quinta-feira, 29 de agosto de 2019

O SURGIMENTO DA NAÇÃO TURCA: A BATALHA DE DUMLUPINAR


A Batalha de Dumlupınar (Em Grego: Μάχη του Τουμλού Μπουνάρ; Turco: Dumlupınar (Meydan) Muharebesi ou Başkumandanlık Meydan Muharebesi, literalmente “Batalha do Comandante-em-Chefe”) foi a última e decisiva batalha travada durante a Guerra Greco-Turca (1919-1922) (parte da Guerra da Independência da Turquia). A batalha foi travada de 26 a 30 de agosto de 1922, perto de Dumlupınar, Província de Kütahya, na Turquia.
   
A batalha teve como resultado uma decisiva vitória turca, na qual, sob a liderança do Marechal Mustafa Kemal Pasha (Ataturk) derrotou as forças gregas (estimadas em 130 mil homens, 1.300 cavalos e 350 peças de artilharia), usando uma força um pouco menor, com cerca de 100 mil homens, mas com pouco mais de 5 mil cavalos e 320 peças de artilharia. Após a batalha, os turcos conseguiram destruir as pretensões gregas e lançaram as bases do surgimento da Turquia moderna, em 1923, com a liderança de Ataturk.

ANTECEDENTES

Após a dura batalha no rio Sakarya (Batalha de Sakarya), entre agosto e setembro de 1921, o Exército Grego da Ásia Menor, sob o comando do general Anastasios Papoulas, retirou-se para uma linha defensiva que se estendia da cidade de İzmit (Nicomedia) às cidades de Eskişehir e Kara Hisâr-ı Sahib (atual Afyonkarahisar). A linha grega formava um arco de 700 km, estendendo-se na direção norte-sul ao longo de um difícil terreno montanhoso com colinas altas, chamadas de tepes, saindo de terrenos irregulares e era considerado facilmente defensável. Uma linha ferroviária ia de Kara Hisâr a Dumlupınar, uma cidade fortificada a 48 quilômetros a oeste de Kara Hisâr, cercada pelas montanhas Murat Dağı e Ahır Dağı, e daí para Smyrna (atual İzmir) costa. Esta ferrovia era a principal rota de abastecimento dos gregos. A sede grega em Smyrna era efetivamente incapaz de se comunicar com a frente ou de exercer controle operacional.


PREPARATIVOS PARA A DECISIVA BATALHA


Após o resultado malsucedido da Batalha de Sakarya, a estrutura de comando grega passou por muitas mudanças. Forças significativas foram retiradas da linha de frente e remanejadas na Trácia para uma ofensiva contra Istambul, que nunca se materializou. As forças gregas restantes estavam sob o comando geral do Tenente-General Georgios Hatzianestis, que havia substituído o general Papoulas em maio de 1922. O moral das tropas gregas estava baixo, devido a longa duração da guerra, e não havia perspectiva de uma rápida resolução do conflito. As indecisões políticas do governo grego e o fato de estarem ocupando territórios hostis derrubavam ainda mais o moral.
   
Enquanto isso no lado turco, Mustafa Kemal, que havia sido nomeado Comandante-em-Chefe do Governo Provisório em Ancara, em abril de 1920, esperou pacientemente e utilizou o tempo ganho pelas indecisões gregas para respirar, fortalecer suas forças e dividir as potências europeias através de movimentos diplomáticos hábeis, garantindo que os franceses e os italianos estavam apoiando a causa turca. Isso diplomaticamente isolou os britânicos pró-gregos.
   
Ele finalmente decidiu atacar os gregos em agosto de 1922. Sabendo que as forças turcas eram adequadas apenas para montar uma grande ofensiva, mas inadequadas para sustentar uma campanha de longa duração, ele fortaleceu o Primeiro Exército Turco sob o comando do “Sakalli” Nureddin Pasha, que foi destacado contra o flanco sul do saliente grego. para Kara Hisâr. Foi uma aposta arriscada, porque se o exército grego contra-atacasse seu flanco direito enfraquecido e girasse para o sul, suas forças seriam divididas e facilmente derrotadas pelos gregos.

AS FORÇAS GREGAS
   
As forças gregas foram organizadas no “Exército da Ásia Menor”, sob o comando do Tenente-General Georgios Hatzianestis, com um total de 220.000 homens distribuídos em doze divisões de infantaria e uma divisão de cavalaria. O QG do Exército estava localizado em Esmirna. O Exército da Ásia Menor era composto por três Corpos (I, II e III), sob os comandos do Major-General Nikolaos Trikoupis (I Corpo em Kara Hisâr), do Major-General Kimon Digenis (II Corpo em Gazligöl) e do Major-General Petros Soumilas (III Corpo em Eskişehir). Também incluía uma Divisão de Cavalaria independente e Comandos Militares menores do tamanho de um regimento, principalmente para operações de proteção interior e anti-guerrilha. A frente total da Grécia tinha 713 quilômetros de extensão.
   
Cada corpo grego tinha quatro divisões. O I Corpo consistia nas 1ª, 4ª, 5ª e 12ª divisões. O II Corpo consistia nas 2ª, 7ª, 9ª e 13ª divisões. O III Corpo consistia nas 3ª, 10ª, 11ª e nas divisões “Independentes”. Cada divisão grega tinha de dois a quatro regimentos de três batalhões e entre oito a 42 peças de artilharia (a artilharia foi redistribuída entre as divisões de linha de frente e reserva). Embora numericamente fortes, os gregos eram muito deficientes em artilharia pesada (apenas 40 peças desatualizadas existiam em toda a frente) e cavalaria (meia companhia por divisão).

AS FORÇAS TURCAS
   
As forças turcas foram organizadas na Frente Ocidental, sob o comando de Mustafa Kemal Pasha, com um total de 208.000 homens em 18 divisões de infantaria e cinco de cavalaria. Para os propósitos da ofensiva, o QG da Frente Ocidental estava localizado na colina de Koca Tepe, a cerca de 15 quilômetros ao sul de Kara Hisâr, muito perto das linhas de batalha. A Frente Ocidental consistia no Primeiro Exército sob o comando de Mirliva (Major-General) Nureddin Pasha, baseado também na colina Koca Tepe, no Segundo Exército sob o comando do Mirliva (Major-General) Yakub Shevki Pasha (Subaşı) com sede em Doğlat, no Grupo Kocaeli sob o comando do Coronel Halid Bey (Karsıalan) e no V Corpo de Cavalaria sob o comando do Mirliva (Major-General) Fahreddin Pasha (Altai).
   
Para os propósitos da ofensiva, o comando turco redistribuiu suas forças, reforçando o Primeiro Exército. O Primeiro Exército consistia no I Corpo (14ª, 15ª, 23ª e 57ª Divisões de Infantaria), no II Corpo (3ª, 4ª e 7ª Divisões de Infantaria) e no IV Corpo (5ª, 8ª, 11ª e 12ª Divisões de Infantaria). O Segundo Exército consistia no III Corpo, formado pelo “Destacamento Porsuk” (do tamanho de um Regimento) e pela 41ª Divisão de Infantaria, no VI Corpo (16ª e 17ª Divisões de Infantaria mais uma divisão provisória de Cavalaria) e nas 1ª e 61ª Divisões Independentes de Infantaria. O “Grupo Kocaeli” consistia na 18ª Divisão de Infantaria, além de unidades adicionais de infantaria e cavalaria. O V Corpo de Cavalaria era formado pelas 1ª, 2ª e 14ª Divisões de Cavalaria. Cada divisão de infantaria turca consistia em um batalhão de infantaria de ataque, três regimentos de infantaria de três batalhões e doze peças de artilharia, com uma força total média de 7.500 homens.





OS PLANOS TURCOS PARA A BATALHA
   
O plano turco era lançar ataques convergentes com o 1º e o 2º Exércitos contra as posições gregas em torno de Kara Hisâr. O Primeiro Exército atacaria para o norte, nas posições gregas a sudoeste de Kara Hisâr, mantidas pelo I Corpo grego. O V Corpo de Cavalaria turco ajudaria o Primeiro Exército infiltrando-se em posições gregas menos guardadas no Vale de Kirka e chegando atrás das linhas de frente gregas. O Segundo Exército atacaria para o oeste, nas posições gregas ao norte de Kara Hisâr.
   
O primeiro objetivo era cortar as linhas ferroviárias Smyrna-Kara Hisâr e Kara Hisâr-Eskişehir, cortando assim as forças gregas dentro e ao redor de Kara Hisâr de Smyrna e o III Corpo em Eskişehir. Numa segunda fase, o 1º e o 2º Exércitos se encontrariam na área ao sul de Kütahya, fechando um círculo em torno das forças gregas em Kara Hisâr e cercando-as completamente.

OS PLANOS GREGOS PARA A BATALHA
   
O alto comando grego havia antecipado uma grande ofensiva turca; no entanto, não tinha certeza da direção exata que viria tal ataque. Os gregos esperavam que o ataque turco ocorresse ao longo da linha ferroviária Ankara-Eskişehir ou da linha ferroviária Konya-Kara Hisâr. No momento, desconhecidos para eles, a ferrovia de Ancara, que os gregos destruíram no verão de 1921 durante a retirada após a Batalha de Sakarya, ainda havia sido restaurada e não estava operacional. Após a retirada de Sakarya, inicialmente os comandos do Corpo Grego foram dissolvidos e o Exército Menor da Ásia foi organizado em dois grupos, os grupos Norte e Sul, cada um suficientemente forte para lutar independentemente e repelir qualquer ataque turco. Após a substituição do comandante do Exército e a chegada do tenente-general Georgios Hatzianestis, a disposição grega mudou. Hatzianestis restabeleceu os três comandos do Corpo. Todos os três corpos controlavam partes da frente, mas, em essência, o II Corpo operava como reserva geral, enquanto os corpos I (em torno de Kara Hisâr) e III (em torno de Eskisehir) estavam em sua maioria destacados na frente.
   
No caso de uma ofensiva turca, o II Corpo ficaria sob o comando do setor atacado (I Corpo ao sul ou III Corpo ao norte). Hatzianestis, apesar de relatos indicando o contrário, acreditava que as linhas de frente da Grécia eram suficientemente fortes para resistir a qualquer ataque turco por tempo suficiente para que o II Corpo lançasse seu próprio contra-ataque de flanco nos flancos dos exércitos turcos atacantes.
   
Antes da ofensiva turca, a inteligência grega havia descoberto os preparativos turcos, mas não conseguiu estimar corretamente o tamanho das tropas turcas que seriam usadas na ofensiva e a data exata do ataque. Quando o ataque turco foi aberto, reforços gregos ainda estavam se deslocando para a frente.

O INÍCIO DA BATALHA: O ATAQUE E O AVANÇO TURCO (25–26 DE AGOSTO DE 1922)
   
O ataque turco começou na noite entre os dias 25 a 26 de agosto de 1922, quando o V Corpo de Cavalaria da Turquia passou pelo desfiladeiro de Kirka, atrás das linhas gregas. O desfiladeiro era guardado por uma companhia grega de patrulha, que foi facilmente invadida pela cavalaria turca que avançava. A cavalaria turca passou a cortar as linhas do telégrafo e a linha férrea (às 18 horas do dia 26 de agosto, ambas foram cortadas), dificultando seriamente as comunicações entre Smyrna e Kara Hisâr.
   
Na manhã de 26 de agosto, o Primeiro e o Segundo Exércitos turcos atacaram simultaneamente. O ataque do Segundo Exército, após uma poderosa barragem de artilharia, pegou os gregos de surpresa e foi capaz de assumir algumas posições de linha de frente da 5ª divisão grega (do I Corpo grego). Novos ataques turcos tiveram pouco sucesso. Depois de reforçada, a 5ª Divisão de Infantaria grega realizou contra-ataques limitados e restaurou sua frente original. O Segundo Exército também atacou as posições do III Corpo, retendo suas forças e impedindo-o de reforçar o II Corpo.
   
O ataque do Primeiro Exército foi precedido por uma barragem de artilharia devastadora e precisa. A artilharia pesada turca, muito superior, derrubou as leves baterias gregas e causou pesadas baixas nos batalhões de infantaria gregos da linha de frente (alguns perderam até 50% de sua força apenas durante a barragem de artilharia devido a trincheiras inadequadas). A barragem de artilharia foi seguida por um ataque geral turco por sete divisões de infantaria dos I e IV Corpos, contra duas divisões gregas (1ª e 4ª). A situação para o corpo grego tornou-se quase imediatamente crítica, pois eles enfrentavam forças esmagadoras e logo todas as reservas do corpo estavam comprometidas em batalha. O ataque turco foi focado principalmente na costura da 1ª e 4ª divisões gregas. Ao meio-dia, o I Corpo turco conseguiu transpor as trincheiras da 1ª divisão grega. A chegada como reforço da 7ª divisão do II Corpo à tarde levou a um contra-ataque grego que conseguiu restaurar apenas parcialmente a linha.

A RETIRADA GREGA PARA DUMLUPINAR E ALIÖREN (27–29 DE AGOSTO DE 1922)
   
O comandante da 1ª divisão grega, Major-General Anasthasios Frangou, reestabeleceu contato com o I Corpo às 18h30, por meio de mensageiros. No entanto, ele foi informado informalmente e não recebeu ordens por escrito. Frangou ordenou que suas forças (1ª e 7ª divisões e outras unidades menores, doravante denominadas “Grupo Frangou”) se retirassem para Dumlupınar na noite de 27 a 28 de agosto, assumindo que esse era o plano do comandante-geral do I Corpo, Major-General Nikolaos Trikoupis. De fato, Trikoupis mantinha suas forças (a maior parte do corpo I e II, doravante referido como “Grupo Trikoupis”) em posição, permitindo que seus homens descansassem à noite e se preparando para a retirada em direção a Dumlupınar na manhã seguinte de 28 de agosto (3º dia da ofensiva turca). O resultado dessa confusão foi a abertura de uma lacuna na linha grega entre os grupos Frangou e Trikoupis. As forças do Grupo Frangou que marchavam no meio da noite se retiraram em direção a Dumlupınar, mas em péssima ordem, enquanto as deserções começaram.
   
O quartel-general do Exército em Esmirna estava perdendo contato com a situação. Em suas ordens às 17:30 horas de 27 de agosto, ordenou que o I Corpo contra-atacasse e restaurasse sua linha original, ou se não fosse possível, conduzir uma retirada de combate, enquanto o II Corpo contra-atacaria imediatamente em direção a Çobanlar (sudeste de Kara Hisâr). Da mesma forma, o I Corpo sem comunicação com o Grupo Frangou não sabia que o Grupo Frangou estava se movendo por conta própria e deu ordens que não correspondiam à situação real em campo. Às 02:00 horas do dia 28 de agosto, o quartel-general do Exército da Ásia Menor cancelou as ordens anteriores de contra-ataque e colocou o II Corpo e uma divisão do III Corpo sob o comando do Major-General Trikoupis.
   
Às 05:00 horas do dia 28 de agosto, o Grupo Trikoupis iniciou seu movimento para o oeste. Sem saber da ausência das unidades do Grupo Frangou, o flanco exposto da 4ª divisão grega foi atacado às 07:00, sendo completamente surpreendido e posteriormente quebrado. A 9ª divisão grega (até agora não comprometida com a batalha), por volta das 07:00h, conseguiu repelir a 2ª Divisão de Cavalaria turca (do V Corpo de Cavalaria da Turquia), que tentava bloquear o caminho para o oeste, e infligiu pesadas baixas, incluindo prisioneiros e peças de artilharia. Posteriormente, a 2ª Divisão de Cavalaria foi retirada da ação e colocada na reserva. O restante do Grupo Trikoupis (5ª, 12ª e 13ª divisões) recuou para o oeste sem problemas. O Grupo Trikoupis passou a noite de 28 a 29 de agosto em torno de Olucak.
   
Ao mesmo tempo, o Grupo Frangou estava sob pressão do IV Corpo Turco de entrada. As unidades da Frangou foram implantadas na linha de Başkimse. Depois de repetidos esforços para estabelecer comunicação sem fio com o I Corpo grego, Frangou ordenou que suas unidades começassem sua retirada para a posição de Dumlupınar às 16:00 horas. Às 05:00 do dia 29 de agosto, todas as unidades do Grupo Frangou alcançaram as posições em torno de Dumlupınar, em boa ordem, apesar da pressão do IV Corpo turco.

A BATALHA DE HAMURKÖY-İLBULAK DAĞ (29 DE AGOSTO DE 1922): O ESTRAGULAMENTO DOS GREGOS
   
Durante a noite de 28 a 29 de agosto, o VI Corpo de Fuzileiros Turcos (do Segundo Exército) avançou para o oeste e alcançou o norte do Grupo Trikoupis. O Corpo de Cavaleiros V da Turquia e as unidades do Primeiro Exército (I, II e IV Corpos) avançaram em direção aos grupos gregos Frangou e Trikoupis. O I Corpo turco avançou em direção a Dumlupınar e fez contato com o Grupo Frangou Grego, enquanto o V Corpo de Cavaleiros e o IV Corpo dividiram os Grupos Trikoupis e Frangou. O Grupo Trikoupis foi efetivamente cercado.
   
O Grupo Trikoupis iniciou seu movimento para o oeste na manhã de 29 de agosto. Progressivamente e inesperadamente, as unidades gregas começaram a entrar nas unidades dos Corpos V e IV turcos. Trikoupis ordenou que sua 9ª divisão atacasse e rompesse a linha turca, a fim de abrir o caminho para Dumlupınar. Rapidamente a 9ª divisão grega se viu atacando contra forças turcas superiores (o IV Corpo) e partiu para a defensiva. As forças turcas atacaram também o flanco oriental do Grupo Trikoupis, onde estava a 12ª divisão grega. Trikoupis comprometeu progressivamente as 5ª e 4ª divisões na defesa de seu Grupo, mantendo a 13ª divisão na reserva. A batalha durou o dia todo em 29 de agosto, com pesadas baixas de ambos os lados. O Grupo Trikoupis não conseguiu abrir caminho para Dumupinar ou estabelecer comunicação com o Grupo Frangou. As forças turcas foram igualmente incapazes de destruir o Grupo Trikoupis, apesar de o terem cercado com os II, IV, V e VI Corpos.
   
Às 23:00 do dia 29 de agosto, as unidades gregas maltratadas do Grupo Trikoupis se retiraram e começaram a marchar em direção a Çalköy, que se pensava ser fracamente mantido pelas forças turcas. As unidades gregas já haviam perdido muito de sua coesão, e a marcha noturna agravou a mistura de unidades. A 5ª divisão grega perdeu o rumo e perdeu completamente o contato com o Grupo Trikoupis.
   
Em 29 de agosto, o Grupo Frangou se posicionou, formando uma frente de 20 quilômetros de extensão, em torno de Dumlupınar. Sua posição foi atacada pelo I Corpo turco e o flanco direito foi quebrado com pouca luta, devido a enfraquecida defesa grega. Para deixar aberta uma janela de esperança para o Grupo Trikoupis recuar em direção a Dumlupınar, Frangou ordenou que seu flanco esquerdo ocupasse posições a qualquer custo.

O FIM: A BATALHA DE ALIÖREN (30 DE AGOSTO DE 1922)
   
Na manhã de 30 de agosto, depois de passar pela fraca força turca que bloqueava o caminho, o Grupo Trikoupis chegou a Çalköy, onde, depois das 07:00h, começou a receber tiros da artilharia turca. As colunas turcas (dos IV, V e VI Corpos) eram visíveis marchando ao sul e ao norte do Grupo Trikoupis. Trikoupis fez uma rápida reunião com os comandantes de suas divisões, que propuseram que o grupo continuasse sua marcha para o oeste através de Alıören até Banaz. Trikoupis rejeitou essa opinião e ordenou que suas forças continuassem para o sul, até Dumlupınar.
   
Às 11:00h, Trikoupis recebeu os relatórios de suas unidades, indicando que a força de combate do Grupo Trikoupis foi reduzida para sete mil soldados de infantaria, oitenta cavaleiros e 116 peças de artilharia. Entre 10 mil e 15 mil homens foram completamente desorganizados e praticamente desarmados. O suprimento de comida já estava completamente esgotado e os estoques de munição eram muito baixos.
   
Depois de receber os relatórios de suas unidades subordinadas, Trikoupis, percebendo que suas forças eram insuficientes para resistir a um ataque turco, mudou de ideia e ordenou a continuação da marcha para Alıören e depois Banaz. Embora o caminho para Alıören estivesse aberto, Trikoupis havia perdido um tempo inestimável antes de ordenar a continuação da marcha para o oeste. As forças turcas haviam coberto grande parte do flanco norte e sul do Grupo Trikoupis.
   
Às 13:30h, a marcha da coluna grega encontrou o caminho para Alıören bloqueado pela cavalaria turca da 14ª Divisão de Cavalaria turca. Trikoupis ordenou que suas forças atacassem e quebrassem a força turca. Um regimento grego empurrou a cavalaria turca para trás, mas novos reforços turcos chegaram. Tornou-se evidente que o Grupo Trikoupis não poderia repelir um grande ataque turco. Trikoupis ordenou que suas divisões se mobilizassem e defendessem até a escuridão chegar, quando a marcha recomeçaria.
   
Às 16:00h, a artilharia turca tornou-se particularmente eficaz, infligindo baixas pesadas às forças gregas densamente concentradas. O IV Corpo de Fuzileiros Turcos exerceu forte pressão do leste e do sul, enquanto o VI Corpo de Fuzileiros atacou pelo norte. A situação para as unidades gregas tornou-se crítica. Ao entardecer, o flanco ocidental grego foi quebrado. Um grande número de não combatentes fugiu para o oeste. Às 20:30h, Trikoupis ordenou que os remanescentes de seu grupo retomassem a marcha para o oeste. Todo o armamento pesado, artilharia de campanha e homens feridos incapazes de marchar foram abandonados. Mais de dois mil gregos mortos foram contados pelos turcos no dia seguinte no campo de batalha, sem contar os feridos que morreram mais tarde como resultado de seus ferimentos graves. O Grupo Trikoupis havia se desintegrado completamente. Seus homens estavam completamente exaustos e muitos estavam em colapso. Finalmente, Kütahya foi libertado da ocupação grega nesta noite.
   
O Grupo Trikoupis foi dividido em três colunas que tentaram marchar para o oeste. Uma coluna de dois homens (principalmente da 12ª divisão grega) se rendeu às duas da manhã do dia 1º de setembro às unidades de cavalaria turcas. A coluna de Trikoupis, junto com cerca de seis mil de seus homens, acabou se rendendo às forças turcas às 17 horas, no dia 2 de setembro. Uma coluna de 5.000 homens conseguiu escapar do cerco turco, mas perdeu qualquer valor de combate. Trikoupis e o General Digenis (o comandante do II Corpo) foram levados a Mustafa Kemal, que informou Trikoupis de que ele havia sido apontado como Comandante-em-Chefe do Exército Grego na Ásia Menor, uma prova do nível de confusão no comando grego.
   
No dia 30 de agosto, o Grupo Frangou também foi atacado pelo I Corpo turco. O Grupo Frangou manteve suas posições o dia todo, mas às 23:30h seu flanco esquerdo foi violado. Frangou ordenou que suas forças se retirassem em direção a Banaz. Assim, a batalha por Dumlupınar chegou ao fim, e os gregos começaram uma grande retirada para o oeste, que não terminou até deixarem completamente a Ásia Menor.



O RESULTADO DA BATALHA, SUAS CONSEQUÊNCIAS E SEU LEGADO

   
O fim da Batalha de Dumlupınar marcou o começo do fim da presença grega na Anatólia. O Grupo Trikoupis, com cerca de 34 batalhões de infantaria e 130 peças de artilharia, foi destruído como uma força de combate eficaz. O que sobrou do Grupo Frangou estava fraco demais para resistir ao ataque turco. As perdas gregas foram pesadas; no dia 7 de setembro, o exército grego havia sofrido 50.000 baixas (35.000 mortos e feridos e 15.000 capturados). As perdas de material na Grécia também foram pesadas. As perdas turcas foram menores. Entre 26 de agosto e 9 de setembro, o exército turco sofreu 13.476 baixas (2.318 mortos, 9.360 feridos, 1.697 desaparecidos e 101 capturados). Em duas semanas (26 de agosto a 9 de setembro de 1922), o exército turco recapturou todos os territórios que o exército grego invadiu e ocupava desde maio de 1919. Os turcos perseguiram os gregos em fuga por 400 quilômetros até Esmirna, que mais tarde foi abandonada pelos soldados gregos. Durante esse período, o exército grego contava com 300.000 homens, com mais 100.000 em reserva.
   
De acordo com relatos oficiais gregos, durante a Guerra Greco-Turca, o exército grego sofreu mais de 101.000 baixas (24.240 mortos, 48.880 feridos, 18.095 desaparecidos e 10.000 capturados) de 200.000–250.000 homens que foram estacionados na Anatólia durante a guerra. Outras fontes colocam o número total de vítimas ainda maior, sendo estimado entre 120.000 a 130.000 baixas. O número de vítimas turcas foi de 13 mil mortos (além disso, cerca de 24 mil pessoas morreram de doenças durante e após a guerra) e 35 mil feridos por toda a Guerra da Independência da Turquia. As últimas tropas gregas deixaram a Anatólia em 18 de setembro. O Armistício de Mudanya foi assinado pela Turquia, Itália, França e Grã-Bretanha em 11 de outubro de 1922. A Grécia foi forçada a aderir a ele no dia 14 de outubro. No dia 29 de outubro de 1923, segundo o que foi estipulado pela Conferência de Lausanne (1923) a República da Turquia foi proclamada. Desde então, o “Dia da República” é comemorado como feriado nacional nesta data.
   
Para comemorar a vitória turca na decisiva Batalha de Dumlupınar, o dia 30 de agosto (também dia da libertação de Kütahya) é comemorado como o “Dia da Vitória” (Zafer Bayramı), também um feriado nacional na Turquia.

Por Luiz Reis, Professor de História da Rede Oficial de Ensino do Estado do Ceará e da Prefeitura de Fortaleza, Historiador Militar, entusiasta da Aviação Civil e Militar, fotógrafo amador, brasiliense com alma paulista, reside em Fortaleza/CE. Luiz é colaborador do Canal Arte da Guerra e atuou nos blogs da trilogia Forças de Defesa entre 2013 e 2018. Articulista do Blog Velho General e convidado do GBN Defense News.

GBN Defense News - A informação começa aqui

Share this article :

0 comentários:

Postar um comentário

 

GBN News - GeoPolítica Brasil Copyright © 2012 Template Designed by BTDesigner · Powered by Blogger