terça-feira, 20 de março de 2018

Uma comparação entre o "Pedro o Grande" e seus adversários ocidentais

O cruzador de mísseis nuclear russo “Pedro – O Grande” será o primeiro a receber os mísseis hipersônicos Tsirkon, o que o tornará uma fortaleza flutuante impenetrável. Mas é verdade que o navio de bandeira da Marinha russa é o mais formidável do mar?

Em 2019, o Cruzador de Mísseis Nuclear pesados ​​“Pedro o Grande” retornará ao porto, onde passará por um ciclo completo de modernização e receberá novas armas.

“Pedro o Grande” é o principal navio da lista de candidatos para receber o sistema Tsirkon, os primeiros mísseis hipersônicos do mundo. Esta arma, capaz de superar todos os sistemas de defesa antimísseis existentes, o tornará invulnerável e "o mais formidável monstro marinho a distância de 1.500 milhas, alcance dos novos mísseis", afirma Dmitri Safonov, ex-analista militar da Izvestia.

O deslocamento do navio é de 25.600 toneladas, medindo 250 metros de comprimento e 28,5 metros de boca. Cerca de 760 tripulantes são necessárias para operar este gigante do mar.

"O navio possui uma ampla gama de sistemas de armas: 20 de lançamento para mísseis anti-navio Granit, o sistema de defesa anti-navio S-300 e os sistemas de mísseis antiaéreos Kinjal e Kortik", acrescenta Safonov.

Os navios deste projeto (1144 Orlan) são os únicos navios da Marinha russa movidos por energia nuclear cuja capacidade pode atingir mais de 100 megawatts, diz ele.

Ele também observa que estão sendo construídos novos navios nucleares e quebra-gelos avançados que irão sulcar as extensões do Ártico e da Rota do Mar do Norte. Em termos de capacidade, eles serão mais poderosos do que o “Pedro o Grande”.

"O americano"

Contudo, até que seja completamente modernizado, o “Pedro o Grande” permanece mais fraco do que seu equivalente norte americano.

"Atualmente, a US Navy conta com cruzadores de mísseis como o “Ticonderoga”, no qual, como dizem os marinheiros, não há lugar para que uma maçã caia, já que está totalmente coberta de armas", diz o analista militar TASS, Victor Litovkin.
.
Hoje a US Navy possui 22 desses navios. Seu deslocamento é praticamente duas vezes e meia (9,8 mil toneladas) menor que do “Pedro o Grande”, mas  cada navio desta classe pode transportar até 122 mísseis do tipo SM-2, SM-3 e SM-6, bem como mísseis de cruzeiro Tomahawk, que são o equivalente ao Kalibr russo.

"Além disso, os navios americanos possuem oito estações de lançamento para mísseis anti-navio e uma série de armas de grande calibre e estações de artilharia para abater alvos de baixa altitude. Portanto, não é o tamanho que importa, mas a posse de sistemas de alta tecnologia a bordo", acrescenta Litovkin.

A principal vantagem sobre o “Pedro o Grande” é a gama mais ampla de sistemas e os mísseis de cruzeiro a bordo, mísseis que o navio russo obterá apenas em 2019 após o processo de modernização, diz ele. "Os americanos também planejam realizar um programa de modernização e equipar seus navios com armas modernas. No entanto, o presidente e o Congresso ainda precisam decidir se os presumidos 300 bilhões irão para a modernização da Marinha ou a substituição por navios mais modernos.

Enquanto os americanos estão pensando sobre isso, a Rússia tem a chance de construir o navio mais poderoso do mundo, que contará com mísseis hipersônicos e de cruzeiro a bordo, acrescenta Litovkin.

"O Britânico"

Depois que o “Pedro o Grande” for modernizado e receber os mísseis hipersônicos Tsirkon, mesmo um gigante do mar moderno e exclusivo, como o “Daring” da Royal Navy, não será capaz de confrontar o cruzador de mísseis russo, diz Litovkin.

O “Daring” é considerado o navio tecnologicamente mais avançado da Marinha Real após os novos Navios Aeródromos.

Ao contrário do “Pedro o Grande” e dos “Ticonderoga” norte americanos, o Destroyer de mísseis Type-45 não possui sistemas anti-navios, pois seu principal objetivo é proteger a esquadra contra ataques aéreos. No entanto, os especialistas dizem que é possível equipar o “Daring” para operar mísseis Tomahawk.

"Outros navios da OTAN têm funções de força de ataque. Ao mesmo tempo, o “Daring” é um dos navios mais recentes construídos no início do século XXI. Tecnologicamente, está à frente do nosso navio e do navio americano, graças aos sistemas informátizados e aos sistemas de radar que tem a bordo ", sugere Safonov.

Safonov diz que o navio britânico possui um sistema de defesa aérea que pode rastrear simultaneamente 1.000 alvos a uma distância de 250 milhas. Os sistemas de defesa aérea do navio podem disparar simultaneamente em 16 deles.

"A bordo, o “Daring” possui 48 mísseis com alcance de 75 milhas. Graças a eles e ao layout do navio, é um recurso perfeito para proteger contra ataques aéreos, bem como um recurso insubstituível para reconhecimento e espionagem ", conclui Safonov.


Fonte: Russia Beyond com GBN News
Share this article :

0 comentários:

Postar um comentário

 

GBN News - GeoPolítica Brasil Copyright © 2012 Template Designed by BTDesigner · Powered by Blogger