante o ataque e contando com maior precisão. Mas vários pontos devem ser levados em consideração quando se trata de uma missão de apoio aéreo aproximado contra uma força irregular. Esse tipo de força normalmente opera em grupos muito pequenos, às vezes se movendo de maneira dispersa e também muitas vezes protegida pela cobertura das árvores. Usar armas guiadas contra esses tipos de alvos, para neutralizá-las individualmente, não é uma boa ideia, começando com a dificuldade em apontar as armas se não houver contato visual com o inimigo e o custo delas. Usar uma bomba guiada por laser ou um míssil contra cada guerrilha que compõe uma força faz pouco sentido.

Hoje, esses tipos de armas são usados ​​quase exclusivamente contra alvos de alto valor estratégico ou tático, quando o alvo justifica seu uso e requer um bom trabalho de inteligência, o que não é fácil em áreas de selva. Por exemplo, na Colômbia, bombas guiadas a laser foram usadas para neutralizar os líderes da guerrilha, mas normalmente não são usadas quando as operações terrestres do Exército são apoiadas, uma vez que o inimigo está em constante movimento, disperso em pequenos grupos e não oferece alvos atraentes para emprego dessas armas. O mesmo se aplica ao uso de mísseis como o Spike (usado pelas forças colombianas), que é empregado contra construções, veículos ou outros tipos de alvos, mas não contra pequenos grupos de combatentes espalhados na selva.
Voltando ao exemplo das Malvinas, quando em 28 de maio, os Pucará da Força Aérea Argentina e o Aermacchi MB-339 do Comando de Aviação Naval realizaram missões de apoio aéreo, encontraram a falta de alvos importantes na maioria dos casos, já que as forças britânicas avançaram em pequenos grupos muito dispersos. A única maneira de tentar neutralizá-los era usar armas que possam varrer uma área e não um alvo específico. Por isso, foi priorizado o uso de metralhadoras, canhões e foguetes.
No caso do Peru, foram realizados ataques com bombas e com contato visual com o inimigo, empregaram canhões e foguetes.
O mesmo me indicou na época os operadores do Fantasma Basler BT-67 da Força Aérea Colombiana. Sua missão é disparar em uma área e não em um alvo específico, para que eles não tenham um sistema de mira de muita precisão (uma visão antiga do T-33) é o conceito desta arma (saturação do alvo e cobrir uma área e não tantas metas específicas). Neste tipo de missão, além da neutralização do inimigo, o objetivo é manter fogo em uma posição no solo e permitir que a tropa em si tome uma posição mais vantajosa no terreno.
Assim, bombas convencionais, metralhadoras, canhões e foguetes continuam sendo as armas mais eficazes (no passado, também eram armas incendiárias, agora proibidas) quando se trata de neutralizar pequenos grupos irregulares e apoiar forças terrestres. Quanto às bombas convencionais, deve-se ter em mente que os computadores de tiro dos modernos sistemas de tiro permitem que sejam lançados com grande precisão no alvo, mesmo a longas distâncias e seu custo é muito menor que um míssil ou um kit de orientação por laser ou GPS para uma bomba.
Uma realidade atual
O cenário com esse tipo de conflito não está apenas em vigor, mas há muitas indicações de que pode se tornar mais agudo em várias regiões do mundo, principalmente na América Latina, com o crescimento das quadrilhas criminosas e terroristas, com maior poder de fogo, então esse é um dos tipos de guerra em que as forças aéreas regionais devem se concentrar mais, levando em conta as experiências dessas forças envolvidas nesse tipo de conflito. É essencial analisar os fatos de maneira objetiva, separando-os do que é visto à primeira vista, apenas o que é publicado em algumas mídias, especialmente nas redes sociais, sem estatísticas ou análises sobre o efeito real de alguns armamentos ou modos de emprego.
Agradeço ao Brigadeiro Mario Roca, da Força Aérea Argentina, ao Major Alex Martínez, da Força Aérea Colombiana, e ao Capitão Renzo Papi, da Força Aérea Peruana, por sua ajuda na elaboração deste artigo.


Por: Santiago Rivas - Jornalista e Fotógrafo renomado no campo de Defesa, articulista de inúmeras publicações especializadas, Argentino e observador do cenário geopolítico Latino Americano. Jornalista responsável na Pucará Comunicações. Autorizou ao GBN Defense News a traduzir e publicar esta análise sobre o IA-58 "Pucará" e uma hipotética inserção deste no atual mercado de aeronaves COIN. Conheça o trabalho do nosso parceiro clicando aqui

GBN Defense News - A informação começa aqui
Share this article :

0 comentários:

Postar um comentário

 

GBN News - GeoPolítica Brasil Copyright © 2012 Template Designed by BTDesigner · Powered by Blogger